Ecos da Guerra de Canudos em dois jornais protestantes de São Paulo (1896-1897)

Leonildo Silveira Campos

Resumo


Resumo:

 A Guerra de Canudos, em sua fase final (1897), deixou de ser um conflito local, para se tornar um acontecimento nacional. Várias unidades do Exército foram deslocadas para a região. O conflito deixou aproximadamente vinte mil mortos. A imprensa secular desempenhou um importante papel, mobilizando a opinião pública contra os camponeses liderados por “Antonio Conselheiro”. Este artigo tem por objetivo mapear o material publicado em dois jornais protestantes editados na cidade de São Paulo: O Estandarte, dos presbiterianos; e O Expositor Cristão, dos metodistas. A análise que chegamos foi a seguinte: A atitude dos dois jornais não foram diferentes dos jornais seculares, exceto na atribuição da causa da tragédia à religião dominante – o catolicismo. Porém, o entusiasmo pela República, por parte dos protestantes brasileiros, talvez tenha sido o maior motivo na oposição a Canudos.

 


Palavras-chave


Palavras chaves: termo 1 Canudos; termo 2 Imprensa Protestante; termo 3 Antonio Conselheiro; termo 4 República Velha.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTMANN, Walter. Lutero e a libertação. São Paulo: Atica, 1992.

AMADO, Janaína. Conflito social no Brasil: A revolta dos “Mucker”, Rio Grande do Sul, 1868-1898. São Paulo: Símbolo, 1977.

BASTIDE, Roger. O sagrado selvagem e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

BLOCH, Ernst. Thomas Müntzer - Teólogo da revolução. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1973

CALAZANS, José. A Faculdade de Direito da Bahia e a Guerra de Canudos. Revista USP, n. 20, p. 8-11, outubro de 1993-abril de 1994.

COHN, Norman. Na senda do milênio: Milenaristas revolucionários e anarquistas místicos na Idade Média. Lisboa: Editorial Presença, 1981.

CUNHA, Euclides da. Os sertões – Campanha de Canudos. 27. ed. Brasília: Editora da UnB, 1963.

ENGELS, Fredrich. As guerras camponesas na Alemanha. São Paulo: Grijalbo, 1977.

ESTANDARTE, O. Jornal presbiteriano de São Paulo. Edições de 27 de fevereiro de 1897; 13 de março de 1897; 11 de setembro de 1897; 9 de outubro de 1897; 6 de novembro de 1897.

EXPOSITOR CRISTÃO. Jornal metodista de São Paulo. Edições 10 de julho de 1897; 28 de agosto de 1897; 16 de outubro de 1897.

FACÓ, Rui. Cangaceiros e fanáticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963.

GALVÃO, Walnice Nogueira. (Org.). No calor da hora: A guerra de Canudos nos jornais, 4a expedição. 3. ed. São Paulo: Ática, 1994.

HARDMAN, Francisco Foot. (Org.) Morte e progresso: Cultura brasileira como apagamento de rastros. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

HERMANN, Jacqueline. Canudos destruído em nome da República – uma reflexão sobre as causas políticas do massacre de 1897. Revista Tempo, v.2, n.3, p. 81-105,1996.

LAPLANTINE, François. Mesianismo, posesion y utopia: Las tres voces de la imaginación colectiva. Barcelona: Gedisa, 1977.

LHOSA, Mario Vargas. A guerra do fim do mundo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

MARTINS, Paulo Emilio Matos. A reinvenção do sertão: A estratégia organizacional de Canudos. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

MONIZ, Edmundo. A guerra social de Canudos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MOTTA, Márcia; ZARTH, Paulo. (Org.). Formas de resistência camponesa: visibilidade e diversidade de conflitos ao longo da história. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

NOGUEIRA, Ataliba. Antonio Conselheiro e Canudos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1974.

OLAVO, Antonio (direção e roteiro). Paixão e guerra no sertão de Canudos – Filme documentário em vídeo. Salvador, Bahia: 1993 (Filme premiado no X Rio Cine Festival, 1994).

OLIVEIRA, Pedro A. R. de. Religião e dominação de classe – Gênese, estrutura e função do catolicismo romanizado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1985.

OTTEN, Alexandre. “Só Deus é grande”. A mensagem religiosa de Antonio Conselheiro. São Paulo: Loyola, 1993.

PARKER, Cristián. Religião popular e modernização capitalista: outra lógica na América Latina. Petrópolis: Vozes, 1996

PROFETA, Oswaldo. Canudos – Libelo de um massacre. Uma visão religiosa da Guerra de Canudos. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1990.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O messianismo no Brasil e no mundo. 2. ed. São Paulo: Dominus-Edusp, 1965.

QUEIROZ, Renato Silva. O demônio e o messias: Notas sobre o surto sócio-religioso do Catulé. In: PEREIRA, João Baptista Borges; QUEIROZ, Renato Silva. (Org.). Messianismo e milenarismo no Brasil. São Paulo: Edusp, 2015.

REGO, José Lins do. Pedra Bonita. Rio de Janeiro: José Olímpio Editora, 1973.

ROCHA, Glauber. Direção e roteiro dos filmes “Deus e o diabo na terra do sol” (1963) e “O dragão da maldade contra o santo guerreiro” (1969).

SILVA, Severino Vicente da (Org.). A Igreja e o controle social nos sertões nordestinos. São Paulo: Paulinas, 1988.

SOUZA NETO, Francisco Benjamin. Antonio Conselheiro e Canudos; livro de Ataliba Nogueira Simpósio, n.13, p. 36-37, 1995.

VASCONCELLOS, Pedro Lima. Do Belo Monte das promessas a Canudos destruída: O drama bíblico na Jerusalém do sertão, Maceió, Editora Catavento, 2010.

VASCONCELLOS, Pedro Lima. Messianismos: Problemas de um conceito. In: Conferência, 3º Congresso Nacional ANPTECRE, 2011, São Paulo, CD, Anais.

VILLA, Marco Antonio. Canudos. O povo da terra. São Paulo: Ática, 1995.

WATTS, Martha. Cartas de Martha Watts, 1881-1908. In: MESQUITA, Zuleica (Org.) Evangelizar e Civilizar. Piracicaba: Editora Unimep, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v31n1p37-59

 

           

 

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.