Cultura das violências (des)necessárias: uma análise a partir da história brasileira

Wilhelm Wachholz, Thiago Nicolau de Araújo

Resumo


O “paraíso”, terra sem violências, não era a Europa dos ibéricos nem a Ameríndia, anexada como possessão. O encontro de ambos, contudo, potencializou as violências, em decorrência das pretensões ibéricas. A Modernidade foi inaugurada em conexão com a possessão violenta da Ameríndia. O “ter” em detrimento do “ser” tornou as violências “necessárias” como forma de dominação. A cultura do consumo da (Pós-Modernidade)traduziu e preservou a cultura das violências a partir do princípio do “ter”. O mercado se complexificou, necessitando das violências, das competições, das exclusões, das opressões para apresentar-se, paradoxalmente, como solução do que ele próprio criou. Muitas igrejas na atualidade reproduzem e potencializam a cultura das violências sob a linguagem religiosa. Nossa tese neste artigo é a de que as violências não devem ser compreendidas pontualmente, onde “aparecem”, mas como “engrenagem” e “rede de violências”. O objetivo deste artigo é apresentar uma análise, relacionando violências da conquista da Ameríndia, em particular o Brasil, e Modernidade e a pontencialização das violências pela Pós-Modernidade, em especial, pelas religiões da prosperidade.


Palavras-chave


violências; história; religião; cultura

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BARTOLOMÉ Ruiz, C. M. M, A justiça perante uma crítica ética da violência. In: BARTOLOMÉ Ruiz, C. M. M. (Org.) Justiça e Memória, para uma crítica ética da violência. São Leopoldo: Unisinos, 2009.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: BENJAMIN, Walter. (Org.). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1985. v. 1, p. 229-231.

BENJAMIN, Walter. Crítica da Violência, Crítica do Poder. In: Documentos de Cultura, Documentos de Barbárie. Escritos escolhidos. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1986.

BEOZZO, José Oscar. Evangelho e Escravidão na Teologia Latino-Americana. In: RICHARD, Pablo. (Org.). Raízes da Teologia Latino-Americana. São Paulo: Paulinas, 1987, p. 83-122.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Identidade e Etnia: construção da pessoa e resistência cultural. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRITO, Eugênio Augusto. Carro é como celular e tem de ficar obsoleto; Kia e outras marcas já agem assim. Disponível em: http://carros.uol.com.br/noticias/redacao/2013/04/12/carro-e-como-celular-e-tem-de-ficar-obsoleto-kia-e-outras-marcas-ja-agem-assim.htm. Acesso em: 21 maio 2013.

DUSSEL, Enrique. Sistema-Mundo, Dominação e Exclusão – Apontamentos sobre a história do fenômeno religioso no processo de globalização da América Latina. In: HOORNAERT, Eduardo. (Org.). História da Igreja na América Latina e no Caribe: 1945-1995; o debate metodológico. Petrópolis: Vozes; São Paulo: Cehila,1995. p. 39-79.

ESTRAGÓ, Margarita Duran. As Reduções. In: DUSSEL, Enrique. (Org.). Historia Liberationis–500 anos de História da Igreja na América Latina. São Paulo: Paulinas, 1992. p. 514-530.

HOORNAERT, Eduardo. História do Cristianismo na América Latina e no Caribe. São Paulo: Paulus, 1994.

KNIPP, Kersten. Das Ewige Versprechen; eine KulturgeschichteBrasiliens. Disponível em: http://www.amazon.de/Das-ewige-Versprechen-Kulturgeschichte-taschenbuch/dp/3518464485/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1393606982&sr=8-1&keywords=Kersten+Knipp. Acesso em: 28 mar. 2014.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: UNICAMP, 1996.

OURIQUES, Nildo Domingos. O Significado da Conquista: cinco séculos de domínio. In: RAMPINELLI, Waldir José; OURIQUES, Nildo Domingos. (Orgs.) Os 500 Anos: a conquista interminável. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 83-109.

MANGONI, José Antonio. Violência e idolatria no cristianismo; uma leitura da invasão cristã europeia a partir da crítica da religião de Feuerbach e da concepção bíblica de Deus. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/5295/1/000269461-Texto%2BCompleto-0.pdf . Acesso em: 7 jul. 2014.

MOREIRA, Alberto da S. Religião, transformações culturais e globalização. In: OLIVEIRA, Irene D.; REIMER, Ivoni R.; SOUZA, Sandra D. (Orgs.). Religião, Transformações Culturais e Globalização. Goiânia: PUC, 2011. p. 9-38.

STEFFAN, Heinz Dieterich. Sociedade Global – Identidade Colonial. In: RAMPINELLI, Waldir José; OURIQUES, Nildo Domingos. (Org). Os 500 Anos: a conquista interminável. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 69-82.

SUNG, Jung Mo. Entrevista concedida ao jornalista da Faculdades EST, Micael Vier Behs. III Simpósio do Mestrado Profissional em Teologia. 20 e 21 de janeiro de 2012. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=jGGBkixkf9s . Acesso em: 21 maio 2013.

WALLERSTEIN, I. A cultura como campo de batalha ideológico do sistema mundial moderno. In: FEATHERSTONE. Mike. (Org.). 2. ed. Cultura Global: Nacionalismo, globalização e modernidade. Rio de Janeiro: Vozes, 1998 p. 41-67.

WIRTH, Lauri Emilio. Protestantismos latino-americanos: entre o imaginário eurocêntrico e as culturas locais. In: FERREIRA, João Cesário Leonel. (Org.) Novas Perspectivas sobre o Protestantismo Brasileiro. São Paulo: Fonte Editorial/Paulinas, 2009. p. 15-46.




DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v31n1p25-36

 

           

 

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.