Ensino Híbrido na Educação Superior: Análise da Produção Científica

Nei Muchuelo, Almir Martins Vieira, Rodrigo Ribeiro de Oliveira

Resumo


O ensino híbrido não é um termo novo nem um conceito revolucionário para as salas de aula. No entanto, a maneira como está sendo interpretado pode ser esperançoso ou prejudicial, dependendo de como esse ensino é implementado. As tecnologias devem ser empregadas para auxiliar os estudantes a se tornarem cidadãos capacitados, em vez de consumidores passivos. A metodologia deste estudo compreende uma pesquisa bibliográfica, com abordagem qualitativa, ainda que apresente alguns dados quantitativos para expressar o panorama dos artigos identificados. O objetivo foi identificar a produção científica sobre as publicações do ensino híbrido no Ensino Superior, realizando uma revisão sistemática referente ao período de 2005 a 2018, para o estudo foram selecionados 40 artigos, sendo 21 na área da Administração e 19 na área da Educação, tomando por base o Portal de Periódicos da Capes. Os resultados encontrados foram que esta tendência desconstrói os conceitos fixos que diferenciam aulas presenciais das remotas, pois unifica a percepção do ensino e do aprendizado, independente do meio em que será transmitido. É fato que uma boa aula e docentes qualificados no ensino jamais substituirão aparelhos, tecnologias ou sistemas. No entanto, tornar o ensino mais atrativo e integrado aos hábitos dos estudantes, através do ensino híbrido, não só facilita o trabalho dos educadores envolvidos como torna os estudantes mais informados, críticos, protagonistas e interessados em todo o processo de aprendizagem.

Palavras-chave


Ensino Híbrido; Educação Superior; Produção Científica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1043/el.v24n2p475-504

ISSN IMPRESSO: 1415-9902

ISSN ELETRÔNICO: 2176-1043

      IRESIE

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.