Sífilis: aspectos clínicos, transmissão, manifestações orais, diagnóstico e tratamento

Yuri Kalinin

Resumo


A sífilis é uma doença que pode ser transmitida de diversas maneiras, mas as mais frequentes são por contato sexual desprotegido ou verticalmente pela mãe contaminada para o seu feto. Todas as suas fases podem apresentar manifestações orais, sendo uma doença de grande importância para o cirurgião-dentista, visto que essas manifestações são de atribuição diagnóstica e podem ser confundidas com outras enfermidades. Quanto mais rápido o diagnóstico, seja pelo cirurgião-dentista ou seja pelo médico, melhor é o prognóstico do paciente. As alterações mais frequentemente observadas em boca são o cancro duro, as placas mucosas e as gomas, além dos incisivos de Hutchinson e molares em amora no caso de sífilis congênita. O melhor fármaco disponível hoje para o tratamento da sífilis é a penicilina benzatina, sendo as suas doses e intervalos definidos pela fase em que se encontra o paciente. A prevenção da doença e o controle do paciente devem ser feitos com aconselhamento sobre práticas sexuais seguras, e o profissional de saúde que for examiná-lo deve estar atento às normas de biossegurança, pois as lesões das primeiras fases são altamente contagiosas. Uma atenção especial tem que ser dadas as gestantes, visto que pode ocorrer a transmissão vertical da doença, mas essa é totalmente passível de tratamento. A sífilis é uma doença curável, e por isso, é dever dos profissionais de saúde conhecerem suas manifestações, como fazer seu diagnóstico e como deve ser o tratamento adequado. 


Palavras-chave


sífilis; manifestações orais; diagnóstico; protocolos clínicos; controle

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1000/odonto.v23n45-46p65-76

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.