Métodos Qualitativos Aplicados à Administração

Introdução: A necessidade de definir área de interesse, construir um objeto de pesquisa e escolher métodos de coleta de dados e análise, coloca aos mestrandos o imperativo de fazer opções coerentes em relação ao seu trabalho de elaboração do projeto de pesquisa.

Objetivos da Disciplina: Auxiliar os alunos no processo de construção e refinamento do seu projeto de pesquisa qualitativa e no desenvolvimento teórico e prático necessário à aplicação da estratégia metodológica escolhida. Sabe-se que a plena consecução dos objetivos da disciplina implica no desenvolvimento de conhecimento e habilidades básicas do processo de coleta e análise de dados referentes à estratégia metodológica. Assim, realizaremos discussões e atividades visando esse desenvolvimento sem, no entanto, dirigi-las às questões especificas dos projetos de pesquisa individuais. Em especial, o foco em métodos qualitativos encontra-se na produção científica no campo da Administração no mundo e no Brasil. Para tanto, os participantes serão estimulados no sentido de identificar, avaliar e discutir artigos exemplares baseados em pesquisa qualitativa.

a) Objetivos Gerais: oferecer as condições teóricas e práticas para que os participantes adquiram os conhecimentos e desenvolverem as habilidades necessárias para aplicar pesquisas qualitativas, de maneira a atender satisfatoriamente às demandas de qualidade usualmente aceitos na área de Administração e na Academia de maneira geral.

b) Objetivos Específicos: os objetivos específicos situam-se em quatro dimensões interligadas: pressupostos, estratégias metodológicas, procedimentos de coleta e análise de dados, projeto de pesquisa qualitativa. São eles:

  • Rever e aperfeiçoar projetos de pesquisa qualitativa que atendam aos objetivos da pesquisa e os critérios de qualidade usualmente aceitos na área de Administração;
  • Identificar as implicações e riscos da escolha do método, por meio da compreensão dos pressupostos e técnicas envolvidas nos seguintes métodos: estudo de caso, pesquisa-ação, etnografia, grounded theory;
  • Exercitar a aplicação de instrumentos de coleta de dados típicos de pesquisas qualitativas tais como entrevistas (pessoais e em grupo), observação participante, seleção de material, técnicas projetivas e grupos focais;

Bibliografia:

ANDION, C.; SERVA, M. A Etnografia e os estudos organizacionais. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006, cap. 5.

ATKINSON, P.; HAMMERSLEY, M. Ethnography and Participant Observation. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) Handbook of Qualitative Research. Thousand Oaks: Sage, 1994, cap. 15.

BANDEIRA-DE-MELLO, R. Software em pesquisa qualitativa. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006, cap. 15.

BANDEIRA-DE-MELLO, R.; CUNHA, C. Grounded Theory. In: GODOI, C.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.;SILVA, A. Pesquisa Qualitativa em Organizações: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Ed. Saraiva, 2006.

BERTERO, C. O.; CALDAS, M. P.; WOOD, Jr. T. (Coods.) Produção Acadêmica em Administração no Brasil. São Paulo: Atlas, 2005.

BOEIRA, S. L.; VIEIRA, P. F. Estudos organizacionais: dilema paradigmáticos e aberturas interdisciplinares. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. (Org.) Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006, p. 17-52. (Cap. 1).

BURREL, G. Ciência normal, paradigmas, discursos e genealogia da análise. In: CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Org.). Handbook de Estudos Organizacionais, São Paulo, Atlas, 1999, vol. 1, p. 439-462.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organizational Analysis. London: Heinemann, 1979.

CHRISTIANS, C. G. A ética e a política na pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.) O Planejamento da Pesquisa Qualitativa. 2ª. ed. Porto Alegre, Artmed Bookman, 2006, p. 141-162 (cap. 5).

CLARK, E.; MICHAILOVA, S. (Eds.) Fieldwork in Transforming Societies: Understanding Methodology from Experience. London: Palgrave Macmillian, 2004.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativo e misto. 2ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) Handbook of Qualitative Research. Thousand Oaks: Sage, 1994.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) The Sage Handbook of Qualitative Research. 2nd. ed. Thousand Oaks: Sage, 2000.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) The Sage Handbook of Qualitative Research. 3rd. ed. Thousand Oaks: Sage, 2005.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.) O Planejamento da Pesquisa Qualitativa: teorias e abordagens. 2ª. ed. Porto Alegre, Artmed Bookman, 2006.

EDEN, C.; HUXHAM, C. Pesquisa-ação no estudo das organizações. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (org.) [CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (org. ed. bras.)]. Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 2001, v. 2, p. 93-117.

EISENNHARDT, K. M. Building Theories from Case Study Research. The Academy of Management Review, 14(4), p. 532-550, oct./1989.

EMERSON, R. M.; FRETZ, R. I.; SHAW, L. L. Writing Ethnographic Fieldnotes. Chicago: University Of Chicago Press, 1995.

FINE, G. A. Ten lies of ethnography. Journal of Contemporary Ethnography, October, 1993.

FINE, M.; WEIS, L.; WESEEN, S.; WONG, L. Para quem? Pesquisa qualitativa, representações e responsabilidades sociais. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.) O Planejamento da Pesquisa Qualitativa. 2ª. ed. Porto Alegre, Artmed Bookman, 2006, p. 91-114 (cap. 4)

FLICK, U. Uma Introdução à Pesquisa Qualitativa. 2ª. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GEPHART, R. Paradigms and Research Methods. Disponível em http://division.aomonline.org/rm/1999_RMD_Forum_Paradigms_and_Research_Methods.htm, 1999, acesso em 31/07/2008.

