Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Cidades / 2016 / Fronteiras do ABC oferecem risco para pedestres

Fronteiras do ABC oferecem risco para pedestres

por thais.silva — última modificação 18/11/2016 09h41
Asfalto ruim, calçadas esburacadas e barreiras de proteção dos rios estão degradada

Publicado em 18/11/2016 08h52

Última atualização em 18/11/2016 09h41

Fronteiras do ABC oferecem risco para pedestres
Mureta e calçada estão sem reparos e geram riscos de acidentes aos pedestres. Foto: Thaís Souza/RRJ

ÉRIKA MOTODA
THAÍS SOUZA
Do Rudge Ramos Jornal*

As divisas de São Bernardo com os municípios de Diadema e São Caetano estão em estado precário. Mureta de um rio quebrada, que põe em risco quem passa pelo local, calçadas esburacadas ou com raízes de árvores à mostra, asfalto esburacado e até grades de proteção que não protegem.

Esses são alguns problemas que a reportagem detectou na fronteira entre essas cidades do ABC. Quem passa, por exemplo, na avenida Humberto Alencar Castelo Branco, entre São Bernardo e Diadema, precisa tomar cuidado para não cair no rio, pois a grade de proteção está quebrada de um lado e, do outro, nem sequer existe.

Outro ponto negativo são os desníveis e buracos no asfalto, causados pelo tráfego intenso de carros, ônibus e caminhões que passam pela avenida. O motorista de ônibus Evaldo Silva opera a linha 004 (Sacomã / Alvarenga) e percorre a avenida todos os dias, há pelo menos 5 anos. De acordo com ele, o mau estado do asfalto prejudica os ônibus e aumenta o tempo do percurso. “Quando passa [pela avenida], preciso reduzir bem. Se acelerar, os passageiros pulam e corro o risco de machucar alguém”, disse.

Leia Mais: Divisas dos munícipios sofre com deficiência na infraestrutura

A Prefeitura de São Bernardo informou, por meio da assessoria, que existe um projeto de recapeamento da via. Segundo a administração, esse projeto facilitará o acesso entre o bairro Alvarenga e Diadema. Já sobre a grade de proteção, foi informado que é de responsabilidade de Diadema.

A reportagem enviou e-mail para a assessoria da prefeitura da cidade no dia 20 de setembro. Depois, ligou no dia 21, para saber se haveria um posicionamento da administração. Até o fechamento desta reportagem, a Prefeitura de Diadema não se pronunciou até o momento.

Outra divisa

Em outra área fronteiriça, calçadas e muro estão quebrados. Essa situação ocorre na divisa de São Caetano com São Bernardo há pelo menos um ano, de acordo com imagens feitas pelo Google Maps em setembro de 2015. 

Quem cruza a pé a Estrada das Lágrimas, na altura do nº 100, precisa tomar cuidado para não cair em dois desníveis da calçada. O primeiro (à esquerda, partindo de São Caetano e chegando a São Bernardo) se deve à inclinação de duas pedras.

Já o segundo desnivelamento existe por causa das raízes de uma árvore que danificaram a calçada. A reportagem retornou ao local no dia 7 de novembro e constatou que houve o reparo dessa parte da calçada.

Do outro lado da estrada, o muro de proteção do Ribeirão dos Meninos está quebrado no centro. Há ferros expostos que deveriam estar concretados. Desse lado, a última pedra da calçada, próxima a um poste, está totalmente esmagada e compartilha espaço com lixo, como bitucas de cigarro e papéis de bala.

Calçada danificada por conta de raízes da árvore localizada na divisa entre São Caetano e São Bernardo; a foto foi tirada no dia 6 de setembro. Foto: Érika Motoda/RRJ

A reportagem voltou ao mesmo local no dia 7 de novembro e a calçada já estava reformada. Foto: Érika Motoda/RRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Prefeitura de São Caetano afirmou, por meio de e-mail da assessoria, que “a responsabilidade pela conservação de viadutos sobre rios e córregos de divisa é do governo estadual, assim como dos canteiros destes cursos d’água”. Já a Secretaria Estadual de Logística e Transportes, também por meio de assessoria, afirmou que a responsabilidade é da prefeitura, mas não especificou qual.

A reportagem também procurou a Prefeitura de São Bernardo, para que comentasse o assunto. Enviou e-mail no dia 13 de setembro. Depois, telefonou. Mas até a publicação deste texto, a administração não se pronunciou.

*Esta reportagem foi produzida por estagiários da Redação Multimídia da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento