A paternidade frente ao diagnóstico de anomalia fetal não letal

Roberta Carvalho de Oliveira e Silva, Erika de Sá Vieira Abuchaim, Gláucia Rosana Guerra Benute, David Baptista da Silva Pares

Resumo


Pesquisa qualitativa com o objetivo de investigar as repercussões do diagnóstico de anomalia fetal não letal no exercício da paternidade. Participaram 20 pais acompanhados num serviço de medicina fetal de um hospital universitário de São Paulo. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada e analisados segundo a Análise de Conteúdo Temática. Emergiram sete temas: Paternidade; Participação na gestação; Comunicação com o bebê; Sentimentos frente ao diagnóstico; Preocupações frente ao diagnóstico; Partilhar o problema e Conflitos a partir do diagnóstico. Constatou-se que os homens buscam apoio na vivência com o próprio pai e que apesar dos sentimentos de tristeza e impotência apresentam o desejo de aceitação para enfrentar a situação da tríade mãe-pai-bebê.

Palavras-chave


Anormalidade congênita; Paternidade; Pré-natal

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v30n1p21-31

Indexadores

         

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional