A teoria da recepção e a historicidade da compreensão das Escrituras

José Adriano Filho

Resumo


A historicidade de compreensão das Escrituras e de seus leitores, uma proposição básica da teoria da recepção bíblica, significa que um agente tem que tornar o significado do texto concreto. Como nossa pertença à história não nos permite pensar num conhecimento imparcial garantido pela aplicação de um método e nossa localização numa situação histórica específica possibilita a abertura aos legados culturais que nos precedem, a história da recepção de um texto bíblico deve ser considerada como um relato das instâncias históricas concretas da sua apropriação e impacto no mundo da vida dos seus leitores. A teoria da recepção bíblica deve ser considerada como um relato das instâncias históricas concretas da sua apropriação e impacto no mundo da vida dos seus leitores. Ela privilegia as condições de leitura do texto pelos seus leitores e leitoras, não a reconstrução de como a obra foi produzida, isto é, não procura determinar o significado original do texto pretendido pelo autor, mas demonstrar como o seu significado se desdobra historicamente.


Palavras-chave


Teoria da Recepção. Historicidade da Compreensão. Escrituras.

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIANO FILHO, José. Estética da recepção e métodos histórico-críticos: o texto da perspectiva do leitor. Estudos Teológicos (São Leopoldo), v. 59, n. 2, p. 311-324, jul./dez. 2019.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BORDINI, M. G. & AGUIAR, V. T. A formação do leitor. Alternativas Metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

CAPDEVILA Y CASTELIS, Pol. Experiencia estética y hermenéutica. Un diálogo entre Immanuel Kant y Hans Robert Jauss. Tese de Doutorado. Universitat Autônoma de Barcelona, 2005.

COMPAGNON, A. O demônio da teoria. Literatura e senso comum. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006.

COSTA LIMA, Luiz. A literatura e o leitor. Textos de Estética da Recepção. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

FISH, Stanley. Is there a text in this class? The Authority of Interpretative Communities. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1980.

HOLUB, Robert C. Reception Theory. A critical introduction. London & New York: METHUEN, 1984.

INGARDEN, Roman. A obra de arte literária. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1965.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à ciência da literatura. [Trad. Sérgio Tellaroli de Literaturgeschichte als Provokation der Literaturwissenschaft. São Paulo: Ática, 1994.

JAUSS, Hans Robert. Aesthetic Experience and Literary Hermeneutics. Minneapolis: Universtity of Minnesota Press, 1982.

JAUSS, Hans Robert. Question and answer. Forms of Dialogic Understanding. Minneapolis: University of Minnessota Press, 1989.

MORALES VÁSQUEZ, Victor Manuel. Contours of a Biblical Reception Theory. Studies in the Rezeptionsgeschichte of Romans 13.1–7. Göttingen: V & R Unipress, 2012.

NOGUEIRA, Paulo Augusto de Souza. “Religião como texto: contribuições da semiótica da cultura”. In: Linguagens da Religião. São Paulo: Paulus, 2012, p. 13-30.

PARRIS, David Paul. Reception Theory and Biblical Hermeneutics. Eugene, Oregon: PICKWICK Publications, 2009.

RÓDENAS DE MOYA, Domingos, “Hans Robert Jaus o el rescate de la historia desde la teoria”. In: JAUSS, Hans Robert. Historia de la literatura como provocación. Madrid: Editorial Gredos. S.A., 2013, p. 9-17.

STIERLE, Karlheinz. “¿Qué Significa “recepción” em los textos de ficción?” In: ANTONIO MAYORAL, José (coord.). Estetica de la recepción. Madrid, Arco Libros, 1987, p. 87-144.

ZILBERMAN, Regina. Fim do livro, fim dos leitores? São Paulo: SENAC, 2001.




DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1078/er.v35n2p37-57

 

            

       

        AE GLOBAL INDEX  SUMÁRIOS.ORG

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.