Você está aqui: metodista Portal de Publicações Científicas Correlatio Correlatio 07 Oração no pensamento de Paul Tillich

Oração no pensamento de Paul Tillich

Carlos R. Caldas Filho

Abstract

The author considers the importance of prayer in the theology of Paul Tillich. He places Tillich in what could be called a theology of spirituality. He shows, then, how Tillich insisted in the importance of prayer in Christian life.. Prayer is for him a basic element dependent on revelation. The author shows how Tillich relates prayer to divine providence and the way through which it is contemplation of the mystery. Paul Tillich considered prayer an experience of ecstasy, an element of sanctification ( New Being) and integral part of the worship.


Introdução


Da (re)descoberta da espiritualidade no debate teológico contemporâneo

No período que se convencionou chamar "moderno", dominado pela epistemologia de corte iluminista, marcado por uma abordagem racionalista e mecanicista à realidade, a academia teológica em geral não tem dado muito valor ao tema da espiritualidade. Tal racionalidade pode ser observada em manuais de teologia sistemática, principalmente no capítulo da teo-ontologia, que demonstram preocupação em apresentar um detalhamento sobre "o ser e os atributos de Deus", a um ponto tal que a dimensão do mistério fica totalmente excluída. O transcendente, a realidade primeira e última, o absoluto, em tais teologias sistemáticas é reduzido a um objeto de estudo, como um elemento químico que pode ser decomposto, ou um material qualquer que pode ser fracionado, dissecado, pesado, medido, contado, examinado em tubo de ensaio de laboratório e visto na lente de um microscópio e ter sua estrutura genética mapeada. Tais construções teológicas não privilegiam a espiritualidade, entendida como "estado de relacionamento profundo com Deus" (Houston in Elwell, 1990, p. 60). Mas é óbvio que a espiritualidade acompanha o cristianismo praticamente desde o berço - haja vista que a forma adjetiva (pneumatikós, "espiritual") aparece em 1 Coríntios 2:13-15; 9:11; 14:1. Não obstante, a história do pensamento cristão mostra como não poucas vezes tem surgido um divórcio entre saber teológico teórico e vivência da fé. Exemplo eloqüente vem do século XV, a clássica obra Imitação de Cristo, que apresenta contundente denúncia contra tal divórcio:

Que te aproveitas discorrer profundamente sobre a Santíssima Trindade, se não és humilde e, por isso, à Trindade desagradas? Em verdade, as palavras sublimes não fazem o homem santo e justo, é a vida pura que o torna querido de Deus, prefiro sentir compunção a saber-lhe a definição (Imitação de Cristo, 1970, p. 13),

É óbvio que este trecho da Imitação de Cristo, não obstante ter sido escrito há séculos, aponta para situação típica da modernidade, qual seja, separar fé e reflexão. Neste sentido, a pós-modernidade tem propiciado uma (re)descoberta da espiritualidade. Trata-se sem dúvida, de nota alvissareira. Pois, como apresenta a tradição dominicana, a teologia deve ser theologia mentis et cordis - loqui cum Deo, loqui de Deo (teologia da mente e do coração - falar com Deus, falar sobre Deus).


Do lugar (e do não lugar) da oração em reflexões teológicas modernas

É inegável que uma das mais tradicionais possibilidades de vivência da espiritualidade é a oração. Apesar disso, é possível perceber que oração tem sido "conteúdo nulo" em algumas teologias sistemáticas produzidas no período da modernidade. Neste sentido, observe-se que a Teologia Sistemática de Louis Berkhof (que se insere em uma tradição reformada conservadora) não trata do tema da oração, nem de qualquer aspecto da espiritualidade clássica. A mesma ausência é notada na Teologia Sistemática de Wayne Grudem (Grudem, 1999). A obra (Introdução à Teologia Sistemática) de Millard J. Erickson (que fora aluno de Wolfhart Pannenberg), teólogo batista também alinhado com uma tradição teológica conservadora, trata do tema da oração apenas tangencialmente, quando apresenta a doutrina da providência (Erickson, 1997, p. 178-179). Curiosamente, a Dogmática Evangélica, de Alfredo Borges Teixeira, talvez a primeira obra do gênero no Brasil, apresenta um breve resumo sobre oração (1976, p. 192-195). Talvez mais curioso ainda seja observar que a Teologia Sistemática de Charles Hodge, representante da "Velha Escola" de Princeton, obra que utiliza como ferramenta auxiliar a filosofia do senso comum, monumental obra com quase 1700 páginas, apresenta 15 páginas a respeito do tema da oração (ou seja, cerca de 0,8% do total). Já nos tempos que se convencionou chamar "pós-modernos", marcados por uma epistemologia não tão racionalista (e nem por isso antiintelectual), lugar, espaço e atenção têm sido dados à espiritualidade. Uma epistemologia que rompe com o racionalismo mecanicista de corte iluminista terá abertura para o subjetivo, o intuitivo, a contemplação, para o mistério, sendo menos preconceituosa quanto à espiritualidade. Mas o tema do presente trabalho não é lugar (ou não lugar) da oração em teologias sistemáticas modernas. Nem é apresentar uma teologia da oração. O que o presente trabalho pretende apresentar considerações sobre oração no pensamento de Paul Tillich (1886-1965) o famoso "teólogo da correlação", indubitavelmente um dos mais destacados teólogos do século XX. Tillich, teólogo que trabalha com uma ferramenta auxiliar de filosofia existencialista, por algumas (poucas) vezes se ocupa do tema da oração. Tal constatação é, sem dúvida, interessante por demais. Tillich, teólogo existencialista, tido na conta de liberal em não poucos círculos teológicos, ocupando-se da oração? Oração foi tema tido por Tillich como importante a ponto de entrar em sua mais conhecida obra? De fato, o tema da oração em Tillich não tem recebido muita atenção da parte de especialistas no corpus tillichiano. Por isso, o presente trabalho parte da hipótese operacional que, para Tillich, a oração é mais importante que alguns dos especialistas em temas tillichianos gostariam de admitir. A seguir, apresentar-se-ão, posto que em síntese, sete (tradicional número da perfeição na simbologia bíblica) pistas para a formulação de uma teologia da oração a partir do referencial teórico tillichiano. O presente trabalho é apresentado com consciência plena de sua limitação. Terá atingido seu objetivo no entanto se conseguir apresentar sugestão para futuras e mais alentadas pesquisas nesta linha. A obra que dá base à presente pesquisa é a que pode ser considerada a magnum opus de Tillich, a saber, sua Systematic Theology (Volume Um - Razão e Revelação, Ser e Deus, e Volume Três - Vida e o Espírito, História e o Reino de Deus), publicada em 1963 pela Editora da Universidade de Chicago . Oração como parte da revelação dependente Comentando sobre a dinâmica da revelação, Tillich apresenta seu entendimento quanto à diferenciação que faz entre revelação original e revelações dependentes. A revelação original, que Tillich denomina "milagre original", é distinta da revelação dependente, que acontece continuamente na história da igreja. São de Tillich as seguintes palavras: Uma situação revelatória dependente existe em todo momento em que o Espírito divino possuir, abalar e mover o espírito humano. Toda oração e meditação, se realizam seu sentido, isto é, reunir a criatura com o fundamento criativo, são revelatórias neste sentido. As marcas da revelação: mistério, milagre e êxtase - estão presentes em toda oração verdadeira. Falar a Deus e receber uma resposta formam uma experiência extática e milagrosa; elas transcendem todas as estruturas ordinárias da razão subjetiva e objetiva. É a presença do mistério do ser e uma atualização de nossa preocupação última. Se a oração é trazida ao nível de uma conversa entre dois seres, é blasfema e ridícula. Se, contudo, é entendida como a "elevação do coração", isto é do centro da personalidade de Deus, é um evento revelatório. (TS, I, 112). Vê-se portanto, que Tillich tem a oração em alta conta, e praticamente redefine seu significado, elevando-a a um patamar bem mais elevado do que em geral se percebe que a oração é entendida em círculos católico-romanos, pietistas, evangelicais, pentecostais ou neopentecostais.


Oração e providência

No que talvez seja um dos pontos altos de sua teologia sistemática, a saber, sua discussão sobre a realidade de Deus, Tillich fala sobre a providência divina. Neste momento, Tillich discute sobre o significado (e legitimidade) de orações de súplica ou de intercessão, concluindo favoravelmente sobre a oração como exercício de fé capaz de transformar uma determinada situação existencial:

A criatividade diretiva de Deus responde à pergunta pelo sentido da oração, especialmente das orações de súplica e de intercessão. Nenhum destes tipos de oração pode significar que se espere que Deus interfira nas condições existenciais. Ambas significam que Deus é solicitado a dirigir a situação dada rumo à plenitude. As orações são um elemento nessa situação, e se são orações verdadeiras são também um fator dos mais poderosos. Como um elemento na situação uma oração é uma condição da criatividade diretiva de Deus. Mas a forma desta criatividade pode ser uma rejeição completa do conteúdo manifesto da oração. Contudo, a oração pode ter sido ouvida de acordo com seu conteúdo oculto, que é a entrega de um fragmento da existência de Deus. Este conteúdo oculto é sempre decisivo. É o elemento na situação que é usado pela criatividade diretiva de Deus. Toda oração séria contém poder, não por causa da intensidade do desejo expresso nela, mas por causa da fé que a pessoa tem na atividade diretiva de Deus. Tal fé transforma a situação existencial. (TS, I, 224)

Tillich reconheceu que esta é sua interpretação básica da oração (ST, III, 191). Tal afirmação só confirma a hipótese de que a oração é para Tillich mais importante que vários de seus estudiosos e comentaristas têm admitido.


Oração como contemplação do mistério

Em sua discussão teontológica, Tillich discute sobre o ser de Deus, e comenta sobre seu entendimento sobre "Senhor" e "Pai" como símbolos de um relacionamento com o divino. Aí, de maneira coerente, Tillich conclui que a oração tem lugar (importante) neste relacionamento:

"Senhor" e "Pai" são os símbolos centrais para a relação eu-tu com Deus. Mas a relação eu-tu, embora seja a relação central e a mais dinâmica, não é a única, pois Deus é o ser-em-si. Em invocações como "Deus Todo poderoso" é sentido o poder irresistível da criatividade de Deus; em "Deus Eterno" é indicado o fundamento imutável de toda vida. Além destes símbolos de invocação, existem símbolos usados na meditação nos quais a relação eu-tu é menos explícita, embora seja sempre implícita. Contemplar o mistério do fundamento divino, considerar a infinitude de sua vida, intuir a maravilha da criatividade divina, adorar o sentido inexaurível da auto-manifestação divina - todas estas experiências estão relacionadas a Deus sem envolverem uma relação eu-tu explícita. Muitas vezes uma oração que começa dirigindo-se a Deus como Senhor ou Pai,termina numa contemplação do mistério do fundamento divino. E, reciprocamente, uma meditação do mistério divino pode terminar numa oração a Deus como Senhor ou Pai. (TS, I, 241).


Oração como experiência extática

Tillich, ao comentar sobre a "Presença Espiritual" (a rigor, sua pneumatologia), fala bastante sobre o que denomina "experiência extática". Para Tillich, a oração é simplesmente central na experiência extática. Neste ponto de sua reflexão teológica encontram-se as que provavelmente são as mais lúcidas compreensões de Tillich quanto à oração: O melhor e mais universal exemplo de uma experiência estática é o padrão da oração. Cada oração séria e bem sucedida - que não fala a Deus como a um amigo familiar, como muitas orações fazem - é uma fala a Deus, o que significa que Deus é transformado em um objeto por quem ora. Entretanto, Deus nunca pode ser um objeto, a menos que seja um sujeito ao mesmo tempo. Nós só podemos orar ao Deus que ora a Ele mesmo através de nós. Oração é uma possibilidade somente na medida em que a estrutura sujeito-objeto é superada; por conseguinte, é uma possibilidade estática. Aí reside a grandeza da oração, e o perigo de sua contínua profanização. O termo "estático", que geralmente tem conotações negativas, possa talvez ser entendido de maneira positiva, se entendido como característica essencial da oração. (ST, III, 120, tradução do autor).

A partir desta citação, conclui-se que Tillich com sensibilidade valoriza a oração, pois não a banaliza, pois não a interpreta como sendo mero recurso mágico, a ser empregado com fins meramente utilitaristas, como não raro acontece com literalmente milhões de praticantes e adeptos de expressões tão diversas como muitos segmentos da devocionalidade popular romana e de grupos neopentecostais em atuação no Brasil e no mundo.


Oração como elemento integrante do Novo Ser como processo (santificação)

Tillich, ao falar do impacto da Presença Espiritual no indivíduo, que resulta em um processo de vida "baseado na experiência da regeneração, qualificada pela experiência da justificação, e desenvolvendo como a experiência da santificação" (ST, III, 228), apresenta a oração como constituinte do processo de santificação. Tillich afirma não ver sentido na distinção entre uma devoção formalizada e uma particular (ST, III, 236). Independentemente de acontecer em "formato" formalizado ou extemporâneo, a oração, no entendimento tillichiano, será importante no processo de santificação. Oração como parte do culto Tillich fala sobre o culto, comunhão da igreja com a Presença Espiritual. Para Tillich, o culto inclui adoração, oração e contemplação. Quanto à oração como elemento do culto, Tillich diz: O segundo elemento do culto é a oração... A idéia central era que toda oração séria produz algo novo em termos de liberdade criatural que é levado em consideração no conjunto da criatividade diretiva de Deus, como o é cada ato do eu centrado do homem. Essa novidade, criada pela oração de intercessão, é o ato Espiritual do elevar o conteúdo de nossos desejos e esperanças até à Presença Espiritual. Uma oração na qual isso ocorre é "ouvida", mesmo que os acontecimentos subseqüentes venham a contradizer o conteúdo manifesto da oração. O mesmo é válido para as orações de intercessão que não apenas produzem uma nova relação com aqueles por quem a oração é feita, mas também introduzem uma mudança na relação com a ultimacidade dos sujeitos e objetos de intercessão. Portanto, é falso limitar a oração à oração de gratidão. Essa sugestão da escola ritschliana está enraizada numa profunda ansiedade quanto à distorção mágica da oração e suas conseqüências de uma perspectiva sistemática, infundada, embora seja altamente justificável na prática. Ação de graças a Deus é uma expressão de adoração e louvor, mas não um reconhecimento formal que obrigue Deus a oferecer mais benefícios sobre aqueles que são gratos. Contudo, se proibidas, as orações de súplica criariam uma relação com Deus totalmente irreal. Nesse caso a expressão das necessidades do homem a Deus e a acusação de Deus feita pelo homem por não haver respondido (como no livro de Jó) e todas as lutas do espírito humano com o Espírito divino, estariam excluídas da oração. Certamente esses comentários não são a última palavra na vida de oração, mas a "última palavra" seria vazia e profanizada, como o são inúmeras orações, caso fosse esquecido pelas igrejas e seus membros o paradoxo da oração. Paulo expressa o paradoxo da oração de maneira clássica quando fala da impossibilidade da oração verdadeira e sobre o Espírito divino que representa diante de Deus aqueles que oram, sem uma "linguagem objetivante" (Romanos 8,26). É o Espírito quem fala ao Espírito, assim como é o Espírito quem discerne e experiencia o Espírito. Em todos esses casos, o esquema sujeito-objeto do "falar a alguém" é transcendido: aquele que fala através de nós é aquele a quem é dirigida a fala. (TS, III, 531).

Nesta longa citação, Tillich ressalta a importância da vida comunitária da comunidade de fé que responde à Presença Espiritual por meio do culto e da oração.


