Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Cidades / 2018 / Pinacoteca de São Bernardo é o maior museu do ABC

Pinacoteca de São Bernardo é o maior museu do ABC

por ariel.silva1 última modificação 04/09/2018 17h54
Região conta com outros espaços que expõe esculturas, quadros e objetos históricos

Publicado em 04/09/2018 16h54

Última atualização em 04/09/2018 17h54

Pinacoteca de São Bernardo é o maior museu do ABC
Prédio onde funciona o Museu de Santo André foi projetado pelo arquiteto José Van Humbeeck; no detalhe, fachada da Pinacoteca, em São Bernardo - Foto: Thalita Ribeiro/RRJ

RENATA FERNANDES
MATEUS ROMANIELLO
Especial para o Rudge Ramos Jornal*

O primeiro museu brasileiro foi inaugurado em 1862, em Pernambuco, chamado de Museu do Instituto Arqueológico Histórico e Geográfico Pernambucano. De acordo com o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), atualmente, no Brasil, existem cerca de 3.118 museus. A maioria localiza-se na região Sudeste, com 1.150, Sul com 874 e Nordeste com 709.

No ABC, um dos principais espaços é o Museu Municipal Dr. Octaviano Armando Gaiarsa, na rua Senador Flaquer, em Santo André, inaugurado oficialmente em 1990. Entretanto, antes de se tornar um museu, foi a primeira escola da região, que até então recebia o nome de Grupo Escolar de São Bernardo, em 1914.  

Grande parte dos objetos foram doados pela própria população andreense, de tal maneira que existem aproximadamente 70 mil itens no local. A coleção mostra a evolução da cidade em aspectos urbanos, sociais e econômicos, além de itens mais antigos, do final do século XIX.   

A museóloga e gerente de preservação em memória do museu Santo André, Mayra Gusman de Souza, relata que o local recebe visitas frequentes. “O museu atrai diferentes públicos. A maioria das visitas vem das escolas, mas também tem os curiosos que estão passando na rua e decidem entrar. Também recebemos visitas de muitos idosos”. O horário de visitação é de segunda à sexta, das 8h às 16h30, e aos sábados, das 9h às 14h30.

Em São Bernardo, a Pinacoteca foi fundada em 1975. Localizado na rua Kara, 105, no Jardim do Mar, próximo à Cidade das Crianças, o acervo do museu reúne arte moderna e contemporânea da região do ABC, com 1.125 obras de artistas representativos da arte brasileira. Um dos objetivos da inauguração do museu era divulgar e estudar essas artes por meio das obras expostas e exposições temporárias.  

No momento, a Pinacoteca é considerada o maior museu com exposições permanentes na região. Possui biblioteca, auditório e um jardim com esculturas. Além de apresentar a coleção popular da região, o espaço busca também promover a música e a poesia.  

O local atrai públicos diversificados, apesar da faixa etária mais frequente ser de 15 a 18 anos de idade, como conta Gonçalo Pavanello, curador da pinacoteca. “Esse é o público mais assíduo, porque muitas escolas vêm fazer trabalhos aqui. Também temos vários projetos de ampliação para exposições”. 

A entrada no espaço é gratuita e fica aberto ao público de terça a sábado, das 10h às 18h. Nas quintas-feiras, estende-se até as 21h.

Já em São Caetano, há o Museu Histórico Municipal, que possui cerca de cinco mil peças. São objetos de moradores antigos, obras de artistas locais, fotos, assim como móveis e objetos de cerâmica. Inaugurado em 1960, o museu fechou as portas e foi reaberto em 1977, na rua Maximiliano Lorenzini, 122, durante um período de festividades da cidade.  

O acervo é dividido em grupos e, além dos itens fixos, o espaço tem exposições temporárias, que atraem os moradores da cidade. As salas recebem o nome de doadores dos acervos e o museu conta com um espaço que mostra a formação da cidade, itens antigos, quadros de arte e fotografia dos prefeitos eleitos.

Regina Domenghelli, assistente administrativa do museu, diz que, a exemplo de São Bernardo e Santo André, o maior público vem das escolas. “Aqui, os alunos podem ver a formação da cidade, por causa da olaria. Também visitam a área de exposição temporária, os quadros e objetos de São Caetano”. O museu fica no bairro Fundação e as visitas podem ser feitas de segunda a sexta, das 8h às 17h.

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento