Você está aqui: RROnline Notícias Saúde 2011 11 São Caetano promove dia de conscientização sobre a doença falciforme

São Caetano promove dia de conscientização sobre a doença falciforme

por amanda.sequin — última modificação 24/11/2011 15:33
Enfermidade causa mutação no sangue e é mais frequente em afrodescendentes

Publicado em 24/11/2011 14:00
Última atualização às 15:33

Contraste | A A+ A++

 

AMANDA SEQUIN
da Redação*

A prefeitura de São Caetano promove nesta sexta-feira (24) um dia de sensibilização sobre a doença falciforme, com palestras para moradores e funcionários das áreas de educação e saúde. A doença é genética e causa uma mutação no gene que produz a hemoglobina, proteína responsável pelo transporte de oxigênio no sangue.  

A anemia falciforme é um dos sintomas dessa enfermidade, além de dor articular, falta de ar, palidez, pés e mãos inchadas e cansaço. Os doentes também correm risco de desenvolver um AVC (Acidente Vascular Cerebral). Não há cura, mas há tratamento em hospitais públicos.

Nesta sexta, uma das palestras sobre a conscientização do problema será às 11h, no Cecape Dra. Zilda Arns, com a médica hematologista Gisele Landau, para coordenadores pedagógicos e professores da rede pública do município.

Às 16h, na Semef,  o médico coordenador do Centro de Triagem Neonatal de São Caetano, Cristiano Gomes, irá conversar com agentes e profissionais da área da saúde para alertar sobre a incidência da doença em crianças. Todas as palestras são abertas à população.

Segundo Cristiano Gomes, o objetivo da campanha é conscientizar as pessoas para o conhecimento e prevenção da doença, que pode ser detectada pelo teste de triagem neonatal, conhecido como "teste do pezinho".  

“Para cada 35 paulistas que nascem, ao menos um tem o traço falcêmico. Essa pessoa pode não ter a doença, mas é portador do gene. Por isso é importante acompanhar”.

De acordo com o médico, a doença falciforme é mais frequente em afrodescentes, “mas como o país é muito miscigenado, também há pacientes brancos com o problema”. No ano passado, foram diagnosticados 729 portadores do traço falcêmico e nove casos da doença no ABC.

Serviço:

Cecape (Centro de Capacitação dos Profissionais da Educação) - Rua Tapajós, 300 – Bairro Barcelona.

Semef (Segunda Escola Municipal de Ensino Fundamental) - Rua José Benedetti, 550 – Bairro Cerâmica.

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento
registrado em: