Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Saúde / Pasta 1 / Conscientização sobre dengue nas escolas

Conscientização sobre dengue nas escolas

por rroeditor — última modificação 11/04/2008 09h36
Trabalho educativo de prevenção à dengue realizado em escolas transforma as crianças em uma espécie de agentes de saúde.

Publicado em 11/04/2008 09h36

Última atualização em 11/04/2008 09h36

Conscientização sobre dengue nas escolas
Aluno aprende a combater a dengue - Foto: Carolina Gutierrez/RRJ

BRUNO ZAIN
CAROLINA GUTIERREZ

do Rudge Ramos Jornal

O trabalho educativo de prevenção à dengue realizado em escolas municipais estaduais e, até mesmo, particulares, transforma as crianças em uma espécie de agentes de saúde. Ao aprender como identificar e combater o mosquito da dengue, elas tornam-se fiscais de suas próprias casas. Levam a informação aprendida durante a campanha educativa para casa e ensinam os pais e vizinhos.

A reportagem do RRJ acompanhou a visita dos educadores do Centro de Controle de Zoonoses da Prefeitura de São Bernardo, à Escola Municipal Eleonor Mendes de Barro, localizado no centro da cidade. Com uma tenda armada no pátio da escola, os educadores explicaram para os alunos a maneira correta de combater o mosquito aedes aegypti, orientando-os, por exemplo, a colocar areia no vaso da planta e furar pneu velho para que não acumule água parada.

Eles levaram mosquitos da dengue em todas as suas fases – da larva até o inseto – para que os alunos vissem suas características. A educadora de saúde do Centro de Zoonoses, Raimunda de Freitas, acredita que é orientando as crianças que um dia poderá reduzir a zero o número de focos do mosquito. “É mais importante educar quando criança porque, além de eles aprenderem, eles ensinam aos pais e cobram para que não deixem focos da dengue”, disse.

Além disso, os professores alertam sobre os riscos do vetor aedes aegypti na disciplina de ciências. “Com a visita dos educadores, os alunos podem ver na prática o que aprenderam na teoria. Isso é muito legal”, enfatizou o diretor do colégio Eleonor Mendes de Barro, Rogério Delle Sedie.

A aluna Olívia dos Santos, do 5º ano, sempre cobra dos seus familiares para que eles não deixem que o mosquito da dengue nasça. “Eu sempre falo para eles não acumularem água em recipientes, e se deixar, para que eles joguem fora ou tampem”, falou.

Ações do documento

registrado em: ,