Uma leitura freireana sobre a Bnc-Formação: a persistência no erro epistemológico do bancarismo

Ronaldo Antonio Gollo Junior, Elisabete Ferreira Esteves Campos

Resumo


Neste ensaio, problematizamos a BNC-Formação, de caráter pragmatista, para o desenvolvimento de competências e habilidades nos cursos de licenciatura, revelando seu aspecto regulatório. Com o aporte teórico de Paulo Freire, o objetivo é abordar termos progressistas, como autonomia e criticidade, apropriados pelos grupos (neo)liberais-conservadores que participam da formulação de políticas educacionais, atribuindo a esses termos significados que se vinculam à lógica empresarial da educação. Conclui-se que a teoria de Paulo Freire contribui para o desvelamento de tais políticas, na medida em que pode ser compreendida pelas equipes de docentes universitários com vistas à reformulação do Projeto Pedagógico das licenciaturas em uma perspectiva contra-hegemônica.


Palavras-chave


Paulo Freire; BNC-Formação; formação de professores

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1043/el.v24n2p219-244

ISSN IMPRESSO: 1415-9902

ISSN ELETRÔNICO: 2176-1043

      IRESIE

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.