O Uso do Corpo Si na Atividade Profissional de Cabeleireiros

Divino Manoel Teixeira, Mônica de Fátima Bianco

Resumo


O objetivo do artigo é compreender, pela lente ergológica, as dramáticas do uso do corpo si no exercício da profissão de cabeleireiros e os saberes construídos por estes profissionais. A pesquisa foi de natureza qualitativa descritiva e a produção de dados aconteceu via observação direta do trabalho e entrevista semiestruturada com 8 cabelereiros que atuavam em dois salões de beleza na cidade de Vitória-ES. Os dados foram analisados utilizando-se a técnica de análise de conteúdo a partir de 2 categorias temáticas pré-determinadas, “dramáticas” e “corpo si”, além de outras 2 categorias que emergiram durante a pesquisa, “o lado precário da beleza” e “novos saberes”. Concluiu-se que a profissão de cabeleireiro é precária devido às longas jornadas de trabalho, insegurança em relação ao futuro e à falta de garantias trabalhistas. Quanto aos novos saberes, destacou-se a habilidade dos profissionais em adaptar os protocolos de utilização de produtos em busca de melhores resultados. Por fim, a pesquisa traz uma contribuição sobre a possibilidade de existência da “contra-atividade de trabalho”, que seria o uso de si por si fazendo com que a atividade de trabalho não seja realizada pelo trabalhador.


Palavras-chave


Cabeleireiros. Ergologia. Trabalho. Dramáticas. Corpo si.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v18n35p199-224

Revista Organizações em Contexto (ROC) - Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.