Conheça também

null null null
 

O diploma superior em dois anos

/cidadania/imagens/32_4.jpg

Até a década de 80, a formação profissional limitava-se ao treinamento para a produção em série e padronizada. A partir de então, as novas formas de organização e gestão modificaram estruturalmente o mundo do trabalho, exigindo profissionais cada vez mais aptos e capacitados para exercerem funções voltadas a áreas bastante específicas.

Para formar esses profissionais, foram criados os Cursos de Graduação Tecnológica. “Hoje existem vários segmentos de mercado, que necessitam de profissionais que estejam capacitados a desenvolver funções específicas em uma determinada área. Como desenvolvimento, pesquisa aplicada, inovação tecnológica, gestão de processos, produção de bens e serviços e o desenvolvimento da capacidade empreendedora”, explica o secretário de educação profissional e tecnológica do Ministério da Educação, Eliezer Moreira Pacheco.

Esses cursos duram, em média, dois anos e são divididos em 20 áreas profissionais, entre elas agropecuária, artes, comércio, comunicação, construção civil, design, saúde e turismo. Segundo a assessora de Graduação Tecnológica da Universidade Metodista de São Paulo, Vera Stivaletti, os cursos mais procurados na Universidade são Gastronomia, Marketing e Rede de Computadores. “Na área de Gastronomia, o mercado está respondendo com excelente aceitação a esses profissionais, já que é uma das carreiras mais promissoras atualmente. Em Exatas, o mercado absorve estes profissionais, pois a área de informática está em expansão. E no que diz respeito à área de Humanas, o mercado também oferece oportunidades para profissionais exercerem atividades específicas em empresas, indústrias e bancos”, comenta.

Depois de formado, o tecnólogo recebe um diploma de graduação que permite a continuidade dos estudos em nível de bacharelado (graduação de quatro anos ou mais) e, até mesmo, de pós-graduação. O gerente de relações empresariais e comunitárias da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Luis Mauricio Resende, diz que os cursos de bacharelado apresentam uma “vertente mais científica”, sendo mais abrangentes e generalistas. Ele afirma que o aluno que opta por uma graduação em tecnologia busca desenvolver capacidades voltadas na aplicação e inovação tecnológica. “Sendo um curso mais focado permite-se, em um tempo menor, desenvolver competências que o meio profissional necessita. Logo, para quem vai escolher um curso de Graduação Tecnológica é fundamental que se analise se o curso está realmente formatado para necessidades reais do mercado de trabalho, e ainda que tenha uma forte vertente de aplicação dessa tecnologia, seja por meio dos laboratórios e aulas práticas que oferece, seja por meio do perfil do quadro docente”.

Além de jovens que acabam de concluir o Ensino Médio e desejam uma rápida inserção no mercado de trabalho, Vera afirma que esses cursos são procurados por profissionais com mais tempo de carreira. “São alunos em uma maior faixa etária, ou então que estão em processo de reciclagem no mercado de trabalho e ainda, os que realmente querem obter uma profissão”, afirma.

Quanto à formação dos professores que lecionam nos cursos de Graduação Tecnológica, o ideal é que sejam profissionais especialistas, atuantes no mercado de trabalho, justamente para que ocorra a interação entre teoria e prática. “Durante o curso, você estuda disciplinas voltadas diretamente à profissão que vai exercer, com professores que atuam no mercado. A maioria dos cursos possui grande número de aulas práticas, além de atividades dentro das empresas. O aluno aprende fazendo”, diz o diretor acadêmico do Instituto de Graduação Tecnológica, Carlos Xavier Rangel, do Rio de Janeiro.

Vale lembrar que em uma sociedade do conhecimento, no qual a moeda da competividade é medida pela capacidade de dominar e desenvolver a tecnologia nos seus mais variados aspectos, o fundamental é que se priorize a formação de pessoas capacitadas, como lembra Resende: “Ao país, hoje, que não dispuser de um contingente de pessoas que, em todas as modalidades, em todas as áreas, não forem capazes de enfrentar esse mundo, pautado e arrastado pelo desenvolvimento da tecnologia, resta o pobre papel de coadjuvante, comprando o conhecimento e a tecnologia desenvolvidos por terceiros”.


MEC oferece bolsas de estudo para o segundo semestre

Jovens que vão prestar vestibular no segundo semestre e que pretendem solicitar bolsa de estudo, devem ficar atentos aos prazos de inscrição para esse benefício.

O MEC (Ministério da Educação) começa a receber, no dia 22 de maio, pelo site http://www.mec.gov.br , as inscrições para o programa de bolsas do Governo Federal, o Prouni. As datas, documentos e outras informações sobre o programa também estão disponíveis nesse endereço.

A maioria das Instituições Metodistas de Educação participa do programa. Para saber se a que você escolheu está cadastrada, e quais cursos são elegíveis, consulte o site da instituição pretendida.


Layla Machado

Ações do documento