Sobre a descolonização do conhecimento: a invenção de outras epistemologias

Suze de Oliveira Piza, Daniel Pansarelli

Resumo


O acúmulo de pesquisas e publicações acerca da pluralidade epistemológica vem ganhando notoriedade há, pelo menos, uma década. A despeito da identificação de produções significativamente mais antigas sobre o tema, as crises globais - políticas, econômicas, subjetivas - que deram o tom do início do século XXI - possivelmente favoreceram que se jogasse luz nesta questão: a forma de conhecimento consagrada, ao menos desde o Iluminismo, já não era capaz de responder aos desafios históricos da contemporaneidade. Este artigo trata de apresentar, primeiro, e com alguma brevidade, uma hipótese interpretativa da modernidade que favorece a compreensão de sua vinculação com o colonialismo. A esta etapa, fundamentada, sobretudo, na hermenêutica histórica de Enrique Dussel, seguirá um esforço pela reunião de argumentos de outros autores pós-colonialistas, tais como Walter Mignolo e Boaventura de Souza Santos, em favor de uma pluralidade epistemológica e a proposta de criação de epistemologias do sul.

Palavras-chave:

modernidade, colonialismo, epistemologias, descolonização.

Palavras-chave


Colonialismo, epistemologia, pluralidade, eurocentralidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1078/er.v26n43p25-35

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


 

            

       

        AE GLOBAL INDEX  SUMÁRIOS.ORG

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.