Um estudo sobre a extensão e a tessitura vocal de mulheres entre 20 e 45 anos que atuam no naipe contralto de corais amadores em Belo Horizonte
DOI: http://dx.doi.org/10.15601/2237-0587/fd.v8n1p58-70

Larisse Vieira Gomes, Neylson J. B. F. Crepalde, Débora Andrade

Resumo


O presente artigo mapeia a tessitura vocal de cantoras entre 20 e 45 anos que atuam no naipe contralto de corais amadores em Belo Horizonte e compara os dados obtidos com a extensão vocal de contraltos de acordo com a literatura, atentando-se para a possibilidade de haver coristas com a tessitura fora do padrão atribuído ao naipe. Através da análise dos dados constatou-se que 43% das coristas que participaram deste estudo possuem a região confortável de suas vozes fora da extensão vocal de contraltos. Como solução para este problema, propôs-se o remanejamento destas cantoras a outros naipes do coro.

Palavras-chave


Contralto; extensão vocal; classificação vocal; coral amador

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15601/789

Apontamentos

  • Não há apontamentos.