GIL, J. Aproximación interpretativa al contenido de la información textual. In: GIL, J. Análisis de datos cualitativos: aplicaciones a la investigación educativa. Barcelona: PPU, 1994. cap. 3, p. 65-107.

GODOI, C. K.; BALSINI, C. P. V. A pesquisa qualitativa nos estudos organizacionais brasileiros: uma análise bibliométrica. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. (Org.) Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006, p. 89-114. (Cap. 3).

GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Introdução. In: Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais: São Paulo: Saraiva, 2006a, p. 1-13.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. C. L.. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006, capítulo 10.

GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

GODOY, A. S. A pesquisa qualitativa e sua utilização em administração de empresas. RAE 35(4): 65-71, 1995c.

GODOY, A. S. Estudo de caso qualitativo. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006, cap. 4.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE 35(2): 57-63, 1995a.

GODOY, A. S. Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. RAE 35(3): 20-29, 1995b.

JAIME JR., Um texto, múltiplas interpretações: antropologia hermenêutica e cultura organizacional. RAE, 42(4), out./nov./dez. 2002, p. 72-83.

KEMMIS, S.; McTAGGART, R. Participatory Action Research. In: DENZIN, N. K.; LINCONLN, Y. (Eds.) The Sage Handbook of Qualitative Research. 3th. ed. Thousand Oaks: SAGE, 2005, cap. 23.

KINCHELOE, J. L.; McLAREN, P. Repensando a teoria crítica e a pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.) O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2a. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006, p. 281-314.

LINCOLN, Y. S.; GUBA, E. G. Controvérsias paradigmáticas, contradições e confluências emergentes. In : DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.) O Planejamento da Pesquisa Qualitativa. 2ª. ed. Porto Alegre, Artmed Bookman, 2006, p. 169-192 (cap. 6).

LOFLAND, J.; LOFLAND, L. H. Analyzing Social Settings: A Guide to Qualitative Observation and Analysis. 3th. ed. Belmont, CA: Wadsworth Publishing, 1995. (A 4a. ed publicada em 2005 com dois outros autores: David A. Snow e Leon Anderson).

MACKE, J. A pesquisa-ação como estratégia de pesquisa organizacional. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Saraiva, 2006, cap. 7.

MARSCHAN-PIEKARI, R.; WELCH, C. (Eds.) Handbook of Qualitative Research: Methods for International Business. Edward Elgar Pub., 2005.

McCRACKEN, G. The Long Interview. Thousand Oaks: Sage, 1988.

MILES, M. B.; HUBERMAN, A. M. Qualitative Data Analysis: An Expanded Sourcebook, 2nd. ed. Thousand Oaks: Sage, 1994.

NUNES, J. A. Um Discurso sobre as Ciências 16 Anos Depois. In: SANTOS, B. S. (Org.) Conhecimento Prudente para uma Vida Decente: “Um Discurso sobre as Ciências” Revisitado. 2ª. ed. São Paulo: Cortez, 2006, p. 59-83.

PRASAD, P. Crafting Qualitative Research: Working in the Postpositivist Tradition. Armonk, New York: M. E. Shape, 2005.

SANTOS, B. S. (Org.) Conhecimento Prudente para uma Vida Decente: “Um Discurso sobre as Ciências” Revisitado. 2ª. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, B. S. A Crítica da Razão Indolente. São Paulo: Cortez, 2000.

SANTOS, B. S. Um Discurso sobre as Ciências. 5ª. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SCHWANDT, T. A. Três posturas epistemológicas para a investigação qualitativa: interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.) O Planejamento da Pesquisa Qualitativa: teorias e abordagens. 2ª. ed. Porto Alegre, Artmed Bookman, 2006, p. 193-218.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. 21ª. Ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SILVA, A. B.; ROMAN NETO, J. Perspectiva multiparadigmática nos estudos organizacionais. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. (Org.) Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006, p. 53-88.

SILVERMAN, D. Introducing Qualitative Research. In: SILVERMAN, D. Qualitative Research: Theory, Methods and Practice. 2nd. ed. Thousand Oaks: Sage, 2004, p. 1-8.

SILVERMAN, D. Qualitative Research: Theory, Methods and Practice. 2nd. ed. Thousand Oaks: Sage, 2004.

SPINK, M. J. (Org.) Práticas Discursivas e Produção de Sentido no Cotidiano: Aproximações Teóricas e Metodológicas. 3ª. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

SPINK, M.J., MEDRADO, B. Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: SPINK, M.J. (Org.) Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 2004.

SPINK, M.J.S., FREZZA, R. M. Práticas discursivas e produção de sentidos: a perspectiva da Psicologia Social. In: SPINK, M.J. (Org.) Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 2004.

SPRADLEY, J. The ethnographic interview. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1979.

STAKE, R. E. Qualitative Case Studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) The Sage Handbook of Qualitative Research. 3rd. ed. Thousand Oaks: Sage, 2005, cap. 17.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SUDDABY, R. From the Editors: What Grounded Theory is Not. Academy of Management Journal. v. 49, n. 4, p. 633-642, 2006.

TEDLOCK, B. The Observation of Participation and the Emergence of Public Ethnography. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) The Sage Handbook of Qualitative Research. 3rd. ed. Thousand Oaks: Sage, 2005, cap. 18.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. 11a. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

THIOLLENT, M. Pesquisa-Ação nas Organizações. São Paulo: Atlas, 2007.

VIDICH, A. J.; LYMAN, S. M. Métodos qualitativos: sua história na sociologia e na antropologia. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.) O Planejamento da Pesquisa Qualitativa. 2ª. ed. Porto Alegre, Artmed Bookman, 2006, p. 49-90 (cap. 2).

WHYTE, W. F. Sociedade de Esquina: A Estrutura Social de uma Área Urbana Pobre e Degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Método. 2ª. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Ações do documento