Opus operatum e opus operantis: quando a validade do direito se desconecta da virtude de quem o aplica

Rafael Lazzarotto Simioni

Resumo


Esta pesquisa estabelece uma aproximação entre leitourgiajurisdictio, baseada na arqueologia do officium de Giorgio Agamben, para observar a correlação entre os processos históricos de legitimação simbólica do ministério sacerdotal litúrgico e das competências jurisdicionais. Pretendemos, com isso, oportunizar uma releitura da relação entre liturgia, jurisdição e política, de modo a desencadear uma reflexão crítica sobre as condições de inteligibilidade da separação entre sujeito e ator social, pessoa e cargo, indivíduo e função, decisão e organização. Como resultado, sinaliza-se a separação entre opus operatum e opus operantis, operada pelo Concílio de Trento em 1545, que tornou explícita a separação entre a virtude da obra e a virtude quem a realiza.

Palavras-chave


Liturgia; Jurisdição; Política; Officium; Tribunais

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Opus Dei: Archeologia dell’ufficio. Homo sacer, II, 5. Torino: Bollati Boringhieri, 2012.

ALMEIDA, F. Os juristas e a política no Brasil: permanências e reposicionamentos. Lua Nova. São Paulo, 97, p. 213-250, 2016.

ARISTÓTELES. Politeia. Tradução de Manuel Briceño Jáuregui, S. J. Bogotá: Caro y Cuervo, 1989.

CONCÍLIO DE TRENTO. O Sacrossanto, e Ecumenico Concilio de Trento. Lisboa: Officina Patriarc. De Francisco Luiz Ameno, 1781.

DWORKIN, R. Law’s empire. Cambridge: Harvard University Press, 1986.

FOUCAULT, M. L’archéologie du savoir. Paris: Gallimard, 1969.

GILISSEN, J. Introdução histórica ao direito. Tradução de A. M. Hespanha e L. M. M. Malheiros. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.

HESPANHA, A. M. História das instituições: épocas medieval e moderna. Coimbra: Almedina, s/d.

KELSEN, H. Teoria pura do direito. Tradução de João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LUHMANN, N. Das Recht der Gesellschaft. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1993.

__________. Organisation und Entscheidung. Opladen/Wiesbaden: Westdeutscher Verlag GmbH, 2000.

ROMANO, S. C. Carta aos Coríntios. Homilia anônima (atribuída a Clemente), s/d.

SANTOS, B. S. Crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. São Paulo: Cortez, 2000.

TARELLO, G. Storia dela cultura giuridica moderna: assolutismo e codificazione del diritto. Bologna: Il Mulino, 1998.

VILLEY, M. Direito Romano. Tradução de Fernando Couto. Lisboa: Resjuridica, 1996.

WIEACKER, F. História do direito privado moderno. Tradução de A. M. Botelho. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenklan, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v32n2p139-161

 

           

 

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.