A IMPORTÂNCIA DOS PILARES DE CÓDIGO DE CONDUTA E POLÍTICAS DE COMPLIANCE E DE TREINAMENTO E COMUNICAÇÃO PARA IMPLEMENTAR UM PROGRAMA DE INTEGRIDADE EFETIVO NAS EMPRESAS

Gabriela Casciano Correa da Costa

Resumo


RESUMO

O programa de compliance é implementado através da observação de alguns pilares que direcionam a sua implantação e sustentam sua efetividade e eficácia na prática das atividades empresariais.O presente artigo busca analisaro programa de integridade e a importância da sua implementação nas empresas, observando especificamente dois pilares do programa, sendo eles o pilar de Código de Condutas, bem como as Políticas de Compliance e o pilar do Treinamento e Comunicação.O compliance visa fazer com que se cumpram as normas, porém mais do que isso, ele busca fazer com que a cultura da organização esteja em conformidade com as normas. Assim, ambos os pilaresabordados neste artigo possuem grande relevância para o sucesso do programa de integridade, tendo em vista que buscam facilitar o entendimento de que é necessário respeitar e cumprir as Leis, valores, diretrizes e princípios estabelecidos no ordenamento jurídico e na própria organização. Ainda, será demonstrado como a união desses dois pilares pode contribuir para o desenvolvimento da empresa e dos seus colaboradores, bem como para melhorar a reputação da organização na visão dos seus parceiros, investidores e para a própria sociedade, que tem analisado a conduta ética e íntegra das empresas. Dessa forma, a presente pesquisa almeja refletirem específico sobre a importância e a necessidade da aplicação desses dois pilares, de forma assertiva, demonstrando que ambos se complementam para a efetividade e eficácia do programa de integridade nas organizações.


Palavras-chave


Compliance. Integridade. Código de Condutas. Treinamentos. Comunicação.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ASSI, Marcos. Compliance: como implementar. São Paulo: Saraiva, 2018.

BRASIL, Decreto nº 8.420, de 17 de março de 2015. Regulamenta a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013, que dispõe sobre a responsabilização administrativa de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2020.

______. Lei nº 12.846, de 01 de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 01 ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2020.

BLOK, Marcella. Compliance e Governança Corporativa. 3. ed. São Paulo: Freitas Bastos Editora, 2020.

CUNHA, Matheus; KALAY, Marcio El (org.). Manual de Compliance. São Paulo: Lec Editora e Organização de Eventos Ltda., 2019

GIOVANINI, Wagner. Compliance: a excelência na prática. São Paulo: Editora, 2014.

HUMBERG, Mario Ernesto. Programas e códigos de ética e conduta, São Paulo: Editora CLA Cultural, 2014.

KANAANE, Roberto; ORTIGOSO, Sandra Aparecida Formigari. Manual de treinamento: como desenvolver programas de capacitação, treinamento e desenvolvimento do potencial humano. São Paulo: Atlas, 2018.

LIMA, Danielle Pinheiro Diógenes. Compliance: Prevenção de Responsabilidades nos Negócios e Contratos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2018.

NEGRÃO, Célia Lima; PONTELO, Juliana de Fátima. Compliance, controles internos e riscos: a importância da área de gestão de pessoas. 2. ed. Brasília: Senac, 2017.

SERPA, Alexandre da Cunha. Compliance Descomplicado: Um guia simples e direto sobre Programa de Compliance. São Paulo: CCEP, CFE, 2016.

SIBILLE, Daniel; SERPA, Alexandre. Os pilares do programa de compliance: uma breve discussão. Legal Etchis Compliance, 2019, 20 p. Disponível em:. Acesso em: 11 dez. 2020.




DOI: https://doi.org/10.15602/2525-3883/j&s.v6n1p%25p