Você está aqui: metodista Portal de Publicações Científicas Múltiplas Leituras Múltiplas Leituras 02 Pedagogias de Paulo Freire

Pedagogias de Paulo Freire

José Eustáquio Romão [1]


RESUMO

Este texto foi apresentado pela primeira vez sob a forma de conferência, em Lisboa, no curso de Mestrado em Educação, na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e na Livraria Ler Devagar, em fevereiro de 2005. Agora, na comemoração dos quarenta anos da elaboração da Pedagogia do Oprimido, justifica-se publicá-lo, mesmo sem alterações, para se compreender por que essa verdadeira obra-prima da educação mundial não tratou apenas de uma pedagogia (a dos oprimidos), mas de várias pedagogias que nela estão potencializadas. O texto apresentado explica, por si mesmo, essa ilação.

Palavras-chave: Paulo Freire, Pedagogia do oprimido, Pedagogia da esperança, Pedagogia da autonomia.


PAULO FREIRE’S PEDAGOGIES


Abstract

This text was firstly presented as a conference in the Graduate Program in Education, from the Lusophone University of Humanities and Technologies (Lisbon), and in the bookstore Ler Devagar, in February 2005. Now, in the celebration of the forty years of elaboration of the Pedagogy of the oppressed, its publication, without changes, is justified in order to show why this authentic masterpiece of world education dealt not only with a single pedagogy (of the oppressed), but with several pedagogies that are potentialized in it. The following text explains this illation.

Keywords: Paulo Freire – Pedagogy of the oppressed – Pedagogy of hope – Pedagogy of autonomy.


PEDAGOGIAS DE PAULO FREIRE

Resumen

Este texto ha sido presentado, por la primera vez, bajo la forma de conferencia, en Lisboa, en el curso de Máster en Educación, en la Universidad Lusófona de Humanidades y Tecnologías y en la Librería Ler Devagar, en febrero de 2005. Ahora, por la conmemoración de los cuarenta años de la elaboración de la Pedagogia del oprimido, se justifica publicarlo, incluso sin alteraciones, para comprenderse por qué esta verdadera obra prima de la educación mundial no simplemente ha tratado de una pedagogía (la de los oprimidos), pero de varias pedagogías que están potencializadas en ella. El texto siguiente explica por sí mismo esta ilación.

Palabras clave: Paulo Freire – Pedagogía del oprimido – Pedagogía de la esperanza – Pedagogía de la autonomía.


INTRODUÇÃO

...ensinar não é transferir conhecimento, mas criar possibilidades para sua produção ou sua construção. (Paulo Freire, 1996, p. 22)

Sejamos realistas, exijamos o impossível. (Slogan da juventude em maio de 1968)


Nos últimos anos de sua vida, sempre que podia, Paulo Freire recomendava aos amigos mais próximos e, particularmente, aos membros do Instituto que leva seu nome, a criação, a escritura e a publicação de “pedagogias”. Ele, pessoalmente, cumpriu a orientação, escrevendo a Pedagogia do oprimido (1981), que, com a Pedagogia da esperança (1992b) e a Pedagogia da autonomia (1997), constitui o cerne de sua obra.

Por que essa eleição e, num certo sentido, essa fixação? Estaria ele retomando um termo de sua obra-prima – Pedagogia do oprimido – porque queria dar continuidade a um trabalho reflexivo mais geral, porém reafirmando a marca pontualmente educacional? Estaria ele indicando que o legado que deixava e que deveria ser continuado, não repetido, limitava-se ao setor específico da educação ou da reflexão sistemática sobre ela? Por que não recomendar a elaboração, e não elaborar ele próprio, “antropologias”, “psicologias”, “filosofias”, enfim, outras ciências e/ou artes de mais prestígio e mais generalistas, já que, no final de sua existência, navegava no oceano da existência humana, e não apenas nos meandros da educação e da pedagogia? Ou, então, por que não escreveu Educação do oprimido, Educação da autonomia e Educação da esperança, se educação é mais amplo que pedagogia?

Para tentar responder a essas questões, é necessário reconstituir o(s) significado(s) dos termos “educação” e “pedagogia”. Ainda que de modo muito sumário, é importante resgatar a etimologia, os sentidos atribuídos aos vocábulos originalmente, bem como sua trajetória semântica, para iluminar melhor sua acepção contemporânea.


