Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Cidades / 2016 / Pet shops de São Bernardo ajudam em adoção

Pet shops de São Bernardo ajudam em adoção

por aluno2016 última modificação 05/12/2016 14h04
Segundo a OMS, existem cerca 30 milhões de animais abandonados no país

Publicado em 05/12/2016 13h48

Última atualização em 05/12/2016 14h04

Pet shops de São Bernardo ajudam em adoção
No Família Pet as feiras acontecem mensalmente no Bairro dos Casas. Foto: Divulgação/Família Pet

JENNIFER SANTANA
JULIA CENTINI

MAYARA SERRA
Especial para o RROnline*

A OMS (Organização Mundial de Saúde) indica que só no Brasil há 30 milhões de cachorros abandonados. Mas, se depender do apoio de alguns pet shops, esse número pode cair. É que eles passaram a organizar feiras de adoção em frente de suas lojas.

Um desses estabelecimentos é a Família Pet, que fica no bairro dos Casa em São Bernardo. De acordo com a veterinária Amanda Panangeiro, 26, as feiras acontecem em todos os meses do ano. “Fazemos a feira para que os bichinhos abandonados tenham a oportunidade de encontrar um lar”, conta. O evento é sempre em frente ao pet shop e os cachorros são expostos em gaiolas, onde a pessoa interessada consegue interagir com o bichinho.

Segundo Amanda, a adoção ajuda a diminuir o número de animais de rua. “Com isso acabamos fazendo uma publicidade para o Pet”, disse. Quem leva os animais para adoção no Família Pet são protetoras de animais da cidade e o Grupo Viver em Igualdade, que salva bichinhos da rua. Os adotados também são encontrados por  moradores da cidade que levam os bichos até a feira.

Quem se utilizou da feira para encontrar um amigo de quatro patas foi a  fotógrafa Marisa Marchi, 20, do bairro Piraporinha. Ela adotou Meg, 4 anos presumíveis, sem raça definida. Marisa conta que é importante tirar os animais da rua  para evitar que passem fome, sejam violentados ou sacrificados. Além disso, Marisa conta que com essa atitude ajuda a não reforçar “a ideia de que animais são produtos para geração de renda”, conta.

A veterinária Amanda diz que a maioria dos animais doados são filhotes e embora exista venda de cachorros e gatos em seu pet shop um não atrapalha o outro. “São públicos diferentes. Geralmente quem procura cão de raça já sabe o que quer e quem adota quer um animal sem se importar com raça ou tamanho”, diz.

Ela conta que quem escolhe comprar geralmente possui um poder aquisitivo maior e faz questão do filhote ter raça definida, mas quem opta por adotar “no geral, tem menor poder aquisitivo e não tem preferência pelo animal em si.”

Segundo a analista contábil e voluntária em feiras de adoção, Karina Andrade, 27, “ainda há preconceito com vira-latas, a preferência é por filhotes e de porte pequeno, o que é difícil garantir”, conta. “Mas quando se trata de raça, as pessoas não se importam com idade, com comportamento e nem tamanho.”

BENEFÍCIOS

Adotar faz bem não só para o dono, como para o animalzinho. A responsável pelo Familia Pet, Amanda, conta que a diferença mais notável é em relação ao peso.  “Eles chegam bem magros quando são resgatados e quando encontram uma família voltam mais gordinhos” conta.

Quando sofrem algum tipo de violências, os animais costumam ter reações negativas ao encontrar pessoas, mas após a adoção isso pode mudar, como conta Marisa. “Cada vez mais ela deixa fazer carinho e consegue socializar com as pessoas”, conta.

Animais exóticos, como uma coruja ou um lagarto,podem ser uma grande ajuda na terapia de crianças com necessidades especiais, confira na reportagem:

MAUS-TRATOS

Animais abandonados sofrem diariamente com a violência nas ruas. Até o momento, a Polícia Civil registrou 21 casos de maus-tratos aos animais por dia neste ano. Segundo a veterinária Amanda, é importante o resgate de animais “para reduzir o número de animais de rua que são submetidos à fome e maus-tratos.”

Em setembro deste ano, o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, sancionou uma lei que proíbe ao agressor criar animais durante um período de cinco anos, mas sem multas. Também foi criada a Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (DEPA), que vai atender ocorrências envolvendo animais pelos portais da Polícia Civil e Militar do Estado.

Nos últimos dois anos, as denúncias contra maus tratos aumentaram, em 2014 a PM recebeu 197 ligações por meio do 190 e em 2015 chegaram a 895.

COMO ADOTAR

Em São Bernardo, há diversas opções de adoção. No pet shop Badalacão, no Centro, é necessário levar RG e comprovante de residência, além de pagar as vacinas e o primeiro banho do bichinho.

Já no pet shop Familia Pet, os cachorros podem ser adotados nas feiras que ocorrem sempre no Bairro dos Casas. Também é preciso levar RG e comprovante de residência, mas não é necessário pagar taxas.

A ONG SOS Cidadania Animal promove feiras regulares em todo o ABC. Para participar é preciso que o adotante preencha um contrato de adoção e passe por uma entrevista. É realizado um acompanhamento após a adoção do animal.

Outra opção para adoção é no Centro de Zoonoses de São Bernardo. O CCZ fica localizado no Rudge Ramos e para adotar é preciso levar cópia do RG, CPF, comprovante de residência e coleira com guia.

SERVIÇO

Família Pet: R. Wadia Jafete Assad, 232 - Bairro dos Casas; Telefone: (11) 4351-6285
Badalacão: Rua Marechal Deodoro, 2785 (Walmart) - Centro; Telefone: (11) 4127-7990
Centro de Zoonoses: Av. Dr. Rudge Ramos, 1740 - Rudge Ramos; Telefone: (11) 4365-3349

Com alta eficácia, a eletroquimioterapia se tornou alternativa para o tratamento de câncer nos bichinhos, ouça na reportagem: 

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo 

Ações do documento