Cristãos do Rio de Janeiro publicam manifesto em apoio à candidatura de Marcelo Freixo

Em 5 de outubro aconteceu no Rio de Janeiro uma reunião de cristãos que apoiam a candidatura de Marcelo Freixo (PSOL) à Prefeitura da cidade, em pleito que ocorrerá em segundo turno, na disputa com o senador evangélico Marcelo Crivella (PRB). Uma das conclusões indicou a necessidade “da união de cristãos (católicos e evangélicos/protestantes), espíritas e outros, com o intuito de demonstrar nosso apoio à um programa de governo que tem a ver com os ensinamentos de quem nos inspira, Jesus de Nazaré”.

O grupo publicou um manifesto chamando “todo cristão e cristã que identifica em Freixo e Luciana ao compromisso que se aproxima do cuidado e do serviço que Jesus nos ensinou, expressando, assim, a diversidade do universo cristão”, com convite para assinatura.

Carta-Manifesto de Cristãs e Cristãos com Marcelo Freixo e Luciana Boiteux

O Espírito do SENHOR Deus está sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados; a apregoar o ano aceitável do SENHOR; a consolar todos os que choram e a pôr sobre os que em Sião estão de luto uma coroa em vez de cinzas, óleo de alegria, em vez de pranto, veste de louvor, em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem carvalhos de justiça, plantados pelo SENHOR para a sua glória. (Isaías 61: 1-3)

A vida de Jesus de Nazaré é a maior inspiração de serviço e amor ao próximo que conhecemos. Nela animamos nossa fé e esperança. Nada é mais importante para nós do que seguir a Jesus, que significa viver o cotidiano com o objetivo de ser igual ao seu mestre. Seguir a Jesus no contexto político da cidade do Rio de Janeiro significa fazer aqui e agora o que Jesus fez, pelas pessoas que ele fez, nos lugares onde ele fez. E os passos mais revolucionários de Jesus foram dados no espaço público, junto às pessoas mais violentadas de sua época, junto aos marginalizados e empobrecidos, em amor e cuidado para com as que mais sofriam as dores de viver num contexto de violência produzida pelo Poder. Jesus amava as cidades, amava as pessoas da cidade, acreditava em seus potenciais e lutava por condições mais justas de vida. E o projeto de Jesus, antes e além de ser um projeto político, religioso ou ideológico, é o projeto de um amor concretizado em relações de justiça, igualdade e amizade. E Justiça para os evangelhos é a solidariedade radical com os que mais sofrem, solidariedade que se materializa em serviço e cuidado dos mais violentados, explorados e oprimidos pelos poderosos da história. Por isso, acreditamos que não devemos apenas esperar pelos céus, mas nos unir, a partir da comunhão no Espírito de Santo, para construirmos uma nova Terra. Nessa nova Terra os que choram serão consolados; os que têm fome e sede de justiça serão saciados; os misericordiosos alcançarão misericórdia. Nessa nossa Terra habitarão os pobres de espírito, os limpos de coração, os perseguidos por causa da justiça e toda sorte de gente que conosco se dispuser a construí-la.

As diversas experiências cristãs têm por tradição serviços sociais que muito tem a ver com os direitos humanos. Ainda que não tenham consciência disso, muitos cristãos e cristãs, ao cuidar de pessoas em situação de vulnerabilidade, ao servir às pessoas mais necessitadas da cidade, estão agindo conforme aquilo que convencionou-se chamar de Direitos Humanos. Quando damos de comer aos que têm fome, quando damos de beber aos que têm sede, quando hospedamos o estrangeiro ou visitamos os aprisionados estamos colocando em prática os princípios mais básicos dos direitos humanos, porque é direito de cada um de nós – seres humanos – ter água, comida, abrigo e afeto. E mais, aprendemos a fazer isso observando os evangelhos de Jesus, que dizem que quando fazemos isso a qualquer um dos habitantes da cidade, estávamos fazendo a Ele mesmo. Lutar e defender os direitos das pessoas é um gesto de serviço ao próprio Jesus. Acreditamos que as ações sociais das igrejas no Rio de Janeiro são de extrema importância na construção de uma cidade mais justa, porém sabemos que cabe ao poder público estabelecer a justiça social.

Entendemos, enquanto cristãs e cristãos, a fundamental importância da garantia do Estado laico, isso quer dizer que nenhum político pode priorizar ou privilegiar a existência e garantia de direitos para determinada religião. Para nós não há nenhum problema em um religioso assumir um cargo público, mas devemos estar atentos e preocupados se suas ações irão privilegiar uma religião e prejudicar outras. Sendo assim, nos colocamos na contramão daquilo que as “bancadas evangélicas” pregam, seja no Rio de Janeiro ou em Brasília. Enfatizamos que esses pastores e religiosos jamais nos representaram, pois acreditamos que somente o estado laico garante o direito das diversas crença – inclusive a nossa – e também o direito a não-crença.

O processo de eleição municipal é de muita importância para todos nós, o resultado obtido nas urnas impacta diretamente nossas vidas, o nosso cotidiano. Precisamos ter em mente que não elegemos apenas uma pessoa, o que está em jogo nas urnas é um projeto de governo e é com ele que iremos conviver pelos próximos quatro anos. Cremos que, por meio do processo eleitoral, podemos dar início a construção dessa nova Terra em nossa cidade e torná-la maravilhosa não apenas para quem nos visita, mas para os que mais precisam e dependem do transporte público, da escola pública, da saúde pública e da geração de novos empregos. Podemos fazer com que o direito a todas as formas de lazer e cultura pertença também àquela parte da população que historicamente é menos favorecida e a qual muitos de nós, cristãs e cristãos, fazemos parte.

Em tempos eleitorais, muita gente lança mão do recurso do medo para tentar paralisar ações corajosas e ousadas dos cristãos. Lembrem-se, “não temas” é uma das expressões mais recorrentes, mais gostosas e mais desafiadoras que já ouvimos da boca de Deus. Não temam, o verdadeiro amor lança fora todo medo. Por isso ousamos, acreditamos e desejamos criar um futuro de justiça, paz para todas e todos e alegria na cidade do Rio de Janeiro.

Devemos ter a sensibilidade de saber que esta cidade não é apenas uma vitrine para o mundo, ela é acima de tudo o nosso lar e devemos cuidar dele e das pessoas que aqui habitam. O Rio de Janeiro vive hoje um momento muito importante onde determinadas posições e escolhas nossas farão toda a diferença. Nós, cristãs e cristãos, entendemos que o projeto de cidade que desejamos, a nossa nova Terra, se assemelha ao que é defendido com muita convicção e vivacidade por Marcelo Freixo e Luciana Boiteux. Este projeto tem história de respeito à diversidade e luta pelos diretos da cidade e isso é coisa de Deus!

Com Freixo e Luciana sabemos que nosso sonho é possível!

[Seguem 460 assinaturas]

Link do Manifesto.

  1. Morvan Barreto Nobre disse:

    CATÓLICO, EM SINTONIA COM AS ORIENTAÇÕES DO PAPA FRANCISCO, ACREDITO QUE É POSSÍVEL UMA CIDADE MAIS JUSTA E FRATERNA.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *