Tantra, gênero e sexualidade e a Tradução do Budismo Tibetano para O Ocidente

Bruno Carlucci

Resumo


Este artigo tem como objetivo problematizar as questões de gênero e sexualidade que se apresentam na tradução do budismo tibetano para o ocidente. A partir da noção de textos sensíveis (SIMMS, 1997) e sua relevância para tradução de textos ditos sagrados (GOHN, 2001), investigamos como questões sobre os papéis de gênero e de sexualidade são transmitidas e traduzidas ao longo da história do budismo tibetano e sua tradução do tantra budista indiano. Por fim, abordamos a visibilidade de mulheres enquanto tradutoras e pesquisadoras na tradição budista e o seu potencial de resistência a um referencial falogocêntrico (DERRIDA, 1997).


Palavras-chave


Tradução e gênero; tradução de textos budistas; textos sensíveis.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v24n2p39-56

  

 

 

  

 

  

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional