Você está aqui: RROnline Notícias Cidades 2010 11 Sindicato dos garçons oferece disque-denúncia para irregularidades no repasse da gorjeta

Sindicato dos garçons oferece disque-denúncia para irregularidades no repasse da gorjeta

Telefone auxilia profissionais do setor na busca pelos seus direitos caso o estabelecimento não faça o repasse
Contraste | A A+ A++

Publicado em 29/11/2010 12:30
Última atualização em 02/12/2010 10:29

Sindicato dos garçons oferece disque-denúncia para irregularidades no repasse da gorjeta

Garçons devem receber integralmente o valor das gorjetas. Foto: Danielle Júlio

DANIELLE JÚLIO
DIEGO RAMOS
LUIS FELIPE CHECCHIA

O Sinthoresp (Sindicato dos Trabalhadores em Gastronomia e Hospedagem de São Paulo e Região) criou desde fevereiro um disque-denúncia para os funcionários dos estabelecimentos que se sentirem prejudicados com os seus empregadores no repasse do valor integral da gorjeta - os 10% cobrados a mais nas contas dos clientes. Essa cobrança não é obrigatória e o cliente decide se quer ou não pagá-la.

Segundo um primeiro balanço feito pelo Sinthoresp, o disque-denúncia recebeu 401ligações nos dois primeiros meses do ano. Destas, 319 foram feitas por garçons denunciando estabelecimentos que não repassam corretamente o valor do serviço da gorjeta.

Ainda do total dessas ligações, em 218, funcionários alegaram que o dono do restaurante não repassa nenhum valor da gorjeta. Cento e oitenta e três ligações ligações eram de funcionários alegando que o estabelecimento repassa o quanto quer e desconta perdas e quebras no valor dos 10% do serviço.

 


 
"Existem estabelecimentos que não repassam o 10% e acabam prejudicando o salário do garçom, já que grande parte da renda do funcionário vem das gorjetas que eles recebem das contas dos clientes", afirma Rodrigo Silva, proprietário de um restaurante e que repassa integralmente o valor dos 10% para seus funcionários.
 
O serviço do Disque Gorjeta Denúncia funciona de segunda a sexta, das 10h às 18h. O sindicato representa cerca de 300 mil trabalhadores de 35 cidades da Grande São Paulo. Segundo os garçons entrevistados, pela reportagem, a maioria dos clientes paga o serviço da gorjeta.

 

Ações do documento