Você está aqui: RROnline Notícias Esportes Pasta 1 Clube de tiro São Bernardo mostra prática como modalidade esportiva

Clube de tiro São Bernardo mostra prática como modalidade esportiva

Sócios do Clube de Tiro São Bernardo treinam para as competições desse ano e mostram que, com responsabilidade, a arma é apenas uma forma de prazer.

Publicado em 08/03/2010 09:35
Última atualização às 09:35

Contraste | A A+ A++
Clube de tiro São Bernardo mostra prática como modalidade esportiva

O presidente do clube Andrés Carretero (centro) com sócios e familiares após o treino. (Foto: Murilo Vicentini)

MURILO VICENTINI

O tiro esportivo é um esporte de precisão e disciplina. Foi aderido ao calendário olímpico em 1896, em Atenas. Desde então vem ganhando adeptos no mundo inteiro. As competições são dividas em mais de 25 modalidades, que se diferenciam pelo tipo de arma (curta ou longa distância), calibre, tamanho, distância do alvo e modo de tiro (parado ou em movimento). Neste domingo (7), o Centro de Instrução e Tiro Tibiriça foi alvo, literalmente, dos atletas que participaram do treino mensal do Clube de Tiro São Bernardo.  O objetivo foi treinar a mira e regular as armas, na companhia de amigos e familiares.

O Clube de Tiro São Bernardo foi fundado em 1994, sem fins lucrativos, visando apenas ao esporte. "Não deixamos ninguém entrar aqui para aprender a usar armas e dar tiros a esmo. A munição, autorizada pelo Serviço de Fiscalização de Produtos (SFPC), é comprada pelo sócio mas só é gasta com acompanhamento”, explica Andrés Carretero, presidente do Clube e Campeão Mundial em 1995, nos Estados Unidos.

Já para Edvaldo Faile, vice-presidente do Clube, tratada com segurança e responsabilidade, as armas são apenas instrumentos de esporte e prazer nas mãos dos esportistas, como uma raquete de tênis. “A arma é uma máquina como outra qualquer. Um carro dirigido sem responsabilidade é perigoso, mas com a documentação e usado de maneira correta também vira uma forma de prazer”, afirma.

Apesar de representar chances de medalhas, a prática de Tiro no Brasil é difícil e sem apoio. “O governo não se intressa e as pessoas tem uma visão preconceituosa, se você diz que tem arma em casa. Acham que é coisa de bandido. Não sabem que temos atletas de alto nível e o maior estande de tiro do estado de São Paulo, aqui na região do ABC.”, concluiu Edvaldo.

Ações do documento
registrado em: