Custos de Troca em Tecnologia da Informação: a Proposição de um Modelo Taxonômico Integrado a partir da Literatura

Ricardo Engelbert, Alexandre Graeml

Resumo


Este artigo tem como objetivo a proposição de um modelo taxonômico integrado para os custos de troca em tecnologia da informação (TI). Estes custos desempenham papel decisivo nos processos de mudança de tecnologia executados pelas organizações, podendo limitar ou mesmo impedir que ocorram, reduzindo a flexibilidade do negócio para ajustar-se a novas condições ambientais. Em função do aprisionamento a que podem submeter uma organização, é importante que se estudem os custos de troca e formas de realizar a sua medição, de modo a reduzir o seu impacto sobre o processo decisório de adoção de novas tecnologias. Os constru-tos que compõem o modelo abrangente foram obtidos a partir de meticulosa análise da litera-tura das áreas de estratégia, economia, marketing, sistemas de informação e psicologia. As definições presentes nos diversos estudos publicados nessas áreas foram analisadas a partir dos níveis da solução, do fornecedor e dos processos de gestão envolvidos na troca de tecnologias. Uma perspectiva temporal capaz de possibilitar a compreensão de custos que ocorrem em diversos estágios do processo de mudança também foi incluída no modelo, para contemplar tanto custos prévios quanto custos potenciais, que só se concretizam após a efetivação da troca de tecnologia. Os custos foram classificados como: custos de seleção, custos de ativação, custos de construção, custos formais, custos psicológicos, custos de oportunidade e custos de se voltar à solução anterior. Ao se adotar uma perspectiva interdisciplinar, ou ao menos ao se dar atenção às contribuições proporcionadas pelas diversas disciplinas, os autores acreditam ter contribuído para a ampliação do entendimento dos pesquisadores em administração, e mais especificamente de sistemas de informação, sobre este assunto, tão relevante para a área. O modelo abrangente ora desenvolvido (nenhum outro modelo anterior tinha agregado tantos tipos distintos de custos de troca em uma única representação) pode também ser útil para profissionais que vivenciem em seu dia-a-dia organizacional a necessidade de tomar decisões em que os custos de troca sejam fatores importantes a considerar. Como as ambições do modelo são apenas descritivas dos custos de troca, e considerando que ele se baseou em outros estudos que por sua vez se apoiaram na prática do mercado empresarial e no comportamento humano em processos decisórios, não há necessidade de validação empírica para que o modelo possa ser prontamente utilizado. Ainda assim, futuros estudos podem se concentrar em identificar quais desses custos são predomi¬nantes em que situações e a intensidade com que os decisores observam cada tipo de custo de troca na prática, o que permitirá tornar o modelo explicativo, além de descritivo. Isto o tornará ainda mais relevante, tanto para os pesquisadores da área, quanto para os executivos que convivem com os custos de troca e o aprisionamento tecnológico no seu cotidiano.

Palavras-chave


Custos de troca; Aprisionamento tecnológico

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v7n13p157-184

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.