A imagem corporal de indivíduos com paraplegia não congênita: um estudo exploratório

Mariana Tavares de Campos, Hilda Rosa Capelão Avoglia, Eda Marconi Custódio

Resumo


A sociedade atual está organizada para indivíduos física, intelectual, social e emocionalmente perfeitos. Conseqüentemente, pessoas com deficiência encontram cada vez mais dificuldade em se adaptar. Assim, este estudo tem como objetivo verificar a representação do próprio corpo em indivíduos com deficiência física, especificamente com paraplegia não congênita. Participaram do trabalho dois adultos jovens, do sexo masculino, com idades entre 20 e 25 anos, com paraplegia não congênita há cinco anos. Inicialmente foi realizada uma entrevista semi-estruturada e, posteriormente, a aplicação individual do Teste do Desenho da Figura Humana (DFH), conforme Van Kolck (1984). Os resultados indicaram que os participantes vivem um conflito sexual representado pela divisão do corpo em zonas do tronco superior e inferior. Observou-se, ainda, o surgimento de mecanismos defensivos para minimizar suas dificuldades diante do próprio corpo. No que se refere à imagem corporal, esta parece alterada e permeada por sentimentos de falta de confiança em si, nostalgia, atitude de expectativa diante da vida e desejo de obter aprovação social. O presente estudo pode fornecer subsídios para o planejamento de uma intervenção multidisciplinar mais efetiva, bem como referendar ações psicológicas na área da deficiência, visando à adaptação desses indivíduos e à promoção de sua qualidade de vida.


Palavras-chave


Palavras-chave: Imagem corporal – Deficiência física – Paraplegia – Teste do desenho da figura humana.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0969/pi.v11n11p27-55

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.