Você está aqui: Página Inicial / Vídeos / Reportagens / 2017 / Após dois anos da revitalização do Rudge, comerciantes ainda desaprovam obras

Após dois anos da revitalização do Rudge, comerciantes ainda desaprovam obras

por paula.campanhao última modificação 25/04/2017 08h02

Publicado em 19/04/2017 10h54

Última atualização em 25/04/2017 08h02

Após dois anos da revitalização do Rudge, comerciantes ainda desaprovam obras

*Especial para o Rudge Ramos Online

Desde o início das obras de modificação do Largo do Rudge, em 2015, a prefeitura de São Bernardo deixou claro que o objetivo do projeto era resgatar o espaço público e priorizar os pedestres. Dois anos depois, as mudanças não agradaram.

A comerciante Sonia Mendes, afirma que gostava mais de como era antes por ser um local mais arborizado e agora "ficou um negócio meio frio". Já Fabio Aguero, que também é comerciante, reclama que a parte que era destinada a deixar o carro para as crianças, a prefeitura mudou para estacionar apenas por dez minutos com o pisca alerta-ligado.

As reformas foram várias, como o fechamento parcial da travessa Daré e da extensão da antiga rua Laurindo Ádamo, além da construção de duas travessas elevadas, que deixaram a comerciante Sueli Apareciado Mathiazo descontentes, porque segundo ela são perigosas. "Fui atravessar com a minha cadela e veio um carro da rua Afonsina muito rápido, tive que parar e ir para trás."

A principal mudança foi a remoção do estacionamento com 70 vagas que ficava na praça São João Batista, hoje, coberto por calçada. O local, que também era utilizado como ponto de táxi e base comunitária da polícia militar, agora, é só uma área de 8.880m² disponíveis para alguns bancos e poucas árvores.

O taxista Antônio Vinhas, argumenta que o dinheiro para a revitalização não foi bem investido. Já a arquiteta urbanista Vanessa Miranda, contrapõe dizendo que o projeto conseguiu recuperar um espaço que antes eram vagas de carro "deixando o espaço mais acessível na frente da igreja, além de acessos melhores pela rua e calçadas laterais por causa das elevadas".

*Esta reportagem foi produzida por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo

Ações do documento