Estratégias e Organizações

Objetivos da Disciplina: Auxiliar os alunos na realização de raciocínios estratégicos e na simulação e construção de cenários competitivos, bem como, nas análises de aquisição, fusão e incorporação de empresas, compra e venda de ativos, e diversificação de negócios. Em especial, o foco da administração estratégica estará dirigido ao aumento da competitividade e da inovação como meios para o alcance desempenhos organizacionais extraordinários. O curso visa ao entendimento da vantagem competitiva sustentável sob o enfoque dos desequilíbrios de mercado.

a) Objetivos Gerais: Refletir sobre Estratégia no contexto da acumulação de capital e da globalização, na qual o pressuposto predominante é a competitividade, embora outras teorias e práticas coexistam.

b) Objetivos Específicos: Desenvolver a capacidade analítica e reflexiva em Gestão Estratégica de Organizações por meio de análises teóricas, estudos de casos, e discussões interativas focalizando ações estratégicas desenvolvidas por organizações no contexto do capitalismo em diferentes circunstâncias de retorno de capital. Introduzir aos discentes um mapa de pesquisa sobre o tema desempenho empresarial.

Justificativas: O processo de administração estratégica possibilita o desenvolvimento de habilidades e conhecimentos para a compreensão dos desafios organizacionais face à concorrência. O alinhamento das estratégias aos alvos, segmentos e orçamentos é necessário ao alcance dos objetivos organizacionais por meio do incremento da velocidade das ações de gestão e de respostas competitivas ao mercado. A compreensão das fontes de vantagens competitivas sustentáveis tem sido alvo de pesquisas de ponta no Brasil e no exterior, tornando-se indispensável aos pesquisadores da área de gestão de pessoas e organizações.

Ementa: Conceitos de Estratégia. Desempenho empresarial. Vantagem competitiva sustentável das organizações. Retornos econômicos anormais e rendas ricardianas. Imperfeições e desequilíbrios de mercado. Ações organizacionais individuais e pressões de oferta e demanda. Economias de escala e escopo. Crescimento, rentabilidade e diversificação. A nova organização industrial. Escola do posicionamento, produtos homogêneos e diferenciação. Valor agregado e inovação. Mobilidade de fatores e Visão Baseada em Recursos (RBV). Assimetria de informações, teoria da firma, teoria da agência e economia de custos de transação. Mercado livre e intervencionismo do Estado. Capacidades Dinâmicas. Convergência entre Estratégia Empresarial e Estudos Organizacionais.

Bibliografia:

AKTOUF, O. Governança e Pensamento Estratégico: Uma Crítica a Michael Porter. Revista de Administração de Empresas, v. 42, n. 3, p. 43-53, jul./set. 2002.

ALCHIAN, A. A.; DEMSETZ, H. Produção, Custos de Informação e Organização Econômica. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 3, p. 92-108, jul./set. 2005.

AMIT, R., SCHOEMAKER, P. Strategic assets and organizational rent. Strategic Management Journal, v. 14, n. 1, p. 33-46, Jan. 1993.

ASTLEY, W. G.; VAN de VEN, A. H. Debates e Perspectivas Centrais na Teoria das Organizações. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 52-73, abr./jun. 2005.

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. Economia das Organizações: Entendendo a Relação Entre as Organizações e a Análise Econômica. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais: Ação e Análise Organizacional. São Paulo: Atlas, 2004, v. 3, p. 131-179.

BARNEY, J., Firm Resources And Sustained Competitive Advantage, Journal of Management, 17, 1, 99-120, 1991.

BARNEY, J., Strategic Factor Markets: Expectations, Luck And Business Strategy, Management Science, 32, 10, 1231-1241, 1986.

BERTERO, C. O.; VASCONCELOS, F. C.; BINDER, M. P. Estratégia Empresarial: A Produção Científica Brasileira Entre 1991 e 2002. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 4, p. 48-62, out./dez 2003.

BRITO, L. A. L. E VASCONCELOS, F. C. D., Performance of Brazilian Companies: Year Effects, Line Of Business And Individual Firms, Brazilian Administration Review, 1, 1, 1-15, 2004.

BROWN, S. L. E EISENHARDT, K. M. Competing On The Edge: Strategy As Structured Chaos. Boston Ma: Harvard Business School Press, 1998. BURT, R. S. Structural Holes: The Social Structure of Competition. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1992.

CAVALCANTI, M. (org.) Gestão Estratégica de Negócios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001.

CAVES, R. E., Economic Analysis And The Quest For Competitive Advantage, The American Economic Review, 74, 2, 127, 1984.

CONNER, K. R., A Historical Comparison Of Resource-Based Theory And Five Schools Of Thought Within Industrial Organization Economics: Do We Have A New Theory Of The Firm? Journal of Management, 17, 1, 121-154, 1991.

DIERICKX, I.; COOL, K. Asset stock accumulation and sustainability of competitive advantage. Management Science, v. 35, n. 12, p. 1504-1513, 1989.

DiMAGGIO, P. J.; POWELL; W. W. A Gaiola de Ferro Revisitada: Isomorfismo Institucional e Racionalidade Coletiva nos Campos Organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 74-89, abr./jun. 2005.

FERNANDES, B. H. R.; FLEURY, M. T. L.; MILLS, J. Construindo o Diálogo Entre Competência, Recursos e Desempenho Organizacional. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 4, p. xx-xx, out./dez. 2006.

FLEURY, M. T. L. E FLEURY, A., Construindo O Conceito De Competência, Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, 183-196, 2001.

GHEMAWAT, P. A Estratégia e o Cenário dos Negócios. Porto Alegre: Bookman, 2000.

GHEMAWAT, P. Games Business Play. Cambridge Ma: Mit Press, 1995.

GHEMAWAT, P., Competition And Business Strategy In Historical Perspective, Business History Review, 76, 1, 37-74 38 Pages., 2002. GODOY, A. S.; KIMURA, H.; TEIXEIRA, M. L. M. Redes Sociais, Valores e Competências: Simulação de Conexões. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 3, p. xx-xx, jul./set. 2006.

GRANT, R. M. Contemporary Strategy Analysis - Concepts Techniques Applications. Malden Ma, Blackwell Publisers, 2002.

GUARILDO FILHO, E. R.; ROSSONI, L. Cooperação Inserinstitucional no Campo da Pesquisa em Estratégia, Revista de Administração de Empresas, v. 47, n. 4, p. xx-xx, out./dez. 2007.

HAMEL, G., PRAHALAD, C. K. Competindo pelo Futuro. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

HANNAN, M. T.; FREEMAN, J. Ecologia Populacional das Organizações. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 3, p. 70-91, jul./set. 2005.

HANSEN, T. M., NOHRIA, N. E TIERNEY, T., What's Your Strategy For Managing Knowledge? Harvard Business Review, 77, 2, 106-116, 1999. KAPLAN, R., NORTON, D. P. Organização orientada para a estratégia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

MACHADO-DA-SILVA, C. L. Nota Técnica: Estratégia e Organizações: Conversação Necessária. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais: Ação e Análise Organizacional. São Paulo: Atlas, 2004, v. 3, p. 69-76.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; VIZEU, F. Análise Institucional de Práticas Formais de Estratégia, Revista de Administração de Empresas, v. 47, n. 4, p. 89-100, jul./set. 2007.

MARCH, J. G. The Pursuit of Organizational Intelligence. Oxford: Blackwell, 1999.

MARCH, J., Bounded Rationality, Ambiguity, And The Engineering Of Choice (In Papers In Honor Of Herbert A. Simon), The Bell Journal Of Economics, 9, 2, 587-608, 1978.

MARIOTTO, F. L., Mobilizando Estratégias Emergentes, Revista de Administração de Empresas, Abril/Maio/Junho, 78-93, 2003.

MCGRATH, R. G., Exploratory Learning, Innovative Capacity, And Managerial Oversight, Academy of Management Journal, 44, 1, 118-131, 2001.

MINTZBERG, H. E LAMPEL, J., Reflecting On The Strategy Process, Sloan Management Review, 40, 3, 21-30, 1999.

MINTZBERG, H., AHLSTRAND, B. E LAMPEL, J. Strategy Bites Back: It Is Far More, And Less, Than You Ever Imagined. Uppes Saddle River Nj: Prentice Hall, 2005.

MINTZBERG, H., AHLSTRAND, B. E LAMPEL, J., Safári de Estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MINTZBERG, H., Patterns In Strategy Formation (In Strategy Formulation), Management Science, 24, 9, 934-948, 1978.

MONTGOMERY, C.; PORTER, M. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

OLIVER, C. The Collective Strategy Framework: An Application to Competing Predictions of Isomorphism. Administrative Science Quarterly, 33 (4): 543-561, 1988.

OLIVER, C., Sustainable Competitive Advantage: Combining Institutional And Resource-Based Views, Strategic Management Journal, 18, 9, 697-713, 1997.

OSTER, S. Modern Competitive Analysis. Oxford: Oxford University Press, 1994.

PETERAF, M. A., The Cornestones Of Competitive Advantage: A Resource-Based View, Strategic Management Journal, 14, 179-188, 1993.

PINHO, A. F. D. A. E SILVA, J. F. D., Posicionamento Estratégico E Desempenho De Mercado Da Indústria Farmacêutica À Luz Da Tipologia De Porter, Revista de Administração Contemporânea, 5, 3, 27-52, 2001.

PODOLNY, J. M., STUART, T. E. E HANNAN, M. T., Networks, Knowledge, and Niches: Competition in the Worldwide Semiconductor Industry, 1984-1991, The American Journal of Sociology, 102, 3, 659-689, 1996.

PORTER, M., The Contributions Of Industrial Organization To Strategic Management, Academy Of Management Review, 6, 4, 609-620, 1981.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. HBR, v. 68, n. 3, mai./jun. 1990, p. 79-91.

QUEIROZ, M. A. L.; VASCONCELOS, F. C.; GOLDSZMIDT, R. G. B. Economic Rents and Legitimacy: Incorporating Elements of Organizational Analysis Institutional Theory to the Field of Business Strategy. Brazilian Administration Review, v. 4, n. 1, p. 51-65, Jan./April 2007.

RAMOS-RODRÍGUES, A-R; RUÍZ-NAVARRO, J. Changes in the Intellectual Structure of Strategic Management Research: a Bibliometric Study of the Strategic Management Journal, 1980-2000. Strategic Management Journal, 25: 981-1004, 2004.

RUMELT, R. P., SCHENDEL, D. E TEECE, D. J., Strategic Management And Economics, Strategic Management Journal, 12, 5 25 Pages., 1991.

SAMPAIO, C. H.; HOOLEY, G. PERIN, M. G. Impacto dos Recursos da Empresa na Performance de Inovação. Revista de Administração de Empresas, v. 47, n. 4, p. xx-xx, out./dez. 2007.

SANCHEZ, R.; HEENE, A.; THOMAS, H. Dynamics of competence-based competition: theory and practice in the new strategic management. Oxford : Pergamon, 1996.

SIMON, H. A., Altruism and Economics (In The Economics Of Altruism), The American Economic Review - Papers And Proceedings Of The Hundred And Fifth Annual Meeting of The American Economic Association., 83, 2, 156-161, 1993.

TEECE, D. J., PISANO, G. E SHUEN, A., Dynamic Capabilities and Strategic Management, Strategic Management Journal, 18, 7, 509-533, 1997.

VASCONCELOS, F. C. E CYRINO, A. B., Vantagem Competitiva: Os Modelos Teóricos Atuais e a Convergência Entre Estratégia e Teoria Organizacional, Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 4, p. 20-37, 2000.

VASCONCELOS, F. C., A Institucionalização Das Estratégias De Negócios: O Caso Das Start-Ups Na Internet Brasileira Em Uma Perspectiva Construtivista, Revista de Administração Contemporânea, 8, 2, 159-179, 2004.

WHIPP, R. Desconstrução Criativa: Estratégia e Organizações. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais: Ação e Análise Organizacional. São Paulo: Atlas, 2004, v. 3.

WHITTINGTON, R. O que é estratégia. São Paulo: Thomson, 2002.

WILLIAMSON, O. E., Comparative Economic Organization: The Analysis Of Discrete Structural Alternatives, Administrative Science Quarterly, 36, 2, 269-296, 1991a.

WILLIAMSON, O. E., Strategizing, Economizing And Economic Organization, Strategic Management Journal, 12, 75-94, 1991b.

WILLIAMSON, O. E., The Economics Of Organization: The Transaction Cost Approach, The American Journal Of Sociology, 87, 3, 548-577, 1981.

ZAWISLAK, P. A. Nota Técnica: Economia das Organizações e a Base para o Pensamento Estratégico. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais: Ação e Análise Organizacional. São Paulo: Atlas, 2004, v. 3, p. 180-185.

Ações do documento