O turismo religioso na sociedade líquido-moderna: apropriação da fé pelo trade turístico

Vitor Chaves de Souza, Alan Faber do Nascimento

Resumo


A despeito da irredutibilidade do sagrado, o turismo religioso, tal como o conhecemos hoje, ao invés de prestigiar o fenômeno sacro sui generis, preocupa-se imprescindivelmente com a manutenção da indústria turística per se. O objetivo do texto é demonstrar, sociológica e filosoficamente, a apropriação da fé pelo trade turístico na sociedade líquido-moderna. Para isso, a pesquisa parte da crítica, de fundo marxista, da sociedade de consumo e alcança os paradoxos do turismo, bem como a busca existencial por espaços saturados de sentido e a vivência da temporalidade com pretensão eterna. O artigo segue as intuições metodológicas de Hervieu-Léger, Zygmunt Bauman e Mircea Eliade. Empiricamente, a pesquisa orienta-se por autores das ciências humanas e da religião para a análise histórica e atual do peregrino contemporâneo e do nascimento do “eu moderno” no processo de consumo intrínseco aos mercados turísticos.


Palavras-chave


turismo religioso; sociedade líquido-moderna; espaço sagrado; trade turístico; eternidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1078/er.v33n2p291315

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


 

            

       

        AE GLOBAL INDEX  SUMÁRIOS.ORG

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.