O prestígio da escola de negócios - pesquisa versus ensino

J. Scott Armstrong Tad Sperry

Resumo


Nós examinamos os relacionamentos entre as pesquisas que se originam em escolas de negócio, a satisfação dos alunos com as escolas, e as avaliações publicadas do ranking da escola. A pesquisa foi correlacionada positivamente ao ranking (o ranking foi baseado nas percepções dos acadêmicos, das firmas, e dos candidatos a estudante). A satisfação de recém-graduados não foi relacionada ao ranking de uma escola (baseado nas percepções de firmas, do mundo acadêmico e de negócios). A produtividade da pesquisa das escolas não foi associada com a satisfação, mais baixa entre seus graduados recentes. Nós concluímos que as escolas devem enfatizar a pesquisa, ao invés de ensinar, se desejarem um ranking elevado. Se uma escola de negócio quiser um ranking elevado, deve dirigir mais de suas limitadas fontes de recursos, para a pesquisa ou para ensinar? Para enfrentar esta questão, nós examinamos a evidência das pesquisas executadas em escolas de negócio, a satisfação de estudantes graduados, e o ranking das escolas. Em anos recentes, os meios da mídia publicaram os resultados dos índices projetados para medir o ranking relativo de escolas de negócio. A publicação destes rankings aumentou, aparentemente, a competição entre escolas de negócio. A semana do negócio discutiu esta competição em um artigo intitulado, "a batalha das escolas-B está começando a ficar mais sangrenta; as escolas de alto nível competem como loucas por docentes de alto nível e estudantes de alto-potencial (BYRNE, 1986). Influenciadas pela popularidade destas pesquisas, diversas escolas de negócio proeminentes fizeram uma análise de ações para melhorar seus rankings (DEUTSCHE, 1990). Tipicamente, decidiram-se enfatizar o ensino, em um esforço para melhorar a satisfação dos estudantes. Para exemplo, em 1982, os docentes da escola de negócio de NYU perderam por um voto para fazer da pesquisa o único critério em suas decisões de promoção e de estabilidade na carreira; em 1990, a faculdade de NYU votou para dar ao ensino tanta importância quanto à pesquisa (BYRNE, 1990). Presumivelmente, esta atenção aumentada ao ensino vem às custas dos esforços para a pesquisa. Segundo Hancock, et al. (1992), por exemplo, o resultado encontrado revela que aqueles professores que publicaram, comparativamente, gastaram menos tempo com estudantes, e os que gastaram mais tempo com estudantes publicaram menos. Que resultados podem se esperar, se as fontes de recursos são dirigidas para a satisfação do estudante mais do que para a pesquisa? Tal estratégia pode ser eficaz se a satisfação do estudante fosse relacionada, positivamente, ao ranking da escola e do MBA e se pesquisa não fosse relacionada ao ranking. Mas os resultados não suportam tal ponto de vista. A ênfase aumentada na satisfação do estudante é provável vir à custa do ranking da escola de negócios.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v2n3p%2083%20-%20101


Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.