1. Educação

A palavra ”educação” induz a muitos conceitos, sendo, portanto, carregada de ambigüidades, desde suas origens, além de, entre nós, estar marcada por uma conotação conservadora. Ela não é tão fácil de ser aceita sem discussão, porque admite uma polissêmica formulação, circulação e recepção, dando oportunidade a equívocos e mal-entendidos. A ambigüidade já se inicia na sua fonte etimológica, pois ela tanto pode ter derivado do verbo latino “educare” como pode ter se originado de outro verbo do mesmo idioma, “educĕre” [2]

Ora, “educare”, refere-se à ação do educador sobre o educando: criar, conduzir, orientar, ensinar, treinar, formar uma criança; desenvolvê-la e cultivá-la, mental e moralmente; discipliná-la e prepará-la, por meio de instrução sistemática, visando sua integração em um projeto social. Nesse sentido, o termo “educar” apresenta uma conotação exógena, na medida em que a iniciativa do processo cabe ao educador, que fornece ao educando os elementos necessários para que ele se desenvolva. O processo educativo acontece de fora para dentro, e o educando se torna uma espécie de receptáculo das informações, orientações e instrumentos fornecidos pelo educador. Assim, “educação” originada de “educare” se inscreve no universo que Paulo Freire qualificou como “bancária”.

Já “educĕre” significa extrair, tirar de, provocar a atualização de algo que estava latente, fazer nascer. É nessa linha que atuava Sócrates, com sua maiêutica, arrancando as idéias dos discípulos por intermédio de questões logicamente encadeadas, fazendo a “parturição” das idéias, como gostava de dizer, segundo seus biógrafos. Se daí derivado, o verbo “educar” carrega-se de uma forte conotação puericêntrica, como queria Rousseau e como querem os defensores das pedagogias ativistas. Em outras palavras, neste caso, a iniciativa do processo cabe mais ao educando do que ao educador. O processo centra-se mais nos saberes construídos a partir do aprender do que os acumulados a partir do ensinar.

Enquanto no segundo vocábulo gerador temos a predominância do “auto”, do “endo”, do interno; no primeiro predomina o “hétero”, o “exo”, o externo, ou, ainda, o que vem de fora. Neste, a centralidade da relação pedagógica se constitui no ensinar; no outro, ela se configura e se consolida no aprender.

A língua inglesa apresenta duas palavras, respectivamente derivadas dos dois termos latinos, mantendo a diferença de significado: to educate (fornecer instrução e formação) e to educe (extrair conhecimentos, habilidades e posturas). É curioso observar que as duas tendências dicotômicas, predominantes nas teorias e propostas educacionais contemporâneas – métodos passivos e métodos ativos –, ainda retratam essas duas semânticas fundantes.

Na Língua Portuguesa, talvez não seja demasiado considerar necessária a distinção – certamente não muito adequada em outros idiomas – entre “educativo” e “educacional”, referindo-se o primeiro qualificativo à educação enquanto “educare” e o segundo à educação enquanto “educĕre”.


2. Pedagogia

O termo “pedagogia” também não tem trajetória muito simples. Ele é um vocábulo, da mesma forma, carregado de ambigüidades, e por isso não é unívoco na acepção dos diversos educadores e teóricos da educação.

Vimos que, quando uma palavra se apresenta com essas características, os teóricos do conhecimento sugerem que recorramos aos lingüistas e que busquemos seu sentido etimológico, ou seja, sua origem histórica nas línguas matrizes de nosso idioma. O estudo da evolução dos significados atribuídos a um determinado termo através da história acaba por lançar luzes sobre seu sentido atual. Assim, examinemos, ainda que de modo sumário, também a etimologia da palavra “pedagogia”.

Os gregos, desde os mais remotos tempos de sua história, usavam o substantivo “pais-paidós” para designar “criança”. À medida que suas formações sociais foram se estratificando em classes, surgiram os escravos, a quem os cidadãos atenienses abastados confiavam suas crianças, após alguns anos de cuidados dispensados pela ama. A palavra composta que os designava, “paidagogós” era uma nítida combinação do genitivo “paidós” (da criança) com a forma “agogós” (que conduz, condutor). Esse vocábulo derivava do verbo “agó” (conduzir). O “pedagogo” era, portanto, o “condutor de crianças”, ou o “acompanhante de crianças”, enfim, uma espécie de guardião, de babá. Inclusive, por ser uma profissão de escravos e servos, o termo “pedagogo” acabou por ter uma conotação pejorativa durante muito tempo.

No século V a.C., auge da cultura grega, os atenienses formularam o vocábulo “”Paidéia”. E, se inicialmente apresentava também um sentido restritivo (criação ou formação da infância), com o passar do tempo ganhou um significado mais amplo e profundo. Werner Jaeger, no “Prólogo” de sua monumental “Paidéia” (1989, p. XXI) revela, porém, toda a ambigüidade do termo:
Dou a público uma obra de investigação histórica acerca de um problema até agora inexplorado: paidéia, a formação do homem grego, como base para uma nova consideração de conjunto do fenômeno grego. Conquanto se tenha descrito freqüentemente o desenvolvimento do Estado e da sociedade, da literatura e da religião e filosofia dos Gregos, ninguém até hoje tentou evidenciar a ação recíproca entre o processo histórico pelo qual se chegou à formação do homem grego e o processo espiritual através do qual os Gregos lograram elaborar o seu ideal de humanidade [3] .

Intraduzível nas línguas modernas, pois todas as palavras que se aproximariam de seu sentido, como “educação”, “tradição”, “cultura”, etc., são insuficientes para abranger o universo e a profundidade do conceito que ele exprimia na cultura clássica helênica, o vocábulo talvez encontre sua tradução mais adequada na expressão “processo civilizatório”. Nela interpenetram e interagem a necessidade histórica e a tentativa de domínio humano dessa necessidade, potencializando a transformação de mulheres e homens em sujeitos de seus próprios destinos. Em outras palavras, o termo “paidéia” exprime uma tal amplitude e uma tal profundidade que palavra nenhuma de nosso idioma conseguiria traduzir, com propriedade, o significado que ele “semantizava” no mundo helênico. Sua extensão esgota-se nos limites de toda e qualquer criação humana, e sua profundidade se traduz na tensão dialética entre as determinações naturais e sociais e o esforço humano de, no contexto dessas determinações, dirigir o rumo dos acontecimentos para seus próprios objetivos de realização pessoal e coletiva.

Em suma, o termo e seu denotatum se referem à humanidade como um todo e à eterna discussão sobre a possibilidade da liberdade. É possível à humanidade ser livre se ela está sempre condicionada, ou até mesmo determinada, objetivamente, pelas circunstâncias? É possível elaborar um ideal de humanidade independentemente da correlação de forças históricas objetivas e concretas? Tais questões remetem à interação entre a “formação de um povo” e a “formação para um povo”. No primeiro sentido, a palavra “formação” traduz gênese e evolução objetivas de um povo; ela nos remete ao processo de constituição desse povo. No segundo, a palavra “formação” conota o ideal perseguido por esse mesmo povo, no sentido de, no mínimo, construir uma cultura e, no máximo, uma civilização [4] .

E quando os objetivos coletivos se sobrepõem aos pessoais, a formação social em que isso acontece dá uma contribuição significativa ao processo civilizatório, ou seja, ao processo de elevação da humanidade inteira a um patamar histórico-cultural superior ao que se encontra. E, parece que foi isso que os gregos deixaram como legado. Portanto, de fato, a expressão que melhor traduz o termo “paidéia” é, por enquanto, “processo civilizatório”.

Já o vocábulo “pedagogia” com certeza inicialmente limitado pelo sentido original a ele conferido, acabou por significar a reflexão sistemática sobre a educação. As formações sociais européias, herdeiras do legado grego, passaram a considerar pedagogia como ciência da educação. Não sabemos se os gregos, a partir do século V a.C., a teriam considerado como teoria ou ciência do processo civilizatório e assim a passaram a seus epígonos, sofrendo ela, posteriormente, um empobrecimento que a reduziu de sua extensão mais totalizante e profunda para teoria ou ciência do processo educativo; ou se já tinham tornado seu sentido restrito, antes de a passarem adiante.

Ao aconselhar a organização da reflexão sobre o cosmos, o Planeta Terra e o homem, por meio de “pedagogias”, não estaria Paulo Freire resgatando o significado mais totalizante que os gregos conferiram ao termo, por época da expressão máxima de sua contribuição àquele processo?

Atribuindo-se ao termo o significado de processo civilizatório, fica mais fácil entender o porquê da recomendação de Paulo Freire em se estabelecer a pedagogia como uma práxis (reflexão e ação) preferencial deste início de século. Em seu sentido “paidético”, ela deve ser mesmo o eixo norteador da reflexão crítica e de ação conseqüente na contemporaneidade. Nesse caso, ela carrega consigo uma dimensão de totalidade, de historicidade, de dialeticidade e de dialogicidade. Em suma, justifica-se pensar, sentir e agir, hoje, através da Pedagogia, se quisermos rechaçar a ameaça do retorno à barbárie e se desejarmos retomar a reconstrução do processo civilizatório. Enquanto prática e ciência – nesta ordem –, portanto, enquanto ação e organização da reflexão sistemática sobre esta ação, enquanto praxis, enfim, a pedagogia permite a atualização das potencialidades humanas, quer seja na sua capacidade de reconstrução do processo de desenvolvimento sustentável do Planeta e dos seres que nele habitam, quer seja na sua competência para re-aprender a importância do resgate do humanismo. Além disso, a Pedagogia tem como centralidade a dimensão de futuro, construído a partir da ação no presente.

Numa época dominada pela hegemonia de um discurso que se caracteriza pela negação do futuro e pela cristalização de um presente terminal e excludente, Paulo Freire escolheu a perspectiva pedagógica, certamente porque ela reafirma também, na sua essência, a denúncia e o anúncio de um outro projeto de sociedade, no qual a realização coletiva de todos não pode eliminar a realização de cada pessoa. Em outras palavras, a realização pessoal e coletiva se interpenetram e se complementam mutuamente. Uma não tem sentido sem a outra, porque a absolutização do individualismo anula, tanto quanto a absolutização do coletivo, a perspectiva humanista e, portanto, a possibilidade da civilização. Com essas afirmações, seria ingenuidade não se lembrar de que, mesmo en passant, de um modo geral, a Pedagogia tem prestado o serviço oposto, em benefício da reprodução dos sistemas injustos e das exclusões sociais perpetradas ao longo dos séculos. Contudo, é no espaço mesmo da Pedagogia “Bancária” que tem surgido, dialeticamente, a Pedagogia Crítica.

A Pedagogia Crítica, além de se constituir numa razão e oferecer quadros à ação transformadora, tem possibilitado momentos de felicidade pessoal e coletiva, porque é uma aventura do espírito. Em outros termos, a Pedagogia carrega em si, potencialmente, as dimensões epistemológica, política, ética e estética e, por isso mesmo, é um permanente convite à plenificação reclamada pela consciência da incompletude humana.

Paulo Freire, certamente, não propunha que se formulasse e se escrevesse qualquer pedagogia, mas aquela que refletisse, criticamente, sobre as determinações naturais e sociais e que carregasse consigo uma proposta de transformação, no sentido da libertação de todos os homens e mulheres do mundo. Portanto, as “pedagogias” por ele propostas inscrevem-se no universo da Crítica.

Neste trabalho [5] , iremos considerar “Pedagogia” como a reflexão metódica e sistemática sobre a ciência e a arte da educação. E consideraremos educação como trabalho coletivo de criação histórico-cultural, ou seja, como ação conjunta humana de transformação do mundo – enfim, enquanto processo civilizatório.


As “pedagogias” de Paulo Freire

Se limitarmo-nos aos títulos das obras de Paulo Freire, já é possível detectar aí algumas “pedagogias”. Se estendermos a verificação pelas obras dos que tentaram e tentam dar continuidade a seu legado, “reinventando-o”, como era seu desejo, encontraremos um número mais significativo de títulos contendo esse termo, sugerindo outras “pedagogias”.

Vejamos, então, as obras em cujos títulos Paulo Freire registrou explicitamente o termo “pedagogia” [6] : Pedagogia do oprimido (1970 [7] ) e Pedagogia da esperança (1992). Além desses, há um livro que ele escreveu com Moacir Gadotti e Sérgio Guimarães, intitulado Pedagogia: diálogo e conflito (1985).

Penso que a melhor explicação do título do primeiro, quer seja no que diz respeito a sua mera sintaxe, quer seja quanto à semântica que dele deve ser inferida, é a do autor do prefácio, Ernani Maria Fiori:
Em sociedades cuja dinâmica estrutural conduz à dominação de consciências, “a pedagogia dominante é a pedagogia das classes dominantes”. Os métodos da opressão não podem, contraditoriamente, servir à libertação do oprimido. Nessas sociedades, governadas pelos interesses de grupos, classes e nações dominantes, a “educação como prática da liberdade” postula, necessariamente, uma “pedagogia do oprimido”. Não pedagogia para ele, mas dele (op. cit.: 3).

Como “Paulo Freire era um pensador comprometido com a vida: não pensava idéias, pensava a existência”, e, por isso, na condição de educador, “existência seu pensamento numa pedagogia em que o esforço totalizador da práxis humana busca, na interioridade desta, re-totalizar-se como “prática da liberdade.” (Id., ib.).

Quanto ao título e subtítulo de Pedagogia da esperança – Um reencontro com a pedagogia do oprimido – é o próprio Paulo quem faz questão de explicá-lo, justificando-se, aqui, a longa citação extraída das “Primeiras Palavras” da obra:
Quando muita gente faz discursos pragmáticos e defende nossa adaptação aos fatos, acusando o sonho e utopia não apenas de inúteis, mas também de inoportunos (...) pode parecer estranho que eu escreva um livro chamado Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Para mim, pelo contrário, a prática educativa de educação progressista jamais deixará de ser uma aventura desveladora, uma experiência de desocultação da verdade. (...) Por outro lado, deve haver um sem-número de pessoas pensando como um professor universitário amigo meu, que me indagou, espantado: “Mas como, Paulo, uma Pedagogia da esperança no bojo de uma tal sem-vergonhice como a que nos asfixia hoje, no Brasil”? (...) É que a “democratização” da sem-vergonhice que vem tomando conta do país, o desrespeito à coisa pública, a impunidade se aprofundaram e se generalizaram tanto que a nação começou a se pôr de pé, a protestar. (...) Por outro lado, sem sequer poder negar a desesperança como algo concreto e sem desconhecer as razões históricas, econômicas e sociais que a explicam, não entendo a existência humana e a necessária luta para fazê-la melhor, sem esperança e sem sonho. A esperança é necessidade ontológica; a desesperança, esperança que, perdendo o endereço, se torna distorção da necessidade ontológica. (...) Não sou esperançoso por pura teimosia, mas por imperativo existencial e histórico (FREIRE, 1994, p. 9 e 10).

Em suma, a “pedagogia da esperança” é uma retomada da Pedagogia do oprimido ”, porque, conforme aí demonstrara, somente por meio da ação do oprimido é possível a libertação e, portanto, a retomada da esperança, porque somente ele pode reiniciar a marcha para o humanismo e para a civilização.

Como se poderá compulsar na bibliografia ao final deste trabalho, há várias obras de seus “re-inventores” que trazem no título a palavra “pedagogia”. Infelizmente, dados seus limites, não temos como analisar e comentar cada uma delas, bem como as que, mesmo não contendo tal vocábulo em seus títulos, poderiam ser assim denominadas.

Contudo, a aparente proposição de várias “pedagogias” por Paulo Freire parece traduzir, na verdade, as múltiplas faces ou dimensões de uma única e mesma Pedagogia – que ele fazia questão de escrever, muitas vezes, com letra maiúscula. Trata-se de uma única concepção de vida, de uma única e exclusiva visão de mundo, que ultrapassa as formulações pedagógicas específicas e o sentido restrito do termo. Porém, “lendo”, crítica e permanentemente, o mundo em que vivia, Paulo Freire reescrevia, incansavelmente, essa concepção, atualizando-a, e, por isso, dava a impressão de que produzia várias. As “pedagogias freirianas” [8] constituem, na verdade, as resultantes da análise crítica, os componentes de uma consciência de classe oprimida em processo de atualização permanente, expressos por meio da ação e reflexão de um pensador que escolheu a educação não apenas como profissão, mas como opção de vida, porque viu nela um instrumento privilegiado de construção da “Paidéia”, ou do processo civilizatório.

Em Pedagogia da autonomia, assim se exprimiu Paulo Freire, também nas “Primeiras Palavras” do livro:
A questão da formação docente ao lado da reflexão sobre a prática educativa progressivista em favor da autonomia do ser dos educandos é a temática central em torno de que gira este texto. Temática a que se incorpora a análise de saberes fundamentais àquela prática e aos quais espero que o leitor crítico acrescente alguns que me tenham escapado ou cuja importância não tenha percebido. (FREIRE, 1997, p. 14).

Foi nessa obra que Paulo Freire apresentou suas últimas reflexões sobre a prática docente e, por isso, é nela que deveria se concentrar quem quisesse examinar, sob a perspectiva freiriana, a pedagogia ou as pedagogias necessária(s) a este limiar de século XXI e de terceiro milênio. Contudo, o que pretendemos verificar, nesta reflexão, é como Paulo Freire, aparentemente refletindo de modo restrito sobre uma atividade humana específica – sobre a educação e, mais restritamente ainda, sobre a prática docente –, ao contrário, estava sendo cada vez mais amplo, cada vez mais totalizante e, por isso, sob a aparência de uma Pedagogia (em sentido restrito), desenvolvia, na verdade, uma ontologia e uma epistemologia. E por que devemos nos encaminhar nesta direção, quando o objeto de nossa reflexão são as “Pedagogias de Paulo Freire”? É que, retomando a conclusão da discussão inicial deste trabalho sobre o possível significado “paidético” conferido por Paulo Freire ao termo “pedagogia” – resultando daí sua insistência na elaboração de pedagogias –, só tem sentido falar em pedagogia do Paulo Freire do último período, tomando-a como eixo do processo civilizatório, portanto, tomando-a como ontologia, como epistemologia e como política. Mas esses já são temas para outros trabalhos.






REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARBOSA, Wilmar do Valle. Razão Complexa, In: HÜHNE, Leda Miranda (org.). Razões. Rio de Janeiro: Uapê, 1994. p. 17-43.

BÁRCIA, Mary Ferreira. Educação permanente no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1982.

BARRETO, Vera. Paulo Freire para educadores. São Paulo: Arte & Ciência, 1998.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Política e educação popular: A teoria e a prática de Paulo Freire no Brasil. São Paulo: Ática, 1989.

BRANDÃO, Carlos R. (org.). A questão política da educação popular. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. São Paulo: UNESP,1999.

CASTELLS, Manuel. Fim de milênio. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CENTRO EL CANELO DE NOS. Paulo Freire en Chile. Santiago, 1991.

DELORS, Jacques (coord.). Educação: Um tesouro a descobrir. São Paulo/ Brasília: Cortez/UNESCO/MEC, 1998.

DI ROCCO, Caetana Maria Jovino. Educação de adultos: Uma contribuição para seu estudo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1979 (Col. Realidade Educacional V).

FERNANDES, Calazans; TERRA, Antonia. 40 horas de esperança: O método Paulo Freire: política e pedagogia na experiência de Angicos. São Paulo: Ática, 1994.

FREIRE, Ana Maria Araújo (org.). Pedagogia da indignação. São Paulo: UNESP, 2000.

FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. São Paulo : Olho d’água, 1995a. _____. Ação cultural para a liberdade. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

_____. A educação na cidade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995b.

_____. A importância do ato de ler. 26. ed. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1991.

_____. Cartas a Cristina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

_____. Conscientização. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979a.

_____. Educação como prática da liberdade. 18. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

_____. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979b.

_____. Educadores de rua: uma abordagem crítica. Bogotá: UNICEF, 1989.

_____. Extensão ou comunicação? 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992a.

_____. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004 (Col. Leitura).

_____. Pedagogia da esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992b.

_____. Pedagogia do oprimido. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

_____. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993 (Col. Questões da nossa Época, 23).

_____. Professora sim, tia não: Cartas a quem ousa ensinar. 7. ed. São Paulo: Olho d’Água, 1995c.

_____; BETTO, Frei. Essa escola chamada vida. 6. ed. São Paulo: Ática, 1988.

_____ et al. Vivendo e aprendendo: experiências do IDAC em educação popular. 9. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

_____; FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

_____; GADOTTI, Moacir; GUIMARÃES, Sérgio. Pedagogia: diálogo e conflito. 3. ed. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1989.

_____; GUIMARÃES, Sérgio. Aprendendo com a própria história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

_____; MACEDO, Donaldo. Literacy: reading the word and the world. Mass.: Bergin Garvey, 1987.

_____; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

FREIRE-MAIA, Newton. A ciência por dentro. Petrópolis: Vozes, 1991.

GANDIN, Luís Armando. Educação libertadora: avanços, limites e contradições. Petrópolis: Vozes, 1995.

GADOTTI, Moacir. Diversidade cultural e educação para todos. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

_____. História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática, 1993a.

_____. Organização do trabalho na escola. São Paulo: Ática, 1993b.

_____. (org.). Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: IPF/Cortez, 1996.

_____. Paulo Freire, su vida e su obra. Colômbia: CODECAL, s/d.

_____. Pedagogia da práxis. São Paulo: Cortez/IPF, 1995.

_____. Pedagogia da Terra. São Paulo: Peirópolis, 2000.

_____. Reading Paulo Freire: His life and work. New York: State University of New York, 1994.

_____. Uma só escola para todos. Petrópolis: Vozes, 1990.

_____; ROMÃO (org.). Educação de jovens e adultos: Teoria, prática e proposta. São Paulo: IPF/Cortez, 1997.

_____; TORRES, Carlos Alberto. Estado e educação popular na América Latina. Campinas: Papirus/IPF, 1992.

_____. Educación popular - crisis y perspectivas. Buenos Aires: Miño y Dávila/IPF, 1993.

GOLDMANN, Lucien. Ciências humanas e filosofia. 10. ed. São Paulo: DIFEL, 1986.

_____. A criação cultural na sociedade moderna. São Paulo: DIFEL, 1972a.

_____. Crítica e dogmatismo na cultura moderna. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1973a.

_____. Dialética e ciências humanas. Lisboa: Presença, 1972b (2 vols.).

_____. Épistémologie et philosophie politique. Paris: Denoël/Gonthier, 1978.

_____. Recherches dialectiques. Paris: Gallimard, 1980.

HÜHNE, Leda Miranda (org.). Razões. Rio de Janeiro: Uapê, 1994.

JANUZZI, Gilberta Martino. Confronto pedagógico: Paulo Freire e o MOBRAL. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

JARDILINO, José Rubens L. Paulo Freire: Retalhos biobibliográficos. São Paulo: Pulsar, 2000.

MCLAREN, Peter; LEONARD, Peter; GADOTTI, Moacir (org.). Paulo Freire: Poder, desejo e memórias da libertação. Porto Alegre: Artmed, 1998.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo/ Brasília: Cortez/UNESCO, 2000.

NOGUEIRA, Adriano; GERALDI, João W. Paulo Freire: Trabalho, comentário, reflexão. Petrópolis: Vozes, 1990.

OLIVEIRA, Admardo Serafim de. Educação: redes que capturam caminhos que abrem... Vitória: EDUFES, 1996.

PASSETTI, Edson. Conversação libertária com Paulo Freire. São Paulo: Imaginária, 1998.

PESSANHA, José Américo Motta. Razão dialógica. In: HÜHNE, Leda Miranda (org.). Razões. Rio de Janeiro: Uapê, 1994. p. 67-100.

ROMÃO, José Eustáquio. Dialética da diferença: O projeto da Escola Cidadã frente ao projeto político-pedagógico neoliberal. São Paulo: Cortez/IPF, 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Toward a new common sense: Law, science and politics in the Paradigmatic Transition. New York: Routledge, 1995.

SAUL, Ana Maria (org.). Paulo Freire e a formação de educadores: múltiplos olhares. São Paulo: Ed. Articulação Universidade/Escola, 2000.

SCOCUGLIA, Afonso Celso. A história das idéias de Paulo Freire e a atual crise de paradigmas. João Pessoa: Ed. Universitária/UFPB, 1997.

STRECK, Danilo R. (org.). Paulo Freire: Ética, utopia e educação. Petrópolis: Vozes, 1999.

TAMARIT, José. Educar al soberano: crítica al iluminismo pedagógico de ayer y de hoy. Buenos Aires: Miño y Dávila/IPF, 1994.

_____. Poder y educación popular. Buenos Aires: Libros del Quirquincho, 1992.

TEIXEIRA, Maria Cecília Sanchez. Discurso pedagógico, mito e ideologia: O imaginário de Paulo Freire e de Anísio Teixeira. Rio de Janeiro: Quartet, 2000.

TEODORO, António (org.). Educar, promover, emancipar: Os contributos de Paulo Freire e Rui Grácio para uma pedagogia emancipatória. Lisboa: Universitárias Lusófonas, 2001.

TORRES, Carlos Alberto. A política da educação não-formal na América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

_____. Diálogo com Paulo Freire. São Paulo: Loyola, 1979.

_____. A ideologia de Paulo Freire. São Paulo: Loyola, 1981.

_____. Pedagogia da luta: Da pedagogia do oprimido à escola pública popular. Campinas: Papirus, 1997.

_____; RIVERA, Guillermo (coord.). Sociología de la educación: corrientes contemporáneas. Campinas: Papirus/IPF, 1994.

TORRES, Rosa Maria (org.). Educação popular: um encontro com Paulo Freire. São Paulo: Loyola, 1987.






[1]Diretor-fundador do Instituto Paulo Freire, professor-pesquisador do Centro Universitário Nove de Julho (UNINOVE) e coordenador da Cátedra do Oprimido da Unifreire.
[2]Eliminamos os acentos latinos e gregos dos termos não transliterados.
[3]Os grifos são meus (J.E. Romão).
[4]Não vamos nos alongar aqui sobre as aproximações e distanciamentos, convergências e divergências entre os conceitos de “cultura” e de “civilização”. Há uma extensa literatura sobre o tema, especialmente a produzida por historiadores. Também, dados os limites deste trabalho, não tem sentido discutir, neste momento, o etnocentrismo contido no significado de “civilização”, que tem sido contraposto, como estágio “mais desenvolvido e avançado”, a outras formações sociais menos complexas, qualificadas como “bárbaras” e “selvagens”. Mesmo que nas suas origens o termo carregasse um viés ideológico etnocêntrico, ele serve, ao revés, taticamente, para destacar as realizações das formações sociais excluídas por aquele etnocentrismo original.
[5]Este texto é parte do livro Pedagogia da utopia, que o autor está escrevendo.
[6]Excetuando Pedagogia da Autonomia (1997), em cuja organização o pessoal do Instituto Paulo Freire teve uma atuação importante, e Pedagogia da Indignação (2000), organizado, postumamente, por Ana Maria de Araújo Freire, nos títulos das demais citadas, o próprio Paulo fez questão de apor o termo. Segundo as informações que Moacir Gadotti me passou, pessoalmente, em 14 de abril de 2002, Pedagogia da Autonomia resultou de um trabalho que Paulo denominara “Saberes necessários à prática educativo-crítica”. O título definitivo do livro, o subtítulo, sua divisão em três capítulos e a subdivisão destes em nove tópicos cada um foi feita pela equipe do Instituto Paulo Freire, especialmente por Ângela Antunes. A estrutura para a versão definitiva da obra foi, evidentemente, aprovada pelo autor. Já Pedagogia da Indignação: Cartas pedagógicas e outros escritos foi o título dado ao conjunto de três “cartas” escritas por Paulo (a última, sobre o atentado e a morte do índio Galdino, incompleta) pela organizadora da edição, Ana Maria de Araújo Freire, que juntou a elas outros escritos.
[7]As datas aqui indicam a primeira edição. Quando referentes às citações, correspondem às datas das respectivas edições de que foram extraídas.
[8]"E aqui queremos ratificar, definitivamente, nossa convicção a respeito do uso do adjetivo "freiriano" e não "freireano". Como sabemos, os radicais e os afixos são base de significação e, por isso, não podem se alterar. Ora, quando o sufixo "iano" é aposto a nomes próprios que terminam com a vogal "e", por uma questão de eufonia, na Língua Portuguesa, uma delas deve desaparecer. Assim ocorreu com "contiano", "lockiano" etc., como se pode constatar nos melhores dicionários do idioma mencionado. Em coerência com este pensamento em todos os artigos deste dossiê será utilizada a expressão "freiriano" e não "frireano".