Você está aqui: metodista Pastoral Reflexões da Pastoral Solidariedade palavra de ordem nos dias atuais

Solidariedade palavra de ordem nos dias atuais

Reverendo Natanael Garcia Marques

"Quem tiver duas túnicas, dê uma a quem não tem. E quem tiver comida, faça a mesma coisa". (Lucas 3, 11)

Solidariedade tem sido uma palavra de ordem nos nossos tempos. Mas o que é realmente ser solidário? Na tradição cristã a vida solidária recebe o nome de fraternidade, idéia fundada pelos cristãos primitivos, sob a perspectiva de uma sociedade de irmãos e irmãs, filhos do mesmo Deus, visto como Pai, conforme lhes ensinara Jesus Cristo. A sociedade de irmãos funda a igualdade na relação entre os seres desiguais, na medida em que os vincula a um propósito comum, assegurado pela crença no Deus único.

A Bíblia, mesmo não usando em seus vocábulos originais a palavra solidariedade, apresenta inúmeras experiências de solidariedade tanto na história romana como na origem grega. Ela expressa sentimentos e atitudes de solidariedade no sentido das ações humanas feitas em público para demonstrar a coragem e a ousadia do povo.

No texto em referência, temos João Batista convidando a todos e todas a uma mudança radical de vida, convida para uma transformação nas relações humanas. É o tempo do julgamento, e nada vale ter fé teórica, pois o julgamento se baseia sobre as opções e atitudes concretas que cada um assume. João aparece como o guia equilibrado, pede coisas fundamentais como faziam os profetas antes dele. Doações da parte de todos; justiça da parte dos publicanos, cobradores de impostos; e dos soldados que não maltratem a ninguém e nem façam acusações mentirosas.

O texto de Lucas não se limita a apresentar elementos comuns em relação à pregação de João Batista, acrescenta uma verdadeira exortação, em estilo direto, às várias categorias dos seus ouvintes. Esta tem caráter prático e constantemente realça a preocupação pela igualdade social e pelas boas relações humanas, características da teologia de Lucas. João Batista exige que o povo simples partilhe seus bens, o vestuário e a comida, com quem não tiver com que se cobrir ou com que se alimentar. Com isso ele está dizendo que os pobres também devem se preocupar com os mais carentes. Ninguém pode ser danificado pela cobiça dos outros, e nenhuma categoria social deve ser explorada por quem procura seus proveitos pessoais.

Nesse sentido somos convidados a rever nossos conceitos e principalmente nossas práticas cotidianas e inseri-las num projeto maior de solidariedade. Que Deus permita alcançarmos nossos objetivos e sonhos.