Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Comportamento / 2017 / Jornada dupla pode começar na juventude

Jornada dupla pode começar na juventude

por raquel.terra última modificação 14/06/2017 22h24
Existem vários programas que ajudam os jovens a conseguir um trabalho

Publicado em 14/06/2017 16h22

Última atualização em 14/06/2017 22h24

Jornada dupla pode começar na juventude
Felipe, atualmente Estudante de Direito, começou a trabalhar como Eletricista com o pai, João Faria - Foto: Laila Julio/RRJ

LAILA JULIO
Especial para o Rudge Ramos Online*

Jovens e Adultos já vivenciaram há alguns anos, as dificuldades do trabalho sem o apoio da Lei. Atualmente, existem diversos programas como o Jovem Aprendiz, o SENAI, e em São Bernardo, por exemplo, o CAMP (Centro de Formação e Integração Social).

Felipe Moraes, 23, é Estudante de Direito. Antes disso, aos 17 anos, já trabalhava como Eletricista. Ele relembra as dificuldades de conciliar trabalho e Escola naquele período “Às vezes deixava de fazer ou não me dedicava tanto a outras coisas por colocar o trabalho como prioridade.”

Embora acredite que seja melhor que o Jovem ingresse no mercado por meio de programas de incentivo, Felipe defende o trabalho “A gente aprende, de fato, a ter responsabilidade e também independência.” 

Antônia Ivani de Farias, 48, de Diadema, trabalha com Reciclagem e também como Ambulante no Centro de Santo André. Seu primeiro trabalho foi aos 13 anos, como Lavadeira, no Ceará “Até hoje, não me arrependo.”

Quando chegou a Diadema, com 15 anos, continuou a trabalhar, mas dessa vez nos supermercados. Antônia conta que acordava às 6h da manhã, trabalhava até às 17h, ia pra escola, e dormia apenas à meia-noite. “A gente cresce e já vai amadurecendo e vencendo na vida”, completa Antônia, que acha importante começar a trabalhar cedo.

Édson Marcelino da Silva, 53, atualmente Estudante de Direito começou ainda criança, após perder o Pai “Minha família era pobre, de origem humilde, da periferia, todos tinham que trabalhar, inclusive eu. Minha Mãe exigia que mesmo a gente trabalhando, frequentasse a escola.” Além de ir à escola, também foi Ambulante, Feirante e Jornaleiro.

Ele criticou bastante o descaso com a educação e as condições oferecidas para tal no Brasil “Tenho certeza de que Criança não é para trabalhar. Tem que estudar e brincar.” 

“Aos 16, os Jovens ainda são bem imaturos. Não conseguem conciliar trabalho e Escola”, diz a Psicopedagoga Flávia Sousa.

Com relação à importância da Escola, Flávia considera ser indispensável “Através dela, os alunos aprendem, além do desenvolvimento Pedagógico, a socialização, conviver em grupo, respeitar o outro, aceitar pontos de vista diferentes.”

LEIA MAIS: Cresce a geração ‘nem-nem’
Mesmo com bagagem, mercado de trabalho é restrito
Jovens mães se mantêm com bicos
Trabalhador passa de 'patrão' a empregado
Profissões tradicionais correm risco de extinção
Brasileiro volta a ser diarista para enfrentar a crise
Carteira de trabalho faz 85 anos
Poupatempo emite mais 40 mil carteiras de trabalho em um ano
Trabalho informal é solução para desempregados
Desemprego atinge jovens
Bicos podem ser alternativa para incluir renda
Trabalhadores não se sentem representados pelos sindicatos
Jovem deixa o trabalho para depois
Nova proposta para o trabalho Home Office divide opiniões
Jovens aprendem trabalhando
Terceirização enfraquece sindicatos
Novas leis trabalhistas dividem opiniões até entre empresários
Cresce o número de desempregados com mais de 50 anos
Saiba o que muda com a nova proposta da CLT
Inexperiência dificulta entrada de jovens no mercado de trabalho
Lei pode acabar com imposto sindical anual
Reforma pode facilitar contratos

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento