Otimismo e autoeficácia no contexto da sucessão em empresas familiares

Jéssica Lopes Conte, Luana Kethlyn Bellini, Sayonara de Fátima Teston

Resumo


O otimismo e a autoeficácia de sucessores de empresas familiares podem contribuir para que o processo sucessório se efetive de maneira mais assertiva. Com vistas a estes temas, o trabalho buscou avaliar o índice de otimismo e autoeficácia dos sucessores de empresas familiares de Chapecó, Santa Catarina. Por meio da abordagem quantitativa, e de questionários de autorrelato, os índices de otimismo e autoeficácia dos sucessores das empresas familiares foram levantados e correlacionados. Entre os principais resultados da pesquisa, verificou-se que os participantes apresentam índices elevados nos dois constructos, que há correlação significativa entre diversas variáveis de otimismo e de autoeficácia, bem como, que o otimismo prediz a autoeficácia dos sucessores investigados. O estudo contribui para ampliar estudos sobre empresas familiares no Brasil e sobre comportamentos organizacionais positivos, especialmente o otimismo e a autoeficácia. O estudo apresenta potencial de contribuição para a ampliação do entendimento de aspectos emocionais de um público que poderá contribuir para o desenvolvimento sustentável da região oeste catarinense no futuro.

Palavras-chave


Comportamento organizacional. Sucessão. Otimismo. Autoeficácia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALESSANDRI, G.; BORGOGNI, L.; SCHAUFELI, W. B.; CAPRARA, G. V.; CONSIGLIO, C. From positive orientation to job performance: the role of work engagement and self-efficacy beliefs. Journal of Happiness Studies, v. 16, n. 3, p. 767-788, 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2018.

BANDURA, A. Self-Efficacy. Encyclopedia of human behavior. In: Ramachaudran, V. S. (Ed.). Encyclopedia of mental health (v. 4, p. 71-81). New York: Academic Press, 1994.

BANDURA, A. Social cognitive theory: an agentic perspective. Asian Journal of Social Psychology, v. 2, n. 1, p. 21-41, 1999. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

BARBETTA, P. A. Estatística Básica Aplicada a Ciências Sociais. 7 ed. Florianópolis: Editora UFSC, 2015.

BOWMAN-UPTON, N. Transferring management in the family-owned business. Waco, TX: Institute for Family Business, Baylor University, 2007.

BRASIL. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). Disponível em:

http://pdet.mte.gov.br/caged>, 2019.

CARDIEUX, L. Succession in small and medium-sized family businesses: toward a typology of predecessor roles during and after instatement of the successor. Family Business Review. v. 20, p. 95 – 109, 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

COHEN, J. Statistical Power Analysis for the Behavioral Sciences. 2 ed. New York Psychology Press, 1988.

DE MASSIS, A.; CHUA, J.; CHRISMAN, J. Factors preventing intra-family succession. Family Business Review, San Francisco, v. 21, n. 2, p. 183-199, 2008.

DE MASSIS, A; SIEGER, P.; CHUA, J. H.; VISMARA, S. Incumbent’s attitude toward intrafamily succession: an investigation of its antecedents. Family Business Review, v. 29, n. 3, p. 278-300, 2016. Disponível em: < https://boris.unibe.ch/84176/8/De%20Massis,%20Sieger,%20Chua%20%26%20Vismara%202016%20-%20Accepted.pdf>. Acesso em: 23 out. 2019.

DRESCH, A. Design Science research: método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2015.

FALCÃO, J. T. da R.; RÉGNIER, J. Sobre os métodos quantitativos na pesquisa em ciências humanas: riscos e benefícios para o pesquisador. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 81, n. 198, p. 229-243, 2000.

TESTON, S. de F.; FILIPPIM, E. S. Perspectivas e Desafios da Preparação de Sucessores para empresas familiares. Revista de Administração Contemporânea, v. 20, n. 5, art. 1, p. 524-545, 2016.

FINNEY, S. J.; DISTEFANO, C. Nonnormal and categorical data in structural equation modeling. In: HANCOK, Gregory R.; MUELEER, Ralph O. Structural equation modeling: a second course. Charlotte, NC: Information Age Publ., 2006.

FONTES, A. P.; AZZI, R. G. Crenças de autoeficácia e resiliência: apontamentos da literatura sociocognitiva. v. 29, n. 1, Campinas, 2012. Disponível em: .

FREITAS, E. C.; FREZZA, C. M. M. Gestão e Sucessão em Empresa Familiar. Revista Gestão e Desenvolvimento. v. 2, n. 1, 2005. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2018.

HAIR Jr., J. F.; BABIN, B.; MONEY, A.; SAMOUEL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2006.

HUTZ, C. S. Avaliação em Psicologia Positiva. Porto Alegre: Artmed, 2014.

IBM CORPORATION. SPSS Statistics for Windows, version 21.0. Armonk, NY: IBM Corp, 2012.

MENDONÇA, C.; ALVES, F. A conexão que faltava: a importância do planejamento estratégico para o sucesso da empresa familiar. São Paulo, 2016. Disponível em: < https://www.pwc.com.br/pt/setores-de-atividade/empresas-familiares/2017/tl_pgef_17.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2019.

OLSEN, W. Coleta de Dados: debates e métodos fundamentais em pesquisa social. São Paulo: Editora Penso, 2015.

PÉREZ, T. B.; MERINO, M. H. Otimização do Protocolo Familiar para a Permanência das Empresas Familiares Peruanas sobre a Base do Entorno Familiar. Revista Organizações em Contexto, v. 9, n. 18, p. 197-218, 2013.

RIBEIRO Jr, J. I. Análises estatísticas no Excel: Guia prático. 2 ed; rev. e ampl. Viçosa, MG, Ed. UFV, 2013.

ROBINSON, C.; SNIPES, K. Hope, optimism and self-efficacy: A system of competence and control enhancing African American college students academic well-being. Multiple Linear Regression Viewpoints. v. 35, p. 16 – 26, 2009.

SANTOS, C. Estatística Descritiva: Manual de Auto-Aprendizagem. 3 ed. Lisboa: Sílabo, 2018.

SCHEFFER, A. B. B. Fatores dificultantes e facilitadores ao processo de sucessão familiar. Revista de Administração, v.30, n. 3, p. 80 – 90, 1995. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2018.

SCHEIER; M. F.; CARVER, C. S. Optimism, Coping and Health: Assessment and Implications of Generalized Outcome Expectancies. Health Psychology. p. 219 – 247, 1985.

SCHEIER; M. F.; CARVER, C. S; BRIDGES, M. W. Distinguishing Optimism From Neuroticism (and Trait Anxiety, Self-Mastery, and Self-Esteem): A Reevaluation of the Life Orientation Test. Journal of Personality and Social Psychology. v. 67, n.6, p. 1063 – 1078, 1994.

SCHEIER, M. F.; CARVER, C. S.; BRIDGES, M. W. Optimism, Pessimism, and Psycological Well-Being. American Psychological Association. 2001. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1037/10385-009>. Acesso em: 11 nov. 2018.

SEBRAE. SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Relatório Especial (*) – “Empresas familiares”. 2015. Disponível em: < https://bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/db16fac96aa7a4f7f1b8af2dc5e000a1/$File/5986.pdf. Acesso em: 17 fev. 2020.

SEBRAE. SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Santa Catarina em números. 2013. Disponível em: < https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/sc/quem_somos/santa-catarina-em-numeros,2fedd49dc3246410VgnVCM2000003c74010aRCRD. Acesso em: 17 fev. 2020.

SILVA, A. H.; FOSSÁ, M. I. T. Rituais corporativos como estratégia de legitimação dos valores organizacionais em empresas familiares. Revista Organizações em Contexto, v. 10, n. 20, p. 117-144, 2014.

SNYDER, C. R. Hope theory: Rainbows of the mind. Psychological Inquiry. p. 249 – 275, 2002. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2018.

VASCONCELOS, A. C. V. H.; OLIVEIRA, M. F.; FERNANDES, V. D. C. O processo de sucessão em diferentes combinações de gênero: um estudo comparativo de casos em empresas familiares de Monte Carmelo, MG. Revista de Administração, Contabilidade e Economia. Joaçaba, v. 16, n. 1, p. 203-226, jan/abr. 2017.

VIEIRA, S. Como elaborar questionários. São Paulo: Atlas, 2009.




DOI: https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v16n32p243-266

Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.