Oração e seu aspecto peticionário

Tillich também apresenta seu teologizar sobre o aspecto mais óbvio da oração, que é da súplica, da petição. É curioso que Tillich faça menção de "curadores pela fé" (faith healers) em sua obra. Não se pode esquecer que a Teologia Sistemática de Tillich foi produzida em sua fase nos Estados Unidos, onde a presença e a atuação de "curadores pela fé" é fenômeno comum há décadas, mas algo inexistente na Alemanha, terra natal de Tillich. Portanto, ele inclui em seu pensar sistematizado uma reflexão sobre o aspecto peticionário e intercessório da oração. Talvez seja razoável admitir que, tivesse Tillich permanecido toda sua vida na Alemanha, não teria incluído em sua teologia as reflexões que fez sobre aspecto tão importante da oração. No trecho que talvez seja um dos menos existencializados de sua reflexão, Tillich afirma: Já que orações e intercessões pela saúde pertencem à relação normal entre o homem e Deus, é difícil traçar uma linha divisória entre oração determinada pelo Espírito e oração mágica. Falando em termos gerais, podemos dizer que a oração determinada pelo Espírito busca levar nosso próprio centro pessoal, inclusive nossa solicitude para com nossa própria saúde ou de outrem, diante de Deus, e que ela está pronta a aceitar a aceitação divina da oração, mesmo que o conteúdo dessa oração seja atendido ou não. E, reciprocamente, uma oração que é apenas uma concentração mágica no alvo desejado, usando Deus para sua realização, não aceita uma oração não atendia como oração aceita, pois o alvo último no poder mágico não é Deus e a união com ele, mas o objeto da oração, por exemplo, a saúde. Uma oração por saúde, na fé, não é uma tentativa de cura pela fé, mas uma expressão do estado de ser possuído pela Presença Espiritual (TS, III, 598).

Assim, Tillich comenta sobre algo que, por mais inusitado que pareça, o coloca próximo da realidade brasileira, onde a oração tantas vezes é reduzida a busca de algo que se deseja ou se necessita, mas nem sempre e não necessariamente na comunhão com Deus.


Conclusão

Há alguns anos, o que era então o mais famoso e conhecido pregador evangélico brasileiro, em uma de suas eloqüentes mensagens, falando exatamente sobre o tema da oração, atribuiu a Paul Tillich uma declaração na qual o teólogo alemão supostamente teria dito que em sua vida não havia mais necessidade de oração. O pregador então, com uma verve invejável aplicava a ilustração dizendo: "teologia que não desemboca em oração não é teologia...".

Um breve exame na Teologia Sistemática de Tillich mostra que ele concordaria com esta declaração do pregador brasileiro. Mas o pregador faria bem se tivesse se dado ao trabalho de pesquisar o que Tillich realmente disse a respeito da oração.

Que o presente trabalho, apesar de toda sua limitação, possa motivar pesquisas sobre este, e outros aspectos da espiritualidade presentes no pensamento de Tillich.


Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo
Pós-Graduação em Ciências da Religião

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


FONTES PRIMÁRIAS

TILLICH, Paul. Systematic Theology. Chicago: University of Chicago Press, 1963

____________. Teologia sistemática. Três volumes em um. Traduzido por Getúlio Bertelli. 2ª edição. São Leopoldo: Sinodal. São Paulo: Paulinas, 1984


FONTES SECUNDÁRIAS

BERKHOF, Louis. Teologia sistemática. Traduzido por Felipe Delgado Cortez. Grand Rapids: TELL, 1981

ELWELL, Walter (ed.). Enciclopédia históricotTeológica da Igreja Cristã. Volume II. São Paulo: Vida Nova, 1990.

ERICKSON, Millard J. Teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1997

GRUDEM, Wayne. Teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1999

Imitação de Cristo. Tradução do Padre Leonel Franca. 1970


Carlos R. Caldas Filho - Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo Pós-Graduação em Ciências da Religião, ccaldas@mackenzie.com.br