Você está aqui: Página Inicial / Rudge Ramos Jornal / 2010 / ED 951 / Setor projeta alta na venda de brinquedos

Setor projeta alta na venda de brinquedos

por caroline.garcia — última modificação 01/10/2010 09h01
Fábricas do ABC projetam crescimento de 15%

Publicado em 01/10/2010 08h30

Última atualização em 01/10/2010 09h01

Setor projeta alta na venda de brinquedos
Brinquedos das personagens Barbie e Ben 10 são as apostas de vendas no Dia das Crianças, segundo a Líder Brinquedos, indústria de Mauá - Maristela Caretta/RRJ

CAIO MACHADO
do Rudge Ramos Jornal

No dia 12 de outubro é comemorado o Dia das Crianças. A data não é especial apenas aqueles que ganham presentes. A indústria de brinquedos calcula que a alta nas vendas em todo país seja de 6% a 7%, segundo a Abrinq (Associação Brasileira de Fabricantes de Brinquedos). No ABC, as fábricas da região projetam crescimento de 15%.

O Dia das Crianças é considerado a melhor data de vendas do setor, junto com o Natal. As duas épocas correspondem a 75% do total de vendas de brinquedos no ano. A previsão é de que o mercado interno movimente, no país, cerca de R$ 3 bilhões em 2010, de acordo com números da ICTI (sigla em inglês para Conselho Internacional das Indústrias de Brinquedos).

A estimativa de crescimento se deve ao fato de o governo federal ter baixado as tarifas de importação para matéria-prima dos brinquedos de 20% para 2%. A medida, que passou a vigorar em agosto, pretende aquecer o mercado nacional, gerar novos empregos e, como consequência, conter o avanço dos produtos chineses, que nos últimos anos invadiram o Brasil.

“Em 1990, com a abertura do mercado brasileiro, as indústrias de brinquedos passaram por uma crise. Era uma disputa perdida porque os brinquedos chineses, falsificados, entravam no país em enorme quantidade e a preços muito baixos. O mercado nacional não tinha como competir porque o preço dos produtos ficou caro frente à concorrência. Isso passou a acontecer também agora no final dos anos 2000”, disse o economista Vitor Ribeiro.

Até julho deste ano, no setor de brinquedos, a produção nacional deteve 55% do mercado, enquanto a internacional, 45%. Deste último número, 92% são brinquedos vindos da China. No ano passado, por exemplo, os produtos importados corresponderam a 60% do mercado brasileiro.

Ainda segundo o economista, a iniciativa do governo federal em mexer nas tarifas de importação da matéria-prima é importante para ajudar o aquecimento do mercado interno, gerar empregos e provocar baixa nos preços. Para o consumidor final, a estimativa da Abrinq é que a medida reduza o valor dos brinquedos nacionais em até 5%.

O Brasil é o sétimo maior mercado de brinquedos do mundo, segundo o ICTI. As indústrias instaladas no ABC correspondem a 12% da produção do país. As duas maiores fábricas são a Líder Brinquedos, localizada em Mauá, e a Grow, em São Bernardo. Cada uma possui cerca de 900 funcionários.

Mais Vendidos - Ben 10, personagem do desenho animado, é a aposta de sucesso da Líder Brinquedos para os meninos, assim como foi em 2009. A empresa tem o licenciamento para utilizar a imagem do garoto do desenho animado que se transforma em vários monstros. “O brinquedo do Ben 10 que é um grande sucesso de vendas é o Chute a Gol (mini-traves e bola com o desenho do protagonista)”, disse o gerente de vendas, Júnior Muzilli. Para as meninas, a boneca Barbie costuma ser a campeã de vendas. Este ano, a Líder traz como atração a cesta de basquete da boneca mais famosa do mundo.

Já a Grow investe em jogos de tabuleiro, como o War, o Imagem & Ação e o Scotland Yard. “Todos os anos nós lançamos cerca de 100 brinquedos até o mês de setembro. Para este ano, a novidade é o Boneco do Cebolinha (que toca guitarra e canta)”, disse o gerente de marketing Gustavo Arruda. A fábrica possui ainda o licenciamento dos brinquedos da Disney.

Ações do documento

registrado em: ,