Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Cidades / 2016 / Estudantes criticam má conservação de linhas de ônibus intermunicipais

Estudantes criticam má conservação de linhas de ônibus intermunicipais

por nathalia.souza última modificação 11/11/2016 07h40
Linhas aparentam não passarem por manutenções na estrutura

Publicado em 10/11/2016 09h29

Última atualização em 11/11/2016 07h40

Estudantes criticam má conservação de linhas de ônibus intermunicipais
Linha 069 da Viação São Camilo tem veículos articulados com sanfonas sem manutenção - Foto: Nathalia Nascimento/RRO

NATHALIA NASCIMENTO
Da Redação*

As linhas 069 e 323 da Viação São Camilo, que fazem o trajeto do terminal rodoviário de Santo André até São Bernardo e a divisa com São Paulo, têm sido motivo de reclamação de universitários da Fundação Santo André e da Universidade Metodista de São Paulo.

As duas linhas saem do terminal de Santo André e durante o percurso passam pela Fundação Santo André e pela avenida Doutor Rudge Ramos, próxima à Universidade Metodista. Por isso a maioria dos passageiros são estudantes dessas instituições de ensino.

Os universitários que dependem das linhas para irem à aula reclamam da falta de manutenção do transporte. As queixas vão desde janelas emperradas até a falta de manutenção nas chamadas “sanfonas” dos ônibus articulados.

A estudante de biologia Michele Cristine de Azevedo, 20, há três anos pega os ônibus da viação São Camilo todos os dias para ir até a Fundação Santo André. Ela contou que desde que começou a usar o transporte os veículos já estavam em situação precária. Com o tempo só piorou. “A qualidade é péssima. Acredito que a melhoria está longe de acontecer.”

O técnico em logística Vinicius da Silva de Souza, 22, também estudante da fundação, disse que depende das linhas não só para ir estudar, mas também para ir até o trabalho. “Não vale nem metade do preço cobrado dos passageiros. Para andar numa situação dessa, não deveria pagar nada. É um descaso com a gente”, reclamou. O preço da passagem da linha 069 é de R$ 3,05. Já na linha 323, o valor é de R$ 3,90.

Souza reclamou também do tempo que fica esperando pelo ônibus no terminal. Segundo o técnico, a demora chega a uma hora e meia. Souza disse que o mesmo percurso, se fosse feito de carro, levaria meia hora.

Além do tempo de espera no terminal, Souza criticou a situação dos ônibus em dias de chuva, por consequência das janelas que não fecham e das sanfonas que não passam por manutenção. “Na chuva, vaza tudo. Molha o ônibus inteiro. Vaza água até da lâmpada.”

A reportagem esteve em alguns ônibus das linhas 069 e 323, no dia 4 de novembro, e encontrou, além de janelas emperradas, bancos rasgados. Outra reclamação dos estudantes é em relação à limpeza dos veículos. A reportagem observou que, embora não haja lixo aparente, a sujeira é visível nas janelas. Ao redor delas, há poeira acumulada.

Resposta

Em nota, a EMTU informou, por meio da Assessoria de Imprensa que “realiza anualmente Inspeção Veicular Periódica em todos os ônibus cadastrados no sistema metropolitano que operam nas regiões metropolitanas do Estado de São Paulo.

No caso da Viação São Camilo, as inspeções na frota da empresa são realizadas a cada seis meses com o objetivo de realizar manutenção preventiva e corretiva dos veículos.

A mais recente fiscalização ocorreu em 08/11, quando seis veículos foram retirados de circulação. Além da apreensão, a Viação São Camilo foi autuada por descumprimento de normas operacionais.

Os usuários podem registrar reclamações e sugestões por meio da página da EMTU na internet (http://www.emtu.sp.gov.br). É importante citar o número de linha, prefixo do ônibus e horário da ocorrência para agilizar a apuração dos casos.”

Leia Mais: Pontos de ônibus do Rudge Ramos estão sem itinerário
                 Passageiros reclamam de ônibus sem cobrador
                 Passageiros reclamam de má conservação de ônibus intermunicipais

*Esta reportagem foi produzida por estagiários da Redação Multimídia da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento