Estudos de Religião

Estudos de Religião é uma publicação semestral editada pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Metodista de São Paulo. Circulando desde 1985, ela tem por objetivo divulgar artigos científicos, relatos e resenhas sobre o fenômeno religioso, contemplando temas ligados a áreas inter-disciplinares como: Linguagens da religião e Religião, Sociedade e Cultura.

A partir de 2013, os artigos publicados nesta revista possuem o DOI (Document Object Identifier).


Imagem de capa da revista

CHAMADA PARA DOSSIÊ - 1 Semestre de 2015

Semiótica da Cultura e as Ciências da Religião: Perspectivas e questões dos Estudos Bíblicos

O fenômeno religioso e as mais diversas formas de religiosidade são estruturados de forma complexa e multifacetada. Por isso estudar religião e religiosidades requer abordagens multi- e transdisciplinares. Nenhuma abordagem científica particular pode pretender explicar a religião em seus aspectos constituintes. Por isso as Ciências da Religião se compõem da colaboração e tensão dos mais diferentes instrumentais, quadros conceituais e referenciais teórico-metodológicos. Entre eles contamos, principalmente a partir do final do século XX, com as mais diferentes abordagens semióticas e das ciências da linguagem. A religião e as comunidades religiosas passam a ser analisadas a partir de suas articulações na linguagem e das formas como constituem sistemas secundários de linguagem, por meio das quais dão forma ao mundo. Linguagem não é mais vista apenas como uma forma de transmissão eficiente de conteúdos - numa espécie de comunicação religiosa -, mas é compreendida como espaço de criação de novas mensagens, de constante atualização do que já foi dito e articulado no passado. Nessa perspectiva o sujeito religioso é um criador incansável e inesgotável de textos.

Pretendemos explorar um campo teórico dos estudos literários e artísticos, mas ainda praticamente inexplorado em relação ao estudo do campo religioso e das mensagens religiosas. Trata-se do legado teórico-metodológico da Escola Tartu-Moscou de semiótica, também conhecida como semiótica da cultura, que tem como seu expoente maior o semioticista russo Iuri Lotman. Lotman foi um dos nomes negligenciados nos estudos semióticos das universidades européias e norte-americanas. Essa negligência passa a ser reparada como novas traduções de sua obra a vários idiomas e com o crescente interesse em sua obra evidenciado em congressos, publicações e cursos sobre seu pensamento. Nós na América-Latina podemos nos considerar privilegiados pela atuação de pesquisadores de Cuba, Argentina e Brasil, entre outros países, que se anteciparam a esse boom de pesquisas sobre a obra de Lotman. Dentre seus muitos conceitos se destaca o de “semiosfera”, que se mostra muito pertinente para a análise de sistemas culturais complexos.

Nesse dossiê de Estudos de Religião pretendemos reunir, organizar e oferecer para o debate artigos de pesquisadores da semiótica da cultura e de cientistas da religião, nos quais conceitos centrais da semiótica da cultura, tal como propostos pela escola Tartu-Moscou, na relação com os estudos de religião. Entendemos que a perspectiva teórica dessa escola, marcada pela dinâmica, polissemia (poliglotismo) e sistematicidade dos textos culturais e da própria semiosfera, é pertinente para o estudo da complexidade e agilidade da constituição semiótica do campo religioso.  Os textos devem ser enviados aos editores até 15 de janeiro de 2015.

 

Profa. Dra. Irene Machado (ECA-USP)

 

Prof. Dr. Paulo Augusto de Souza Nogueira (UMESP)



CHAMADA PARA DOSSIÊ - Primeiro semestre de 2015

Semiótica da Cultura e as Ciências da Religião: Perspectivas e questões dos Estudos Bíblicos

O fenômeno religioso e as mais diversas formas de religiosidade são estruturados de forma complexa e multifacetada. Por isso estudar religião e religiosidades requer abordagens multi- e transdisciplinares. Nenhuma abordagem científica particular pode pretender explicar a religião em seus aspectos constituintes. Por isso as Ciências da Religião se compõem da colaboração e tensão dos mais diferentes instrumentais, quadros conceituais e referenciais teórico-metodológicos. Entre eles contamos, principalmente a partir do final do século XX, com as mais diferentes abordagens semióticas e das ciências da linguagem. A religião e as comunidades religiosas passam a ser analisadas a partir de suas articulações na linguagem e das formas como constituem sistemas secundários de linguagem, por meio das quais dão forma ao mundo. Linguagem não é mais vista apenas como uma forma de transmissão eficiente de conteúdos - numa espécie de comunicação religiosa -, mas é compreendida como espaço de criação de novas mensagens, de constante atualização do que já foi dito e articulado no passado. Nessa perspectiva o sujeito religioso é um criador incansável e inesgotável de textos.

Pretendemos explorar um campo teórico dos estudos literários e artísticos, mas ainda praticamente inexplorado em relação ao estudo do campo religioso e das mensagens religiosas. Trata-se do legado teórico-metodológico da Escola Tartu-Moscou de semiótica, também conhecida como semiótica da cultura, que tem como seu expoente maior o semioticista russo Iuri Lotman. Lotman foi um dos nomes negligenciados nos estudos semióticos das universidades européias e norte-americanas. Essa negligência passa a ser reparada como novas traduções de sua obra a vários idiomas e com o crescente interesse em sua obra evidenciado em congressos, publicações e cursos sobre seu pensamento. Nós na América-Latina podemos nos considerar privilegiados pela atuação de pesquisadores de Cuba, Argentina e Brasil, entre outros países, que se anteciparam a esse boom de pesquisas sobre a obra de Lotman. Dentre seus muitos conceitos se destaca o de “semiosfera”, que se mostra muito pertinente para a análise de sistemas culturais complexos.

Nesse dossiê de Estudos de Religião pretendemos reunir, organizar e oferecer para o debate artigos de pesquisadores da semiótica da cultura e de cientistas da religião, nos quais conceitos centrais da semiótica da cultura, tal como propostos pela escola Tartu-Moscou, na relação com os estudos de religião. Entendemos que a perspectiva teórica dessa escola, marcada pela dinâmica, polissemia (poliglotismo) e sistematicidade dos textos culturais e da própria semiosfera, é pertinente para o estudo da complexidade e agilidade da constituição semiótica do campo religioso.  Os textos devem ser enviados aos editores até 15 de janeiro de 2015.

 

Profa. Dra. Irene Machado (ECA-USP)

 

Prof. Dr. Paulo Augusto de Souza Nogueira (UMESP)