Você está aqui: Página Inicial / O que é e como funciona a taxa Selic?

O que é e como funciona a taxa Selic?

por giulia.marini última modificação 03/10/2019 18h25
A taxa básica de juros é definida pelo Banco Central e determina,por exemplo, o índice da caderneta de poupança, entre outra coisas

Publicado em 03/10/2019 18h25

Última atualização em 03/10/2019 18h25

O que é e como funciona a taxa Selic?
A taxa Selic é de atualmente 5,5% - Foto: Maristela Caretta/RRO

AMANDA CAIRES
Da Redação*

Você tem conta poupança, titulo publico ou bancário, ou fez algum empréstimo no banco? Saiba que essas e outras formas de investimento e financiamento possuem relação direta e ou indireta com a taxa Selic. Conhecida também como taxa básica de juros, ela é periodicamente noticiada nos veículos de comunicação do país. No entanto, para entender como ela é, como ela funciona e qual é o seu papel nem sempre é fácil.

Esse é assunto pode gerar muitas dúvidas entre a população. Luciene Salgueiro, representante de vendas e moradora de São Paulo, é uma dessas pessoas. "Eu não sei exatamente como funciona a taxa Selic, mas eu acho que ela mede todos os juros do mercado e é importante porque conforme a variação dela a gente sabe como está o mercado em termos de juros e como está a inflação", opina. 

 O professor de economia e presidente da OEB (Ordem dos Economistas do Brasil), Manuel  Enriquez Garcia, explica que o Governo Federal pega dinheiro emprestado para financiar suas ações por meio da emissão do título de dívidas públicas. Uma pessoa pode comprar um título e ele tem uma remuneração, que é a dívida que o governo vai quitar mais a taxa somada. “Essa taxa básica de juros é a Selic, que quer dizer Serviço Especial de Liquidação e Custódia e é a partir dela que são negociados os títulos”, afirma.

Leia mais: Entenda como vai funcionar as modalidades de Saque proposto pelo Governo Federal

Ela é determinada pelo Banco Central através do Comitê de Política Monetária (COPOM). Eles se reúnem a cada 45 dias para definir a Selic. No dia 18 de setembro a taxa Selic teve queda de 6% para 5,5%. O professor Garcia acredita que essa taxa vai continuar caindo até o fim do ano com um valor próximo a 4,75%. É importante lembrar que esse valor é anual.

De acordo com o professor de economia e vice presidente da OEB, José Dutra Vieira Sobrinho, os bancos utilizam a Selic como parâmetro para pagar as pessoas que aplicam dinheiro em títulos no banco. Os bancos utilizam esses recursos para realizar empréstimos e outras atividades. “Quando alguém vai aplicar em títulos no banco, ele vai pagar mais ou menos 5,5% que é o valor atual da taxa Selic”, diz.

José Vieira explica que o COPOM determina se a taxa irá aumentar ou reduzir de acordo com a variação da inflação. Neste ano como a inflação vem apresentando queda, a tendência é que a Selic caia também. Segundo ele, a queda recente também é influenciada pela demanda de crédito, que tem diminuindo, então a taxa reduz com o objetivo de reduzir as taxas de juros cobrados pelas instituições financeiras e com isso baixar o custo dos empréstimos.

Essa taxa tem um impacto na dívida pública gerida pelo tesouro nacional do governo federal, uma vez que o valor dos juros dessa dívida é a Selic. Segundo os professores , a queda desse encargo representa algo positivo, pois quanto menor a taxa, menor menor vai ser o custo desembolsado pelo governo com os juros da dívida pública.

Manuel Garcia explica que o recuo da taxa também diminui os juros cobrados pelo banco para realizar empréstimos, entretanto a redução é muito pequena. O economista aponta que os juros cobrados relacionados a empréstimos imobiliários é o que vai apresentar maior queda.

José Dutra critica os bancos pelo elevado custo das taxas de empréstimo e diz que os bancos não vem acompanhando a diminuição da Selic. Ele, que está ligado ao mercado financeiro a cerca de 50 anos, afirma que a maior desculpa dada pelo valor desses juros é a elevada inadimplência. “Isso é meia verdade, pois o fato maior é que a gente não tem concorrência bancária no Brasil e a população está disposta a pagar por isso, já que a sociedade não cobra”, relata.

A Selic influencia também o rendimento da caderneta de poupança. De acordo com as informações presentes no site do Banco Central, o ganho que esse investimento pode gerar está interligada com meta dessa taxa. Se o valor decidido pela COPOM  for superior a 8,5% ao ano, o rendimento será de 0,5% ao mês. Se a Selic for inferior a 8,5%, o produto será de 70% da taxa vigente dividida por todos os meses do ano.

*Esta reportagem foi produzida por estagiários do Curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento