Você está aqui: Página Inicial / Vídeos / Reportagens / 2016 / Problemas alérgicos atingem 5% da população brasileira

Problemas alérgicos atingem 5% da população brasileira

por allaf.silva última modificação 05/12/2016 16h10

Publicado em 05/10/2016 17h59

Última atualização em 05/12/2016 16h10

Problemas alérgicos atingem 5% da população brasileira

Da Redação*

No Brasil, problemas alérgicos atingem 5% da população. Uma dessas pessoas é a analista de exportação Silvana Pascoaso, que descobriu sua alergia a camarão há mais de 30 anos. Ela conta que comeu uma vez enquanto estava no colégio. "Deu um calor muito grande, coceira no corpo e mal-estar. Eu tive que tomar alguma coisa para cortar aquilo. Tomei por volta de um litro de leite para melhorar, mas ainda fiquei mal porque você fica com o corpo todo vermelho", afirmou.

O alergologista Antônio Garcia Quelhas fala que existem trabalhos sugerindo sub-diagnósticos da alergia e que poderiam haver pessoas com esse problema, mesmo ele ainda não tendo sido diagnosticado nelas. "Se haveria algo de fundo genético é uma possibilidade a ser investigada. [Outra seria] se haveria algo na questão de manipulação alimentar, de terapia gênica de alimentos e processamento químico do alimento e isso acabaria levando a uma maior incidência. Outra possibilidade a ser considerada é se, de repente, a antecipação da introdução do alimento, ou seja, a redução da amamentação antes dos seis meses de idade acabam favorecendo o desenvolvimento de um processo alérgico."

Como essas doenças têm algum elemento em comum, como vômito e diarreia, algumas pessoas acabam confundindo. Porém, quem tem intolerância pode sentir dor na barriga, gases intestinais e queimação na garganta. Já quem tem alergia sente vermelhidão e coceira na pele e inchaço na língua ou no rosto. 

Uma das intolerâncias mais comum é a lactose, a qual a representante comercial Caroline Canal possui. Ela faz parte dos 25% dos brasileiros com essa doença, segundo dados do Ministério da Saúde. "Na época em que eu descobri, não existiam muitas coisas no mercado. Eram uma ou duas marcas de leite e só. Então, eu tive que deixar de comer queijo, leite condensado, chocolate. Agora, estou voltando a comer."

De acordo com a Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil, 1% dos brasileiros sofrem de intolerância ao glúten. É o caso da assistente de comunicação Camila Polese, mas ela conta que é possível ter uma vida normal mesmo com esse problema. "Eu acho que o principal conselho é que as pessoas não vejam isso como um grande problema. Não é legal você deixar de comer algo que você já está acostumada, mas, comparado com milhares de outras doenças, isso não é nada."

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento