Antecedentes de intenção de rotatividade: estudo de um modelo psicossocial

Maria Luiza Conceição Bisi Ferreira, Mirlene Maria Matias Siqueira

Resumo


Altos índices de rotatividadede pessoal podem comprometer significativamente os resultados organizacionais. Voltado para esta realidade, o presente estudo testou um modelo para intenção de rotatividade, posicionando comprometimento organizacional afetivo e satisfação no trabalho como seus antecedentes diretos e percepção de justiça de remuneração como antecedente indireto. Para a coleta de dados foi utilizado um instrumento composto de quatro escalas validadas, referentes às variáveis do modelo, aplicado a 81 profissionais de empresas da Grande São Paulo, sendo 46 do setor metalúrgico e 35 do setor eletro-eletrônico. Análises de regressão múltipla hierárquica revelaram evidências que comprovaram a adequação de interdependência prevista no modelo, apontando satisfação e comprometimento afetivo como antecedentes diretos e percepção de justiça de remuneração como antecedente indireto de intenção de sair da empresa. Concluiu-se que cabem às organizações que buscam manter colaboradores importantes para seus planos estratégicos, aumentar o nível de satisfação no trabalho destes profissionais, proporcionar um ambiente propício ao comprometimento afetivo com a organização pelo fortalecimento de percepções de justiça acerca da remuneração que recebem.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v1n2p%2047%20-%2067

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.