A relação entre repetição e religião em Søren Kierkegaard

Presley Henrique Martins, Renato Kirchner

Resumo


Nosso objetivo é analisar o conceito de repetição nas obras de Kierkegaard, assim como demonstrar o significado da repetição em sua perspectiva religiosa. É esse sentido religioso que o presente texto pretende  investigar, contribuindo, assim, para uma compreensão da religião a partir da experiência da repetição enquanto busca de sentido. Desse modo, o texto apresenta a seguinte estrutura argumentativa: num primeiro momento faremos uma breve apresentação da obra A Repetição, sendo a obra aporética – o conceito de repetição não é explicado pelo autor, propositalmente, em seu sentido mais profundo –, analisaremos nos tópicos seguintes a relação entre a repetição e outros conceitos do autor. A repetição não pode ser compreendida isolada de outros conceitos fundamentais, sendo eles, a saber: fé, instante e amor. Portanto, trataremos de pensar a repetição em articulação com esses conceitos, de tal modo que seja possível compreendermos a repetição na perspectiva religiosa

Palavras-chave


Kierkegaard; repetição; religião; fé; instante; amor

Texto completo:

PDF

Referências


BOLLNOW, Otto F. Filosofia Existencial. Porto: Imprensa Portuguesa, 1946.

DELEUZE, Gilles. O que é a filosofia? 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

GARDINER, Patrick. Kierkegaard. São Paulo: Loyola, 2013

GARFF, Joakim. Kierkegaard's Muse: the mystery of Regine Olsen [livro eletrônico]. Oxford: Princeton University Press, 2017

GOUVÊA, Ricardo Quadros. Paixão pelo paradoxo: uma introdução à Kierkegaard. 1. ed. São Paulo: Novo Século, 2000.

KIERKEGAARD, Søren. A repetição. Tradução, introdução e notas de José Miranda Justo. Lisboa: Relógio D'Água, 2009a.

__________. Temor e Tremor. Tradução, introdução e notas de Elisabete M. de Souza. Lisboa: Relógio D'água, 2009b.

__________. Migalhas Filosóficas. Lisboa: Relógio d’Água, 2012.

__________. As obras do amor. 4ª ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2013a

__________. O conceito de angústia. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2013b.

__________. Pós-escrito às migalhas filosóficas. Vol. I. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2013c.

__________. O desespero humano (Doença até à morte). 5. ed. São Paulo: Editora Livraria Tavares Martins, 1961.

__________. Works of love. Ed. e trad. Introdução e notas de Howard V. Hong e Edna H. Hong. New Jersey: Princeton University Press, 1995. (Versão eletrônica).

__________. Eighteen Upbuilding Discourses. Ed. e trad. com introdução e notas de Howard V. Hong e Edna H. Hong. New Jersey: Princeton University Press, 1992. (KW V). (Versão eletrônica).

LUTERO, Martinho. Da liberdade do cristão (1520). São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1998.

MOONEY. Edward F. Repetition: Getting the World Back. IN: MARINO, Gordon D. (Eds.). The Cambridge Companion to Kierkegaard. New York: Cambridge University Press, 2006. (Cambridge Companions Series).

MOONEY, Edward F. Repetition and philosophical crumbs. Oxford: Oxford

University Press, 2009. (Versão eletrônica).

ROOS, Jonas. Finitude, infinitude e sentido: um estudo sobre o conceito de religião a partir de Kierkegaard. Brasília: Revista Brasileira de Filosofia da Religião, v. 6, p. 10-29, 2019.

__________. Kierkegaard, Lutero e o Luteranismo: Polêmica e Dependência. Brasília: Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 5, p. 147-170, 2018.

__________. Religião, Temporalidade e Corporeidade em Kierkegaard. Juiz de Fora: Numen: revista de estudos e pesquisa da religião, v. 17, p. 1-308, 2014.

STEWART, Jon. Soren Kierkegaard: subjetividade, ironia e a crise da modernidade. Tradução Humberto Araújo Quaglio de Souza. Petrópolis: Vozes, 2017.

VALLS, Alvaro. Kierkegaard: cá entre nós. São Paulo: Editora LiberArs, 2012.




DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1078/er.v35n2p277-307

 

            

       

        AE GLOBAL INDEX  SUMÁRIOS.ORG

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.