Você está aqui: metodista Maiscidadania Reportagens Comunicação e sustentabilibade ambiental: como implantar na sua empresa?

Comunicação e sustentabilibade ambiental: como implantar na sua empresa?

De informação sobre o meio ambiente e a sustentabilidade socioambiental estamos bem-servidos pelos meios de comunicação. Na hora de olhar para dentro, neste 05/06, Dia Mundial do Meio Ambiente, alguns deles dão dicas de como estão atuando pela sustentabilidade do planeta.

Por Carla Soares Martin e Marianna Senderowicz


De informação sobre o meio ambiente e a sustentabilidade socioambiental estamos bem-servidos pelos meios de comunicação. Na hora de olhar para dentro, neste 05/06, Dia Mundial do Meio Ambiente, alguns deles dão dicas de como estão atuando pela sustentabilidade do planeta. O Comunique-se conversou com jornalistas e empresas de comunicação que sugerem formas de você também adotar essa nova consciência ambiental.

Para começar, fica a sugestão do jornalista André Trigueiro, apresentador da Globo News: "As empresas são as pessoas". Ou seja: as melhores atitudes são justamente aquelas que transformam um lugar pela mudança de cada um, seja em casa, na empresa onde trabalha ou no País. Aqui, você encontrará experiências de três empresas de comunicação - Globo News, no Rio; Rádio Eldorado, do Grupo Estado, em São Paulo; e TV BandNews, no Rio Grande do Sul e, principalmente, de seus jornalistas.


Globo News Não foram poucas as vezes que o jornalista André Trigueiro, apresentador do Jornal das Dez, da Globo News, carregou em seu carro folhas sulfite A4, usadas pela redação, para levar à reciclagem por meio da Cooperativa de Catadores da Praça Onze, no Rio de Janeiro. Doava o material que ia para o lixo. Depois, afixava no mural da empresa quantos quilos de material tinha dado e o valor que fora doado para a cooperativa. "Um recurso que as pessoas não dão valor", disse Trigueiro. Essa foi apenas uma das inúmeras ações que uma "equipe de jornalistas conscientes" desempenhou na Globo News. "Tem sempre um grupo sensível a essas questões", afirmou.

O Clube da Caneca foi outra atitude proposta pelo jornalista. Trigueiro simplesmente passou a trazer canecas para quem quisesse trocar o copinho de plástico por elas. O âncora deu cerca de 15 canecas e, depois, outros jornalistas passaram a trazer de casa também.

"A história da caneca foi uma brincadeira que deu certo. Tem o aspecto lúdico, de criança. Todo mundo queria ter a sua. Foi uma onda boa", comentou Trigueiro que, acrescenta, nunca obrigou ninguém a participar do Clube da Caneca.

Mais uma atividade impulsionada pelo grupo de jornalistas ligados a Trigueiro foi o fim das impressões para ler o off das reportagens. "Agora, lêem pela tela do computador", afirmou. "Não é uma mudança drástica, sacrificante, é uma simples mudança do dia-a-dia", acrescenta.

Hoje, André Trigueiro também é editor-chefe do programa Cidades e Soluções, da Globo News, e comentarista da Rádio CBN, com o Mundo Sustentável, bloco de mesmo nome do site que Trigueiro toca na internet.

O Cidades e Soluções neutralizou os gases do efeito estufa que consome com o plantio de mudas da mata atlântica -- um programa do Iniciativa Verde.


BandNews

Há aproximadamente um mês, a Band-RS também neutraliza as emissões de dióxido de carbono do programa BandNews Porto Alegre 1ª Edição, que vai ao ar de segunda a sexta, das 9h às 11h. A iniciativa faz parte de um projeto mais amplo de preservação ambiental, que há oito anos instituiu medidas como uso racional de água e energia elétrica e também já trabalha com separação do lixo e descarte correto de pilhas e baterias.

“A Bandeirantes não se propõe a se transformar numa empresa 100% ambientalmente correta, mas já vem tomando em âmbito nacional e local algumas providências relacionadas a este tema”, conta Renato Martins, diretor de Jornalismo.

Para implementar a neutralização, mais de 200 mudas de árvores nativas serão plantadas por ano para compensar a emissão da substância. Elas serão distribuídas em oito áreas de preservação definidas pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema). “Ao final deste ano, o primeiro lote de árvores já será plantado. Como iniciamos o projeto em abril, esse plantio será proporcional”, explica Martins.

A emissão a ser neutralizada é calculada a partir da energia elétrica consumida, da utilização de veículos nas reportagens e da geração de resíduos sólidos e líquidos, como papel, copos plásticos, café, entre outros.

O retorno já compensa o investimento. Segundo Martins, no dia seguinte ao lançamento do projeto, a emissora recebeu dezenas de e-mails, telefonemas e fax pedindo mais informações sobre o processo. “Órgãos ambientais entraram em contato conosco e teremos vários encontros, palestras e exposições nos próximos meses para continuar a contagiar positivamente as pessoas, sem falar dos inúmeros cases que coletamos para a realização de reportagens todo o dia.” O comunicador se diz animado com a proposta: “Ao levarmos essas atitudes para o ar, queremos contagiar positivamente os ouvintes. Queremos dar holofotes para essas ações que pensam, acima de tudo, na qualidade de vida de quem vive nesse planeta. Se depois de ouvir a BandNews uma única pessoa começar a separar o lixo já será uma vitória”.


Rádio Eldorado

A Rádio Eldorado, em São Paulo, foi a emissora que ficou contagiada pela "demanda da audiência", como explica Paulina Chamorro, coordenadora de meio ambiente e cidadania da empresa.

Como a rádio começou há 20 anos a falar de meio ambiente, chegou um momento em que os próprios ouvintes pediram algo mais. Surgiu a idéia do Pintou Limpeza. Em seu início, em 2000, os ouvintes podiam separar o material reciclado e levar para os postos de gasolina Aster. Até que o projeto tomou outro rumo: são 16 Postos de Entrega Voluntária. Os postos foram criados porque a população soube do projeto pela rádio, pelo site ou pelo boca-a-boca e quis participar do processo de reciclagem.

A emissora fica no papel de educadora ambiental, por meio de boletins na rádio e palestras, nos locais que se propõem a ser postos de coleta. Pode ser uma escola, um comércio, uma entidade - qualquer lugar que tenha suporte para fazer a coleta seletiva. Teve escola estadual, a Augusto Meirelles, da Casa Verde, Zona Norte de São Paulo, por exemplo, que conseguiu montar uma sala multimídia, e casa de ação social, a Associação Dom Bosco, que comprou três máquinas digitais com o dinheiro do material reciclado, que ia, literalmente, para o lixo.

A Eldorado orienta os locais a buscarem os coletores e destinarem o material reciclado para quem quer que seja, para doação ou venda. "Fazemos as ações de conscientização", diz Paulina. "Queremos que esses conceitos sejam absorvidos por toda a população."

E já estão sendo. No centro automotivo Bovema, oficina de reparação de veículos no Paraíso, é sucesso entre mulheres entre 60 a 80 anos. "Senhoras vêm com carrinho de feira, colaboram, deixam aqui o material", conta Ingrid Filard, dona da loja. "No começo (há quatro anos), demorava para encher o contêiner. Hoje, o número tem aumentado", complementa o marido, Ayrton Filardi.


Papel do Jornalista

André Trigueiro conta que a maioria das ações na Globo News foi levantada pelos próprios jornalistas e que eles têm uma grande responsabilidade na implantação de políticas pela sustentabilidade em suas empresas.

Trigueiro defende, por exemplo, a criação de cursos em sustentabilidade e meio ambiente nas faculdades. "Somos analfabetos ambientais", afirmou. Ele é criador do curso de Jornalismo Ambiental da PUC-RJ.

Sobre a importância do jornalista como representante de um movimento pela sustentabilidade, Trigueiro foi taxativo: "Não consigo imaginar um jornalista consciente sem aprender com o que faz. Não se pode achar normal um jornalista que teve a chance de conhecer um lixão, o cheiro do chorume (metano resultante da decomposição do lixo), por exemplo, e não se transformar. É difícil você não se transformar", afirmou.


Fonte: Portal Comunique-se