delete

O fundamentalismo religioso não é por acaso. É sinal dos tempos

Por Luiz Carlos Azenha O professor e juiz de Direito Rubens Casara o disse bem, nos bastidores de uma entrevista com oViomundo: enganam-se os que acreditam que vivemos um período de exceção, que logo será superado pela “normalidade”. Todos aqueles que citam a ‘democracia liberal’ como parâmetro — ou princípios que a norteiam, como separação entre os poderes e estado laico, por exemplo — não se deram conta de que entramos numa nova fase, a da pós-democracia. Foi o que me levou a revisitar uma viagem que fiz ao Paquistão, para uma série de reportagens. Desembarcamos em Karachi, uma das...
delete

Qual deve ser o lugar da religião na Educação Básica?

Por Silas Fiorotti A intenção aqui é refletir sobre o lugar da religião na Educação Básica. Algumas questões se impõem: é necessário abordar as religiões nas escolas? O ensino religioso contempla esse papel, sem deixar de valorizar a diversidade religiosa e desconstruir estereótipos? Todo tipo de ensino religioso fere o princípio da laicidade do Estado? Não tenho a pretensão de oferecer respostas definitivas para questões tão complexas, mas aponto para aquilo que considero importante. Para desenvolver essa reflexão sobre a religião na Educação Básica, parto de três premissas: – é fundamental abordar as religiões na Educação Básica; – é...
delete

Análise: O que representa a indicação de um deputado fundamentalista para relatoria do Estatuto do Nascituro

Por Erika Kokay Por pressão da bancada fundamentalista [evangélica], a deputada federal Shéridan Oliveira (PSDB-RR), presidenta da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher (CMULHER) da Câmara Federal, distribuiu na última quinta-feira (5/10) a relatoria do polêmico Estatuto do Nascituro(PL 478/2007) para o deputado Diego Garcia (PHS-PR) [Bancada Católica]. A indicação do parlamentar é uma afronta ao colegiado. É um absurdo que uma matéria que dispõe sobre a vida das mulheres seja distribuída para um parlamentar que já demonstrou seu fundamentalismo, LGBTfobia e misoginia na relatoria do Estatuto da Família. Ora, não estamos falando de qualquer Comissão, mas da Comissão de Defesa dos Direitos da...
delete

Como a intolerância religiosa tem se manifestado no Brasil

Uma mãe-de-santo obrigada a destruir objetos de sua fé sob a mira de um revólver. Frequentadores de terreiro alvejados por pedradas. Locais de culto de crenças afro-brasileiras invadidos e depredados. Protestos contra o uso de figuras de orixás no espaço público. Repúdio ao ensino do papel das religiões de matriz africana na história do Brasil. A vinculação do samba ao “culto ao demônio”. São casos ocorridos nos últimos 15 anos que mostram algumas das faces da intolerância religiosa no Brasil. De acordo com dados da Secretaria dos Direitos Humanos, ligada ao Ministério da Justiça, as denúncias de intolerância religiosa...
delete

A religião e o massacre de Las Vegas

Por  Hamdullah Ozturk. Tradução de Atilla Kus Nós ficaríamos irritados caso alguém nos perguntasse se existe uma religião que autorize matar pessoas. Aliás, responderíamos da seguinte forma: “O que você quer dizer? Que tipo de pergunta é essa?” Afinal, todas as religiões pregam o bem e proíbem o mal. Aliás, as religiões proíbem matar uma cobra ou um escorpião, caso não sejam uma ameaça à vida humana. Embora isso seja sabido, infelizmente, o Islã e o terrorismo são sempre citados juntos. A religião é um instrumento muito eficiente para orientar e usar as pessoas, e as organizações terroristas não hesitam em utilizá-la...
delete

Análise: Lambança do STF e o Ideal da Laicidade

Por Daniel Murata O Supremo Tribunal Federal terminou, em setembro, o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade que a Procuradoria Geral da República havia proposto sobre a questão do ensino religioso nas escolas. O parágrafo 1º do artigo 210 da Constituição Federal estabelece a obrigatoriedade do oferecimento do ensino religioso, como uma disciplina facultativa, nas escolas públicas de ensino fundamental. Para uma corte suprema que havia decidido, em 2011, pela constitucionalidade da união estável homoafetiva, e em 2012, pela possibilidade de aborto de fetos anencefálicos, a decisão no julgamento do ensino religioso causou surpresa. Por seis votos a cinco, o...