Você está aqui: Página Inicial / Vídeos / Reportagens / 2017 / Coworking pode ser opção para economizar na hora de empreender

Coworking pode ser opção para economizar na hora de empreender

por paula.campanhao última modificação 02/05/2017 17h06

Publicado em 02/05/2017 17h06

Última atualização em 02/05/2017 17h06

Coworking pode ser opção para economizar na hora de empreender

Especial para o RROnline*

Parece um escritório comum, mas nem todo mundo aqui trabalha na mesma empresa. Este é o ponto forte do coworking, uma forma de trabalho que faz com que profissionais de diferentes áreas compartilhem o mesmo ambiente.
A proprietária de um coworking em São Caetano, Renata Bottura, conta que tem no local profissionais de marketing, manutenção de redes sociais, além de uma pessoa que trabalha no ramo de alimentação.
Lá há duas modalidades que permitem que o cliente contrate a posição de trabalho. Uma é contratar uma posição fixa, que é paga por meio de mensalidade e pode ser utilizada 24h por dia. Já a outra serve para o cliente que não precisa estar sempre no escritório. "Esse tipo de profissional pode optar por bancos de hora. Ele paga e pode utilizar em 1 mês, de acordo com que ele precisar."
Atual queridinho dos micro-empresários, alugar uma estação de trabalho em um lugar como este é ideal para quem quer focar apenas no que é importante e ainda economizar.
Segundo o economista Sandro Maskio, da Universidade Metodista de São Paulo, uma sala comercial pequena é alugada em um valor em torno de R$ 1.500 ou R$ 2.000 por mês. "Se você estiver num espaço compartilhado certamente conseguira alugar por R$ 400 ou R$ 500 por mês."
Isso acontece porque custos como luz, água, internet, telefonia e até mesmo aquele cafezinho são divididos entre todos colaboradores.
O videografista Fabio Vaz que compartilha o espaço de trabalho conta que os problemas que podem surgir ocasionalmente não vão atrapalhar o serviço dele. "Não preciso me preocupar com isso e posso focar na minha empresa."
Essas vantagens têm atraído cada vez mais adeptos. De 2015 para 2016 número de coworkings cresceu 52% no Brasil e essa tendência já saiu dos escritórios e veio parar em ambientes descontraídos que juntam escritório e cozinha.
O dono do coworking Collab, em Santo André, Paulo Galdino, afirma que a maioria das pessoas que vão ao espaço tem interesse em abrir o próprio negocio, além de querem um aprendizado na pratica para ver como e que vai funcionar.
A inovação não termina na cozinha, no local também funciona uma loja colaborativa.
O jornalista Pablo Assolini trouxe sua empresa para o espaço há 1 ano, e enxerga mais pontos positivos do que só economia e praticidade administrativa. "Você esta num ambiente que tem outras empresas e pessoas que pensam diferente. Isso ajuda no compartilhamento."

Esta reportagem foi produzida pelos alunos de jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo*

Ações do documento