Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Comportamento / 2018 / Voluntários falam da alegria em ajudar o próximo

Voluntários falam da alegria em ajudar o próximo

por ariel.silva1 última modificação 19/09/2019 12h25
Práticas solidárias no ABC envolvem questões de cidadania, amor e doação

Publicado em 19/09/2019 12h23

Última atualização em 19/09/2019 12h25

Voluntários falam da alegria em ajudar o próximo
Voluntários da Casa Ronald McDonald ABC realizam brincadeiras e diferentes atividades com crianças em comemoração ao McDia Feliz - Fotos: Divulgação/MP&Rossi

DAVID TRINDADE
Especial para o Rudge Ramos Jornal*

Doar seu tempo. Essa é a principal premissa de um voluntário. O voluntariado é uma prática de entrega ao outro baseada na cidadania, no amor e na doação. O Brasil é o quarto país em número de voluntários, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Já de acordo com dados do ranking global de solidariedade World Giving Index, as ações voluntárias no país em 2017, cresceram 20%, comparado ao ano anterior.

Para muitos, ser voluntário vai além de ajudar o próximo. “Muitas vezes nos perguntamos por que fazer trabalho voluntário, até que vemos o sorriso de uma pessoa que foi beneficiada por nosso serviço”, diz Cyro Soldani, que há 30 anos ajuda no Rotary Club Santo André.

Já Cassia Messias, voluntária da Casa Ronald McDonald ABC, destaca a experiência no trabalho voluntário. “Eu estou sempre aprendendo com as crianças. Toda atividade cresce desde o momento da proposta até a realização, e sempre nos surpreendemos com o resultado”.

Stefany Camillo, voluntária no Interact Club de Santo André, também destaca o aprendizado. “Nesses dois anos de voluntária, me desenvolvi demais, inclusive minha liderança. Quando pensamos em ajudar, logo imaginamos que é algo fácil e rápido. Mas, não é bem assim. Exige muito planejamento e trabalho em equipe”.

Para começar na atividade voluntária não precisa ter idade, apenas vontade. Naycha Mayumi Santos tem apenas 13 anos e, desde os 11, trabalha no Projeto Semear, que ajuda no plantio de árvores. “Eu acredito que nossa iniciativa faz diferença, apesar de sempre ter alguém para dizer que isso não irá mudar em nada”. 

Enquanto muitos jovens dessa idade têm outras atividades, Naycha não se importa em utilizar seu tempo livre para ajudar. “Eu amei esse projeto, não me importo nem um pouco de acordar cedo em pleno sábado para fazer. No final, sempre tenho uma história para contar”.

A psicóloga Carla Moura fala sobre a importância do trabalho voluntário para realização pessoal. “Os adolescentes que passam no meu consultório comentam que se sentem muito úteis. As vidas deles têm mais sentido quando fazem esse tipo de trabalho. Eles percebem o quanto é importante a doação”.

Carla lembra que muitos pacientes, durante a realização de suas ações voluntárias, convivem com o sentimento de dó, o que pode acabar comprometendo o real aprendizado da ação. “Alguns se sentem compadecidos, com pena, então eu tenho que trabalhar essa questão, porque o legal é eles se sentirem solidários”.

O voluntariado, além de ajudar na vida pessoal, também pode auxiliar na vida profissional. “A sociedade vai buscar cada vez mais esse incentivo à questão do voluntariado. As empresas acabam aderindo e incentivando o relacionamento social que passa pela experiência de ajudar o outro. Muitas empresas estão dando atenção para o voluntariado, o que agrega e influencia a colocação no mercado de trabalho”, diz o sociólogo Edinei da Silva, de Diadema.

Para se tornar voluntário basta procurar alguma entidade que trabalhe com ações sociais. O Portal ATADOS, por exemplo, disponibiliza uma base de dados com cerca de 70 mil pessoas cadastradas esperando por uma oportunidade de atuar em algum projeto social. Além disso, em agosto deste ano, o Governo Federal lançou o Programa Nacional do Voluntariado. O objetivo é fomentar o maior engajamento da população brasileira em ações sociais. Esse projeto concede diferentes benefícios ao voluntariado, que vão desde levar o acúmulo de horas de trabalho voluntário como critério de desempate em concursos públicos, até descontos na compra de produtos ou de ingressos em eventos culturais a partir do tempo de ações voluntárias praticadas.

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento