Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Educação / Racismo e livre mercado são debatidos na Universidade Metodista

Racismo e livre mercado são debatidos na Universidade Metodista

por allaf.silva última modificação 17/08/2016 18h17
Primeira aula pública do Ópera Mundi do segundo semestre traz questões da atualidade

Publicado em 17/08/2016 18h17

Última atualização em 17/08/2016 18h17

Racismo e livre mercado são debatidos na Universidade Metodista
Universidade Metodista foi sede de mais uma aula pública do portal Ópera Mundi com temas em alta na sociedade - Foto: Claudia Leone/RRO

ALLAF BARROS
Da Redação*

As aulas públicas oferecidas pelo portal Ópera Mundi, em parceria com a TVT (TV dos Trabalhadores), volta à Universidade Metodista de São Paulo com temas atuais sobre o Brasil e mundo. "Qual é a realidade do país em que vivemos e que tipo de sociedade queremos?", perguntou a filosofa Djamila Ribeiro aos alunos e participantes do evento no campus Rudge Ramos. 

Ministradas por Leda Paulani, professora de economia da FEA-USP (Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo) e Djamila Ribeiro, mestra em Filosofia e secretária adjunta da Secretaria de Direitos Humanos de SP, as aulas contaram com a participação de alunos de vários cursos da Universidade.

Leia mais: Evento na Universidade Metodista debate racismo, imprensa e rumos da economia
                Crise política e ditadura militar são temas de debates na Metodista

A professora Leda começou dando a definição de mito e logo em seguida o surgimento do livre mercado na Inglaterra no século XVIII. Segundo ela, os pensadores liberais acreditavam que essa prática levaria à um resultado bom do ponto de vista social. "Em países que a economia é desigual os resultados podem não ser bons para toda a sociedade", falou a economista.

Já Djamila Ribeiro iniciou a fala sobre a questão racial dizendo que o debate no Brasil é surreal porque as pessoas têm dificuldades em entender a diferença entre preconceito e racismo. “As prefeituras devem ser sensíveis e criar políticas de combate ao racismo”, comentou.

A filosofa ressaltou a importância da militância e do protagonismo. “Negros são mortos e com isso o país perde enquanto nação”, falou. Para ela o país mata e tira a oportunidade de várias pessoas se desenvolverem pelo fato racial.

*Esta reportagem foi produzida por estagiários da Redação Multimídia da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento