Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Comportamento / 2018 / Vendas de camisetas e acessórios para a Copa movimentam lojas locais

Vendas de camisetas e acessórios para a Copa movimentam lojas locais

por marina.harriz última modificação 13/06/2018 15h40
Porém, a expectativa de um melhor desempenho comercial depende da estreia do Brasil no jogo de domingo (17)

Publicado em 13/06/2018 15h40

Última atualização em 13/06/2018 15h40

Vendas de camisetas e acessórios para a Copa movimentam lojas locais
Camisetas da Copa custam a partir de R$ 15 nas barraquinhas de vendedores ambulantes - Foto: Luchelle Furtado/RRO

LUCHELLE FURTADO
MARINA HARRIZ
Da Redação*

De quatro em quatro anos é comum com que as pessoas tirem “a amarelinha” do armário, e no Rudge Ramos não é diferente. Isso porque a folia de comprar camisetas da seleção brasileira é uma prática comum, além de objetos como tiaras, tintas, chapéus, vuvuzelas e bandeiras. As vendas são o termômetro do ânimo dos apaixonados por futebol em épocas de Copa do Mundo.

Apesar de vários vendedores ambulantes já terem se espalhado pelo bairro, esse ano a temperatura está baixa. Segundo comerciante Luis Roberto Zampiere, 53, que está há mais de 40 anos no bairro, as vendas caíram em comparação a 2014. Ele conta que na Copa passada chegou a faturar diariamente R$ 15 mil. No entanto, para esse ano, a expectativa que o movimento melhore depende do jogo de estreia do Brasil, no próximo domingo (17) contra a Suíça. “Se estourar [as vendas], vai ser 1/3 da Copa passada”.

Acessórios e produtos infantis costumam ser os itens mais expostos nas ruas do Rudge. “O pessoal gosta mesmo é de brincar, a parte lúdica é o que diverte quem compra esses objetos”, conta o comerciante.

A reportagem conversou com a advogada e moradora do bairro Andrea Salviato, 45, bem na hora em que ela estava à procura de camisetas para suas crianças. Com três filhos, 9, 13 e outro de 16 anos, ela conta que os mais novos são os mais animados para o início da Copa. “Não vou comprar para mim, apenas para eles”. E ressalta: “não fui atrás das oficiais porque são muito caras.”

Em contrapartida, Valdecir da Conceição, 42, já está andando pelas ruas em clima de Copa, desfilando com a camisa do Brasil. Fascinado pelo esporte, além de ser um torcedor, também joga bola. Na hora da escolha, entre a original e as réplicas, ele opta pela a oficial. “Prefiro porque acho ela [oficial] mais bonita.”

LEIA MAIS: Sem muita animação pelas ruas do Rudge Ramos, a Copa do Mundo divide opiniões

Nas ruas do Rudge, é possível identificar diversas barraquinhas. Os preços de uma camiseta variam de uma para outra. A média pode ir de R$ 15 a R$ 125, mas em outras a máxima que pode chegar é de R$ 50.

Já em uma filial da loja Pernambucanas no bairro, funcionários contaram que, mesmo perto do início dos jogos, pouca quantidade de unidades chegaram para ser vendida. A procura maior, mesmo que pequena, foi em vestimentas verde e amarelo para crianças. Por lá, as camisetas variam entre R$ 19,90 a R$ 29,90.

A camiseta oficial desta Copa foi dividida em duas categorias: a de torcedor e jogador. Os valores são R$ 249,90 e R$ 449,90, respectivamente. Em comparação ao Mundial de 2014, esse ano houve um aumento maior na categoria de jogador. Na ocasião, ela custava R$ 329, já a peça de torcedor poderia ser encontrada a R$ 229.

*Essa produção é dos estagiários da Redação Multimídia da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento