Amós 7.1-6: Amós não pede por justiça, mas por misericórdia

José Ribamar Mendes Filho Jacinto

Resumo


Este trabalho se propõe a estudar a passagem de Amós 7.1-6, buscando entender o que está implicado teologicamente no primeiro par de visões, respondendo o que levou Deus a se arrepender. O trabalho está dividido em três seções: a primeira seção busca analisar a visão dos gafanhotos e do fogo, considerando que elas apontam para um juízo de Deus sobre um povo fraco e pequeno. Das informações obtidas nesta primeira parte, buscar-se-á interligá-las à segunda parte (apelo em favor de um povo fraco e pequeno), focalizando a ideia de um apelo em favor do povo de Israel, buscando entender as primeiras implicações teológicas a respeito do juízo de Deus como “o dia de Javé”. Este dia de Javé, tanto positivo quanto negativo para o povo de Deus, só poderá ser impedido se houver uma intercessão em favor do povo.


Palavras-chave


Visão; apelo; arrependimento; misericórdia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-3828/caminhando.v22n2p153-163

Direitos autorais 2017 Caminhando

Qualis B1

2176-3828 [ISSN da edição eletrônica]

1518-7019 [ISSN da edição impressa]

10.15603 [DOI (Document Object Identifier)]

E-mail: periodico.caminhando@gmail.com

This periodical is indexed in the ATLA Religion Database® (ATLA RDB®), www: http://www.atla.comSumários.org; Portal de periódicos da CAPES; DOAJ Content Directory of Open Access Journals; Latinindex.

 

       

           

 Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. href="https://redib.org/Record/oai_revista5650-caminhando">