Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Comportamento / 2017 / Projeto muda dia a dia de idosos

Projeto muda dia a dia de idosos

por guilherme.guilherme última modificação 06/12/2017 13h03
Integrantes do “Aquarela” relatam que conseguiram superar situações difíceis e fazer amizades

Publicado em 06/12/2017 13h03

Última atualização em 06/12/2017 13h03

Projeto muda dia a dia de idosos
Como resultado do sucesso da oficina de exercícios teatrais nasceu o Grupo de Teatro Aquarela - Foto: Divulgação

ALANA CALIXTO
DAIANE SILVA

Especial para o Rudge Ramos Jornal*

Atuar. Dançar. Cantar. Aprender novas tecnologias. Realizar atividade física. Essas são algumas opções que quem atingiu a “melhor idade” pode fazer no campus da Metodista, em São Bernardo. A troca de conhecimentos e a alegria são as palavras chaves do “Programa Aquarela – 3ª Idade na Universidade”.

O Projeto Aquarela foi instituído na universidade em 2011, por iniciativa do Núcleo de Arte e Cultura da instituição. Atualmente são oferecidas 12 oficinas que abordam temas como saúde, cultura, espiritualidade e tecnologia, com foco no bem-estar físico e mental dos idosos.

Segundo a coordenadora do projeto, Claudia Cezar, o Aquarela surgiu com o objetivo de integrar o público de terceira idade aos espaços da universidade e, dessa forma, promover a interação e a solidariedade com outras gerações que também circulam pelo campus.

“O nome aquarela tem origem na própria técnica artística, a proposta de mistura, nós aprendemos com eles, e eles com a gente. É preciso olhar para essas pessoas com respeito e carinho porque eles têm muito para compartilhar”, disse.

Claudia, afirma que os idosos procuram o projeto para superar situações de perda. Muitos se sentem sozinhos e procuram uma ocupação. Esse é o caso da aposentada Nataldir Ferreira, 71.  Após a morte da mãe, sua saúde emocional e física ficou debilitada. As oficinas foram fundamentais no processo de recuperação. “O projeto é uma verdadeira aquarela de religiões, de raças, de vidas diferentes. Os momentos que passamos juntos são maravilhosos.”

Mesmo quem ainda exerce algum tipo de atividade também pode participar. Aposentado, Aldenir Scherres, 78, trabalha em casa como consultor financeiro. Sua oficina favorita é a de orientação para atividades físicas.  “Eu me sinto muito bem fazendo exercícios, inclusive emagreci. A oficina me deixa mais disposto, tenho mais ânimo para andar e trabalhar.”

Leia mais:
Brechós são fonte de renda após os 60

Teatro

Da oficina de exercícios teatrais surgiu o Grupo de Teatro Aquarela. Desde o início de 2017, o elenco é fixo e já se prepara para apresentações externas. A educadora em artes Nina Mancin, comanda a oficina e conta que a turma cresceu e se fortaleceu muito nos últimos anos.  “Eu procuro fazer com que os alunos se sintam completamente inseridos na atividade. Eles me ajudam com figurino, cenário e percebo que no decorrer do curso eles ganham mais autonomia e se sentem valorizados.”

E o palco ajudou muito, segundo a aposentada Janete Caltabiano,57. Ela disse que participar da atividade a salvou da depressão e a ajudou em um período difícil de sua vida. Janete conta também que o teatro despertou ainda mais o seu interesse pelas artes e renovou o seu prazer pela leitura. “Hoje, não tomo mais o meu remédio antidepressivo, não preciso dele, não me faz falta porque o teatro me ajuda muito.”

O grupo é uma fábrica de sonhos para quem participa da montagem da peça e também para o público. Janete comenta que é muito gratificante receber o carinho e perceber o brilho nos olhos das crianças que assistem as peças.

Rodolfo Panico, 80, também faz parte do elenco. Para ele, as oficinas são fonte de conhecimento e crescimento pessoal. “O teatro é a realização de um sonho de muitos anos, faço com muita vontade e quero sempre aprender mais. O Projeto Aquarela me trouxe tranquilidade de espírito, a renovação de conceitos e novas amizades. ”

Serviço

Para participar do Programa Aquarela os interessados devem comparecer ao campus Rudge Ramos portando RG, CPF e comprovante de residência. As inscrições ocorrem sempre em fevereiro e julho. No ato de inscrição o candidato pode escolher até três cursos (sujeito a disponibilidade) e uma eletiva temática. O custo é de R$ 50,00 por semestre.

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento