Autonomia para ensinar e aprender: pela liberdade na prática pedagógica

Geraldo Mateus de Sá, Aldimar Jacinto Duarte

Resumo


: Este artigo pretende refletir sobre ensinar e aprender a partir do conceito de autonomia, de Paulo Freire (1921-1997), que pressupõe a pedagogia pautada na liberdade, na democracia e no diálogo. Assim, salienta-se a necessidade da livre manifestação da curiosidade, a fim de que a prática pedagógica autoritária não iniba a invenção e, muito menos, negue a dimensão crítica da aprendizagem existencialmente manifestada no mundo. Em vista disso, fez-se uma análise do conceito de autonomia concernente ao pensamento de Freire, especialmente no que tange à sua obra Pedagogia da autonomia (1996). Dentre os possíveis resultados, conclui-se que a autonomia, além de necessária à práxis pedagógica, constitui também uma real alternativa de uma pedagogia inventiva e autêntica dentro da realidade educacional. A análise em questão evidencia, portanto, que a identidade do pensamento de Freire consiste prioritariamente em uma concepção crítica à autonomia para ensinar e aprender.


Palavras-chave


Autonomia. Paulo Freire. Liberdade. Invenção. Curiosidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1043/el.v23n2p75-92

ISSN IMPRESSO: 1415-9902

ISSN ELETRÔNICO: 2176-1043

      IRESIE

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.